top of page
  • Foto do escritorVinotícias - Marcio Oliveira

CHATEAU LEOVILLE POYFERRE – SAINT JULIEN – BORDEAUX – FRANÇA

UMA VERTICAL COM SAFRAS 1983, 1985, 1986, 1999 e 2000


O Château Leoville está localizado em Saint-Julien, no coração do Médoc, 45 km a noroeste de Bordeaux. A origem da propriedade remonta a 1638. Durante a Revolução Francesa, Leoville era a maior propriedade vinícola do Médoc.

Após ser gerida por diferentes famílias e dividida, a Léoville Poyferré nasceu em 1840. Quinze anos depois, o Château foi coroado com a famosa classificação de 1855, onde obteve o posto de 2ème Grand Cru Classé. A família Cuvelier, comerciante de vinhos em Lille desde 1804, adquiriu o Château Léoville Poyferré em 1920. A essa altura, os vinhedos da propriedade estavam espalhados em cinco grandes áreas. Inclui todos os principais tipos de terroirs de cascalho presentes em Saint Julien. Essa diversidade contribui para a amplitude e complexidade dos vinhos produzidos pela propriedade. O terroir de Léoville Poyferré foi cultivado como um Grand Cru por 3 séculos. Léoville Poyferré possui uma rede permanente de monitoramento de águas subterrâneas para acompanhar a drenagem de cada videira. Essa rede também permite estimar a profundidade mínima de enraizamento da planta.


O Château Leoville Poyferre beneficiou-se, ao longo dos séculos, do know-how da família Cuvelier e, mais recentemente, das contribuições de Michel Rolland, renomado enólogo bordalês que presta consultoria para algumas das melhores vinícolas do mundo, em diversos países. Léoville Poyferré é um dos grandes destaques de Saint-Julien.


Composição de Uvas: Varia conforme a safra, mas tem composição média de 68% Cabernet Sauvignon, 26% Merlot e 6% Petit Verdot, com estágio em barricas de carvalho que durou entre 18 e 20 meses.


Notas de Degustação: Para Robert Parker este é “o mais sedutor dos três Léovilles”. Além das abundantes notas de frutas maduras e geléia de framboesa, também nos presenteia com apetitosas notas de café, chocolate amargo, creme de cassis, alcaçuz e carvalho tostado, mas claro que estas características variam em função da idade e guarda do vinho. Encorpado, apresenta uma acidez excelente e taninos pronunciados, extremamente macios e bem integrados. Seu longo final é marcado por frutas maduras, notas balsâmicas e toques de tabaco e chocolate. Incrível degustar um vinho com 40 anos de idade e ele estar excelente e vivo em boca!


Estimativa de Guarda: Beba todos agora e aproveite os aromas e sabores complexos. Decante apenas para separar as borras que se formaram durante a guarda. Se o 1983 sobreviveu 40 anos, podemos imaginar que podem ser guardados por 25 anos sem maiores riscos. Portanto, beba o 2000 até 2025.


Notas de Harmonização: um vinho para acompanhar carnes vermelhas grelhadas e assadas, massas com ragu de carne, queijos duros e pratos com cogumelos.


Serviço: servir entre 16 e 17ºC .


Faixa de PreçoEstelar


Os vinhos foram degustados num Encontro Especial de Confraria.

Comments


bottom of page