• Vinotícias

O TEMPO DA BIODINÂMICA


"Longe de ser uma desvantagem, o advento da biodinâmica é o passaporte mais seguro para o futuro do vinho."

Na maior parte da França, muitas vezes são os viticultores e produtores de vinho mais exigentes que embarcam no caminho biodinâmico. Por mais de 90 anos, “La Revue du Vin de France” tem feito a crônica dos bons vinhos. Vinhos de prazer, vinhos para beber com amigos, vinhos de conversa, vinhos sérios, vinhos para matar a sede, vinhos a serem guardados por longos anos, vinhos de amor, vinhos canalhas; o vocabulário é infinito. E agora que este abundante glossário é enriquecido com novos termos, pela primeira vez em quase um século, a biodinâmica é o foco de uma edição da Revista.

Não é um truque, muito menos uma moda. É uma onda com profundidade. Amanhã, o grande vinho, mas também o vinho de matar a sede, não poderá mais ser associado a tratamentos químicos do solo e das plantas. Será impossível justificar que, em nome da luta contra o mofo, os Premiers Crus Classes de Bordeaux ainda sejam tratados com produtos químicos como fosétyl-alumínio. Quem se orgulhará de criar um Grand Cru de Champagne ou Chablis a partir de um terroir com ervas daninhas tratadas com glifosato?

Longe de ser uma desvantagem, o advento do orgânico é o passaporte mais seguro para o futuro do vinho. Enquanto o vento furioso da globalização está soprando, em toda parte da Europa há um desejo de enraizar, pertencer, uma sede de naturalidade e autenticidade. Pela sua história, a sua singularidade e a sua excelência, os vinhos franceses ou italianos, os vinhos de Rioja e do Vale do Reno têm esta faculdade, para além do prazer que trazem, de restaurar esta harmonia tão procurada hoje em dia. Desde que ofereçam ao amante da bebida de Baco alguma pureza.

"AMANHÃ, O VINHO NÃO PODE SER ASSOCIADO A TRATAMENTOS QUÍMICOS DE SOLOS E PLANTAS"

Como você verá, a turnê dos produtores de vinho biodinâmicos da Alsácia apresentada na edição da Revista está repleta de lições. Em primeiro lugar, porque a Alsácia é hoje a região mais biodinâmica da Europa e, provavelmente, do mundo (apenas a ausência de estatísticas confiáveis na América do Sul nos impede de escrevê-la aqui). Então, porque na Alsácia, como na maioria das regiões da França, muitas vezes são os viticultores e produtores de vinho mais exigentes que embarcam no caminho da biodinâmica.

Na propriedade de Zind-Humbrecht, o solo fluido desliza entre os nossos dedos, na mesma área onde a garra do trator, vinte anos atrás, arava o torrão pesado, compacto e sem vida. Vimos a vegetação brotar nas escarpas de Maurice Barthelmé, na propriedade de Albert Mann, que descreve como a biodinâmica restaurou as notas de bergamota características de seu Grand Cru Steingrubler, notas que haviam desaparecido. Foi emocionante.

Claro, também queríamos avaliar o sabor do vinho biodinâmico. E é uma excelente seleção que relata aqui Caroline Furstoss, cinquenta vinhos vibrantes que expressam seu terroir com profundidade e dignidade. Como Eddy Leiber-Faller nos lembra, a biodinâmica não resolve todos os problemas, especialmente diante da crescente seca. Mas dá confiança, alimenta a curiosidade dos homens e responde às aspirações de todos por um ambiente e vinhos mais saudáveis e naturais. (Tradução livre do artigo de Denis Saverot postado em 26/09/2018 – Revue de Vin de France)

#vinho #biodinâmica #RevuedeVindeFrance

48 visualizações
O que é o VINOTÍCIAS...

O VINOTÍCIAS foi criado por Márcio Oliveira, com o intuito de disponibilizar em um único espaço dicas de vinho, enogastronomia, eventos, roteiros de viagens e promoções. Inicialmente era disponibilizado na forma de uma newsletter para alunos, ex-alunos e amantes do vinho, com o crescimento do mercado e o amadurecimento do projeto a necessidade de um espaço maior para tantas informações se fez necessário e assim surgiu o blog e o site.

  • w-facebook
  • White Instagram Icon

© 2017 Vinotícias. Criado por Action Digital Midia

Belo Horizonte | Minas Gerais