top of page
  • Foto do escritorMarcio Oliveira - Vinoticias

“A FORMAÇÃO DAS CORES DOS VINHOS”

Por que o vinho é TINTO (vermelho), BRANCO ou ROSÉ? Com uma impressionante paleta de cores, o vinho pode seduzir o amante de vinhos ao primeiro olhar! Mas o que torna o vinho rubi escuro ou pelo contrário, branco pálido?

♦ VERMELHO OU BRANCO, DE ONDE VEM A COR DOS VINHOS? - Os vinhos não teriam essa riqueza aromática se os vinícolas se contentassem com um único tipo de uva para fazer sua bebida! A cor é acima de tudo uma questão de variedades de uva. As diferentes videiras têm características aromáticas e, também diferenças nos pigmentos e intensidade da coloração.


A origem da cor do vinho vem da pele das uvas no momento de sua maceração (um processo que permitirá ao suco de uva ainda incolor capturar os taninos, a cor e os aromas do vinho).


A polpa da uva, branca ou vermelha, é claro que influenciará a cor do vinho, mas acima de tudo, é a pele (casca) das uvas que desempenham um papel primordial. No processo de produção do vinho, são as cascas que darão cor ao suco por contato simples com ele, sendo capaz de passar de muito claro a muito escuro.


Na maioria das uvas, a polpa é branca. Entretanto, há algumas uvas como a Alicante Bouschet que tem polpa avermelhada. Estas uvas são chamadas de tintureiras, e geralmente produzem vinhos tintos mais intensos.


♦ A COR DOS VINHOS TINTOS - Para obter um vinho tinto, são as uvas com nuances pretas, vermelhas e violetas que serão selecionadas. Posteriormente, elas serão prensadas com a pele e sementes que vão colorir o suco. Os tons vermelhos estão ligados a três fatores: variedade de uva, maceração e idade do vinho. A idade do vinho dará uma cor ao vinho tinto face a sua evolução com a guarda:

- Violáceo: É um vinho jovem.

- Pálido: Pode ser uma safra chuvosa ou de alta produção gerando vinhos mais claros.

- Cor escura: pode ser o resultado de uma grande safra, ou vinho originado de videiras velhas ou um vinho com origem em vinhedos de baixo rendimento.

- Cor de Ferrugem ou Telha: É um vinho velho.

- Âmbar: Este é um vinho muito velho.


♦ A COR DOS VINHOS BRANCOS - Para o vinho branco, ao contrário do tinto, ele não obtém sua cor a partir da pele das uvas, mas da fermentação do suco separadamente da pele e de suas sementes. Aliás, é por isso que se pode fazer vinhos brancos a partir de uvas tintas, sendo o Champagne feito a partir de Pinot Noir, um grande exemplo (e neste caso chamado de Champagne Blanc de Noirs).


Por que você deve remover a pele? É apenas uma questão de aromas: se você macerar o suco com as cascas das uvas chamadas de brancas, os aromas serão mais marcados e darão um vinho vegetal demais. A fermentação é o passo em que o açúcar se transforma em álcool e que determinará a cor do vinho. Quanto mais fermentação, mais o açúcar se transforma em álcool, criando um vinho "seco". Pelo contrário, se houver muitos açúcares residuais, o vinho será descrito por suavidade e geralmente terá uma tonalidade mais amarelada.


Como no vinho tinto, os tons dos vinhos estão ligados a três fatores: variedade de uva, fermentação e idade do vinho:

- Pálido: É um vinho leve bastante seco.

- Amarelo Dourado: É um vinho doce.

- Cor de Cobre: Este é um vinho evoluindo na idade. Mas quando se tratar de vinho rosé, pode ser o vinho da melhor escolha.

- Marrom ou Âmbar: Este é um vinho muito velho.


♦ O COR DOS VINHOS ROSÉS - Poderíamos ingenuamente assumir que conseguimos o rosé misturando um vinho branco e um vinho tinto! Foi prático, mas esse não é o caso! Na verdade, temos duas maneiras de criar esse tipo de vinho.


O primeiro método é vinificar as uvas como para o vinho tinto, no entanto, a maceração é interrompida, ou seja, a pele e as sementes são removidas antes que o suco seja colorido o suficiente para ficar vermelho. Isso é chamado de método de "sangria".


O segundo método está próximo da vinificação do vinho branco: as uvas são prensadas para obter um suco concentrado e são vinificadas da mesma maneira que os vinhos brancos. Este método é chamado de "prensagem". A cor dos vinhos rosés varia de um cinza pálido a um rosé laranja ou salmão, de acordo com sua origem, variedades de uva e método de vinificação.


Em relação ao rosé, ele tem tons de rosa clara durante a juventude, mas, à medida que envelhecem ganham tons de salmão e depois de laranja.


♦ A INTENSIDADE DA COR DO VINHO E A INFLUÊNCIA DA TÉCNICA DE PRODUÇÃO - A intensidade da cor do vinho está, por um lado, ligada a técnicas de produção (rendimento no vinhedo e do volume de produção, maturidade da uva, tempo e temperatura de maceração etc.). Na realidade, a escolha do enólogo no caminho da produção influenciará a intensidade de seus vinhos, mas alguns pontos desempenharão um papel mais importante do que outros.

Primeiro, o rendimento praticado pelo enólogo afetará a intensidade. De acordo com a boa vontade de cada enólogo, eles terão diferentes quantidades de aglomerados de uva na mesma superfície plantada. No entanto, a mesma videira compartilha esses corantes com todos os cachos de uva. Assim, uma planta com menos cachos resultará em uvas mais pigmentadas, e esta é uma das razões de cortar fora alguns cachos de cada videira.


Mas isso não é tudo, a maturidade das uvas também terá uma consequência na intensidade do vinho. A cor da pele muda de acordo com a maturidade das uvas. Boa maturidade, favorecida pelo sol, dá uma cor mais sustentada às uvas. Assim, a mesma uva pode ter uma intensidade diferente, dependendo do clima em que está plantada, da insolação e calor da safra, ou da intensidade de chuvas na região, ou de acordo com a data da colheita.


Durante a vinificação, há o estágio de maceração (quando as peles de uva são deixadas no suco). Esta técnica de produção também tem um impacto. De fato, a pigmentação contida na pele da uva é extraída durante esse processo. No entanto, quanto mais a maceração, mais tempo os pigmentos têm tempo para colorir o vinho com uma intensidade mais forte.


♦ A INFLUÊNCIA DA VARIEDADE DA UVA - Por outro lado, a variedade de uvas também tem um papel substancial na intensidade. De fato, você deve saber que, dependendo do tipo de uva (varietal), haverá uma relação de pele/suco diferente. A pele que dá cor, mas também intensidade, uma uva com muita pele será mais intensa e resulta em vinhos mais escuros.


♦ A IDADE DO VINHO - E, finalmente, a idade é a última variável que influenciará na cor e na intensidade. O vinho, com a idade, muda a intensidade de sua cor. No caso de um vinho branco, a cor, com a velhice, vai ganhar intensidade para o dourado. No caso de um tinto, é o oposto e, também mais sutil. Com o tempo, o tinto perde sua pigmentação (por polimerização dos pigmentos que formam a borra do vinho) e se torna mais pálido.


♦ POR QUE HÁ TANTA VARIEDADE DE TONS NAS CORES DOS VINHOS? - Observe um vinho antes de prová-lo, para ter uma visão da diversidade de cores. É claro que há tinto, branco e rosé, mas também falamos de um rubi profundo e com reflexos roxos, rubi, granada, âmbar ou branco com reflexos verde, cor de palha, limão ou com reflexos dourados!


Três elementos definem a aparência e cor efetiva de um vinho, ou seja, sua aparência visual.

- Primeiro, há sua própria cor: rubi, granada, cor de telha, cereja, amarelo, ouro pálido, bronze,

- Então vem sua intensidade: pálida, profunda, escura.

- Então sua limpidez: translúcida ou velada, opaco.


São todos esses três elementos que caracterizam a degustação visual do vinho. Como as características de um rosto, a cor do vinho evoluiu ao longo dos anos. Às vezes, os vinhos tintos jovens são tingidos com tons arroxeados escuros e depois durante o envelhecimento, o visual do vinho ganha reflexos marrons de ferrugem, granada, denunciando sua idade.


♦ COMO O VISUAL DO VINHO EVOLUI COM O TEMPO? - A evolução visual dos brancos, não protegida pela intensidade de sua cor, é feita mais rapidamente. Observe que a cor deles é intensificada à medida que envelhece, porque está mais facilmente sujeita a oxidação. Assim, ao longo do tempo um vinho branco com reflexos verdes de sua juventude evoluirá de sua palidez para reflexos amarelos, dourados, até ficar com uma cor intensa de ouro, podendo pela idade chegar ao âmbar.


Como já vimos anteriormente, a cor de um vinho dá um indicativo à sua idade, mas também na uva da qual vem e possivelmente nos métodos de produção usados pelo enólogo. Também permitirá que, por intensidade, estimará a acidez do vinho (em geral): um vinho claro e límpido será mais ácido do que um vinho escuro.


Não há segredo para descobrir as diferenças de cores, apenas abra o olho e compare! Saúde!!!


Aproveite para comentar se gostou ou não!!! (Este artigo está baseado em material disponível na internet, e minhas considerações durante a prova dos vinhos e pesquisas).


A Roda de Cores dos Vinhos pode ser obtida em:

Comments


bottom of page