• Vinotícias - Marcio Oliveira

GEADA NO VINHEDO: OS PRODUTORES DE VINHO DA BORGONHA E DO RHÔNE TEMEM UM ANO SOMBRIO



O sul da Borgonha sofreu particularmente, com -8°c na região de Igé (Saône-et-Loire) em particular. Atingidos duramente por um episódio de geadas históricas, os viticultores da Borgonha e do Rhône traçam com temor uma avaliação inicial que pode chegar a uma perda quase total da safra.


"Esta será a menor safra das Côtes du Rhône nos últimos 40 anos": Philippe Pellaton, presidente da Inter-Rhône, estima em "cerca de 80 a 90%" as perdas sofridas nas denominações do Vale do Rhône (perto de 68.000 hectares).


O fenômeno atinge quase todo o território, o que é muito raro. Não acontecia há décadas -com esta intensidade, a última vez tinha sido em 1938. Normalmente, os episódios de geadas são localizados.


No vinhedo de Languedoc, a geada causou danos massivos. A denominação Côte-Rôtie, no Rhône, avalia suas perdas de produção em "80 ou mesmo 100%".


A região sofreu em 2016. A situação não é melhor na Borgonha (28.841 hectares de vinhas) e, em particular, na prestigiosa denominação Chablis (Yonne). O dano está entre "80 e 90%". No conjunto da Borgonha vitivinícola, haverá pelo menos 50% de prejuízo, avalia François Labet, presidente do Bureau Interprofissional of Burgundy Wines (BIVB). “Poderia ser pior do que 2016”, quando as vinhas da região foram afetadas em até 70% dependendo da área. “Em 2016, tivemos apenas uma nevasca. Desta vez, tivemos três noites de geadas fortes”, explicou Labet.


(Fonte: RVF)