top of page
  • Foto do escritorMarcio Oliveira - Vinoticias

“O VINHO NA ANTIGUIDADE ROMANA”

Das muitas contribuições que os romanos fizeram para o mundo - tanto antigos quanto aqueles que passaram para a sociedade moderna - talvez a mais duradoura tenha sido a arte da produção de vinho.

As uvas selvagens, embora agora quase extintas, cresceram em abundância em todo o Mediterrâneo e foram domesticadas e cultivadas em toda a região. Os etruscos e os gregos eram os principais consumidores de vinhos na Itália antes da ascensão de Roma e, embora o vinho fosse uma parte importante da dieta romana, não se tornou o ícone cultural de sua sociedade desde o início. O vinho nem sempre foi tão popular entre os romanos.


Os cartagineses que dominaram o comércio do Mediterrâneo antes dos romanos eram os conhecedores do vinho da época, e as primeiras referências antigas anteriores ao latim foram fornecidas na língua púnica.


● A expansão do Império permitiu que os vinhedos fossem estabelecidos na Itália - À medida que Roma se expandia, os conflitos com Cartago pelo domínio do comércio no Mediterrâneo começaram e acabaram por gerar as Guerras Púnicas. As Guerras Púnicas foram três conflitos travados entre Roma e Cartago, entre 264 a.C. e 146 a.C. Foram motivadas pelo controle do comércio do mar Mediterrâneo e pelo controle da Sicília. Na Primeira Guerra Púnica, os romanos derrotaram Cartago e conquistaram a Sicília. Na Segunda Guerra Púnica, o general cartaginês Aníbal foi derrotado e Cartago foi obrigada a aceitar pesados termos dos romanos. Na Terceira Guerra Púnica, Cartago foi cercada pelas tropas romanas, invadida e destruída por completo. Sua população foi escravizada. O norte da África foi convertido em uma província romana, e a região onde ficava a cidade de Cartago ficou inabitada por cerca de 100 anos.


Cartago cresceu principalmente depois que a Fenícia fora conquistada por Alexandre, o Grande. Muitos fenícios se mudaram para Cartago, e o crescimento da cidade fez com que ela se tornasse uma grande potência comercial e marítima no Mediterrâneo. Na época que a guerra contra os romanos se iniciou, Cartago já era, além de uma potência econômica, uma potência marítima e militar. Cartago se localizava no norte da África, atualmente onde fica a Tunísia.


Quando os romanos derrotaram Cartago em meados do século II aC, ficaram admirados pela quantidade de vinhos que encontraram nas adegas da cidade e isto chamou a atenção para o consumo de vinho, e a partir daí os vinhedos começaram a surgir em toda a Itália. Ao final das três guerras contra Cartago, Roma impôs seu domínio sobre o mar Mediterrâneo, transformando-o no que ficou conhecido como Mare Nostrum (nosso mar). Os romanos dominaram o comércio no Mediterrâneo e consolidaram sua expansão pelas terras de Cartago. O domínio comercial permitiu que Roma pudesse expandir-se também territorialmente.


Não mais dedicado à arte da guerra na Itália, as fazendas e vinícolas romanas floresceram. As uvas selvagens que antes formaram a cultura básica do vinho da Itália foram cultivadas e “domesticadas” em abundância. Antes disso, a Itália era uma cultura agrária baseada predominantemente na agricultura de sustento, mas como a expansão em terras férteis, como a Sicília e a África, ocorreu, a porta foi aberta para outras atividades agrárias. A produção de vinhos e uvas na Itália cresceu no século II aC, e grandes levas de escravos foram levados para as atividades nos vinhedos. A produção de vinho substituiu tanto a da agricultura alimentar tradicional, que o Imperador Domiciano foi forçado a destruir várias vinhas em 92 dC, enquanto colocava uma proibição para o plantio de novas vinhas.


● Vinhedos e produção de vinho tornam-se estabelecidos na cultura romana

Vários autores antigos dedicaram longas publicações sobre a produção, economia e valor cultural do vinho na Antiguidade Romana.


O Censor Cato forneceu o primeiro trabalho latino envolvendo vinho romano, entre outras atividades agrícolas, 'De Agri Cultura'. Já o autor Varro forneceu uma revisão bastante superficial da produção de vinho em um trabalho maior sobre a agricultura geral em 'Res Rusticae'.


Talvez o melhor exemplo de todas as fontes romanas sobre a produção de vinhos venha de uma das fontes latinas menos conhecidas. Columella, em sua própria 'Res Rusticae' (Sobre a Agricultura), forneceu uma visão altamente detalhada da arte romana de cultivo de uvas, produção e consumo de vinho. Plínio, o ancião, acrescentando seu próprio excelente trabalho, `Historia Naturalis’, que a produção de vinho na Itália em meados do século II aC superou qualquer outro lugar do mundo.


O cultivo de vinho e uvas não foi permitido, pelo menos por agricultores romanos fora da Itália durante esse período, e o vinho se tornou uma grande mercadoria de exportação. Embora continuasse sendo uma parte preciosa da vida cotidiana romana, seu valor de exportação diminuiria à medida que o Império se expandia. Como a Gália e a Hispânia (essencialmente a França e a Espanha) estavam sob influência romana, vinhedos maciços foram estabelecidos nessas províncias, e a Itália acabaria se tornando um importante centro de importação para vinhos provinciais.


● O vinho se torna uma bebida para qualquer hora ou ocasião - Os romanos bebiam o vinho como parte básica de sua dieta, preferida a qualquer outra coisa. De fato, a qualidade da água potável era tal que o vinho era uma bebida típica a qualquer hora do dia.

A crença romana de que o vinho era uma necessidade diária fez a bebida se tornar "democrática" e "onipresente"; em várias formas, ele estava disponível para os escravos, camponeses, mulheres e aristocratas igualmente.

No entanto, ao contrário de hoje, o vinho antigo quase sempre era consumido misturado com grandes porcentagens de água. Os vinhos antigos eram mais fortes, tanto no teor de álcool quanto talvez com sabor, tornando necessários acrescentar água ao vinho. Ao fazê-lo, não apenas a longevidade de uma porção garantida, mas os efeitos alcoólicos também diminuíram. Eles desfrutaram de vinhos de muitas variedades e sabores e misturaram o produto original de uva com uma enorme lista de ingredientes que mudavam seu sabor.


● Sabor do vinho - Do mel à água salgada, ervas e/ou especiarias de todos os tipos, os romanos pareciam dispostos a tentar qualquer coisa. Até o giz foi adicionado para reduzir a acidez. O sabor do vinho também foi alterado através de seu método de armazenamento.


O método típico de armazenamento estava nas ânforas romanas clássicas (um jarro manuseado com uma área de recipiente cilíndrica e pequeno pescoço e bico longo). Nestes, eles podem revestir o interior com resina, não apenas para preservação, mas para afetar o sabor do produto final. Os procedimentos de ebulição também afetaram o sabor, e os romanos estavam bem cientes das várias propriedades do sabor obtidas usando chumbo, ferro, cobre etc. em panelas de cozinha.


Durante a Roma Antiga, a gastronomia consistia somente em vegetais e frutas. Os romanos gostavam de alho, cebola, nabo, figo, romãs, laranjas, peras, maçãs e uvas. O prato típico era mingau de água com cevada. Uma versão mais sofisticada levava vinho e miolos de animais.


● Como o vinho romano foi produzido? - A produção de vinhos variou, é claro, dependendo da qualidade do produto pretendido. Para quaisquer vinhos, as uvas foram reunidas e pisadas com pés, mas geralmente enviadas para uma prensa para um refinamento adicional.


O Torculum ou a prensa romana às vezes podia ser uma peça sofisticada de peças acionadas pela máquina, mas era mais comumente um feixe de madeira pesado. Os sucos eram grosseiros e geralmente filtrados através de um objeto parecido com uma peneira chamada Colum para separar quaisquer resíduos ou cascas grossas ou mesmo outros objetos indesejáveis.


Para fermentar, os sucos eram colocados em ânforas ou vasos semelhantes chamados `Dolia’ , sob condições variadas. Algumas ânforas foram enterradas na areia, outras em terra e outras eram mergulhadas para descansar fundos de lagos ou rios, ou o próprio mar.

Alguns sucos eram fervidos antes de serem colocados em ânforas para fermentação. Os vinhos de safras de alta qualidade podiam ser deixados por um longo período de meses no processo de armazenamento. Embora o tempo necessário pareça ter sido de nove dias a alguns meses, dependendo do produto final desejado, os vinhos safrados eram sugeridos em termos de 10 a 25 anos.


De fato, o imperador Calígula já foi apresentado com uma safra de 160 anos que foi considerada um tratamento supremo. Infelizmente, quando o Império Romano começou a entrar em colapso, os vinhedos e a indústria do vinho como um todo caíram em um estado semelhante durante a chamada "Idade das Trevas". Embora a produção de vinho continuasse, ela não recuperou sua imensa popularidade até o ressurgimento da cultura clássica no Renascimento Europeu.


♦ Tipos de vinhos antigos


● Alguns vinhos gerais


Mustum - Um suco de uva de baixa qualidade, misturado com vinagre e se bebia fresco após pressionar as uvas.


Mulsum - Um vinho comum, geralmente adoçado com mel e servido a plebe e as classes mais baixas em eventos públicos.


Lora (Vinum Operário) - Um vinho amargo feito com cascas de uva, sementes e qualquer outro produto que sobrou do processo de prensagem. Fermentado por imersão na água, geralmente era servido a escravos, embora algumas classes mais baixas, e até soldados podiam ter acesso a vinhos que não eram os melhores. Varro em um de seus escritos, afirmou que era a bebida de mulheres velhas. Hoje, esses produtos de uva em excesso são usados ​​na destilação da grappa de bebidas alcoólicas.


Posca - Um vinagre azedo como vinho (acetum) misturado com água para reduzir a amargura e geralmente disponível para soldados e classes mais baixas.


Vinum Praeliganeum - Fabricado a partir de frutas inferiores e meio maduras reunidas antes do período de colheita regular. Talvez também usado na produção de sidras e bebidas semelhantes.


Vinum Dulce - Um vinho saudável doce, feito de uvas secas que foram pressionadas no calor do dia.


Diachytum de Vinum - Semelhante a Vinum Dulce, mas as uvas foram colocadas a secar ao sol por períodos mais longos. O vinho foi descrito como mais 'delicioso' do que o Vinum Dulce.


Passum - Vinho de passas. Obviamente feito de uvas quase completamente secas. A variedade mais valorizada foi importada de Creta.


Vinum marrubii, scilites, absintios, mirtites - Exemplo de vinhos usados ​​para fins medicinais. Marrubii para tosse, Scilites para digestão e como um tônico, correspondendo ao vermute moderno e aos mirtitas como uma medicina geral que ajudava muitas doenças.


● Alguns vinhos específicos


Vinum Pramnian - Um vinho grego que era considerado duro, adstringente e notavelmente forte.


Chian - Talvez o vinho grego mais apreciado, com a melhor variedade vindo de Ariusium.


Lesbian - Um vinho grego vindouro da ilha de Lesbos e Mileno em particular. Era considerado leve, saudável e tinha um sabor natural de água salgada.


Setinum - Um forte e doce vinho italiano de Latium considerou talvez o melhor dos vinhos. Era o vinho preferido de Augustus vindo das colinas de Setia. No entanto, Setinum parece ter caído em desfavor e ficou quase extinto devido à distribuição e ao canal de Nero que foi escavado diretamente no habitat natural dessa uva.


Caecuban - Outro vinho doce de Latium. Antes do período imperial, essa parece ter sido a variedade de uva mais valorizada. Essa uva também parece ter sofrido sob o canal de Nero.


Rhaético - Um vinho doce feito de uvas cultivadas nos Alpes, especialmente de vinhedos perto de Verona, Itália. Suetonius afirma que este vinho, e não Setinum era realmente o favorito de Augustus.


Falerno - Um vinho altamente premiado, disponível principalmente para as classes altas. Foi feito a partir da uva amineiana originária de Nápoles, mas transferida para o Monte Falernus entre Latium e Campania. Essas videiras se tornaram melhores em torno de árvores de olmo. Produziu uma bebida encorpada que era melhor quando envelhecido entre 10 e 20 anos e tinha um teor de álcool de até 16%.


Alban - Um vinho preferido entre as classes altas, com vários matizes de sabores, incluindo muito doce, doce, áspero e nítido. Foi considerado perfeito se mantido por 15 anos.


Surrentine - Vindo da baía de Nápoles, esse vinho de classe média foi considerado carente de riqueza e muito seco. Era melhor quando bebido entre 5 e 20 anos. O imperador Tibério se referiu a ele como nada mais que vinagre generoso. Seu sucessor Calígula chamou de `Nobilis Vappa’, indicou que era conhecido como inútil. Obviamente, esses homens tinham gostos para qualidades mais altas, para que sua reação possa ser entendida.


Massic - Outro produto das vinhas de Nápoles. Foi considerado um vinho duro.


Gauranian – Criado a partir de vinhas plantadas na cordilheira acima de Baiae e Puteoli, produzidos em pequena quantidade, mas de alta qualidade, e muito encorpado.


Calenum - Vindo de Cale (Portus Cale era uma cidade da Galécia romana, correspondente à atual cidade portuguesa do Porto.), o calenum era um grande vinho, segundo Plínio, era melhor para o estômago do que o Falerno.


Fundanian - Novamente, Plínio sugere que este vinho estava encorpado e nutritivo, mas apto a atacar o estômago e a cabeça, portanto, pouco procurado nos banquetes.


Mamertino ou Messanic - Este vinho era produzido na Sicília e foi servido no aniversário do Imperador Júlio César. Ele serviu este vinho frequentemente em seus vários eventos públicos e triunfos. O melhor “rotulo” desse tipo foi chamado Potalanum.


Baeterrae - Um vinho gálico (francês na atualidade) considerado aceitável para os romanos. Sua uva foi cultivada no Sudeste francês na região de Narbone, e daí também ser conhecido como `narbonensis’.


Baleares, Tarraco e Lauron - 3 vinhos da Hispania (e das Ilhas Baleares, obviamente) que eram consideradas importações dignas.


Laletani - Outro vinho da Hispania, que era famoso não tanto por qualidade, mas pela quantidade maciça em que foi produzida.


Mareoticum – Feito a partir de uma uva egípcia originária perto de Alexandria. Dizia -se que era branco, doce, perfumado e leve, e que era o preferido de Cleópatra.


Chalybonium - Um vinho oriental, cujo melhor produto parece ter vindo de perto de Damasco, na Síria.


Taenioticum - Nomeado a partir de um longo cume de areia perto da extremidade ocidental do Delta do Nilo. Era aromático, levemente adstringente e de uma consistência oleosa, que desaparecia quando misturada com água.


Saúde!!! Aproveite para comentar se gostou ou não!!! (Este artigo está baseado em material disponível na internet, e minhas considerações durante a prova dos vinhos e pesquisas).

Comments


bottom of page