top of page
  • Foto do escritorMarcio Oliveira - Vinoticias

“AFINAL, O QUE É UM VINHO NATURAL?”

Tal como acontece com qualquer produto natural, o termo “vinho natural” indica simplesmente que nada artificial foi adicionado ao cultivo da uva ou aos processos de vinificação. A vinificação natural visa expressar a essência do vinho sem interferências.

Se você gosta de vinho, provavelmente já ouviu falar sobre vinho natural. O vinho natural é a versão não filtrada, não domada e não manipulada do que sabemos ser o vinho. Na maioria dos casos, o vinho natural não tem a aparência nem o sabor de um vinho típico. Para muitos apreciadores da bebida de Baco, alguns vinhos naturais têm mais gosto de cerveja azeda ou de kombucha!


Sabemos que durante a vinificação, os produtores de vinho e enólogos podem interferir nos processos para impactar tudo, desde o sabor até a aparência, com colagem convencional, filtragem, desgaseificação e produção em massa. A eliminação da manipulação tem tudo a ver com compreender e apreciar o que não está acontecendo nestes processos – uma viticultura livre de herbicidas e pesticidas na condução dos vinhedos e uma vinificação livre de mais de 50 aditivos, desde levedura sintética até extrato líquido de carvalho, aprovado para uso na Europa e nos EUA para dar um toque de uso de barricas no vinho.


Vinhos naturais - o termo pode estar na moda, mas os métodos são, na verdade, antigos. Nem todo vinho orgânico é necessariamente natural, mas todos os vinhos naturais são produzidos com uvas cultivadas orgânica ou biodinamicamente, e normalmente colhidas manualmente. O vinho natural pode conter nenhum ou baixo teor de sulfitos (10-100 partes por milhão versus 350 ppm permitidos para os outros vinhos) para preservar o produto, evitando a oxidação, à medida que é engarrafado.


O vinho natural pode ficar turvo ou reter sedimentos devido à falta de filtração e clarificação. Também pode ser terreno, efervescente, rústico, agradavelmente imprevisível e infinitamente interessante, ou simplesmente ser um vinho que você não vai gostar por conta de todas estas imprevisibilidades.


Entusiastas e especialistas usam termos que vão do vinho “verdadeiro” ao “cru” e ao “não adulterado” para valorizar a natureza dos muitos vinhos nesta ampla categoria, que podem se manifestar como turvos, descolados ou azedos – mas cada vinho natural é tão único quanto seu terroir e técnicas de fermentação.


O mundo do vinho possui várias denominações de origem, qualidade e classificação de envelhecimento. Os EUA possuem certificações para vinhedos orgânicos e biodinâmicos, mas apenas a França fez do “vin methode nature” uma designação regulada com um rótulo experimental de três anos.


As lojas de vinhos e as listas de vinhos geralmente indicam garrafas que são biodinâmicas, naturais, orgânicas ou sustentáveis, bem como a notação kosher ou vegana, às vezes usando cores ou símbolos. Procure por etiquetas geralmente verdes ou com joaninhas evidenciando a prática de vinhos naturais.


Os vinhos naturais não são objetivamente melhores ou mais saudáveis ​​que os vinhos convencionais, e os consumidores curiosos podem explorar o estilo como qualquer outro. Avalie aroma, aparência, corpo e sabor e considere degustações comparativas ou às cegas. A ciência não apoiou a noção de que os sulfitos estão correlacionados com ressacas, por isso não há provas de que o vinho natural evite essa dor de cabeça iminente.


Nenhum vinho precisa ser intimidante, e o vinho natural celebra a simplicidade da mesma forma que os chefs defendem a preparação simples para deixar brilhar os produtos sazonais. Há uma reverência à contenção. Um crítico descreveu recentemente um enólogo que trabalha com vinhos naturais como alguém “tão primitivo que praticamente não tem eletricidade” para evocar a imagem de métodos antigos e onde a fermentação ocorre sem intervenções.


Talvez tão óbvio quanto é necessário notar, o vinho natural é tão subjetivo quanto a pretensão. O termo vinho vivo e a noção de respeito pela natureza não são exclusivos deste estilo abstrato (embora os vinhos naturais efervescentes possam ser distintamente vivos) e, com a vinificação, a intervenção pode ter tanta intencionalidade quanto a mudança social e a sustentabilidade que estamos vendo na indústria. Degustação é interpretação e todos os fabricantes têm uma história para contar.

 

● COMO TUDO COMEÇOU - Os georgianos enterraram no solo, ânforas de barro contendo suco de uva para fermentar criando o primeiro vinho por volta de 6.000 a.C. - literalmente o início da vinificação natural. O afastamento moderno das máquinas e da manipulação é creditado a uma variedade de influenciadores devido à natureza ambígua do estilo. Para muitos produtores e entusiastas, na defesa do termo terroir a partir da globalização do consumo do vinho na década de 1980, o termo “natural” surgiu muito mais recentemente para abranger a intencionalidade dos pequenos produtores regressarem às raízes da produção do vinho.


O renomado escritor e educador de vinhos Kevin Zraly nem sequer menciona o termo vinhos naturais em seu famoso “Curso Completo de Vinhos” e, como muitos especialistas da velha escola, ele usa aspas quando finalmente menciona o vinho “natural” em uma postagem de 2021 no Facebook. : “Estes vinhos lembram-me aquele ditado “o que é velho é novo de novo”, com pequenos produtores artesanais a sacudir o mundo do vinho com a sua “vinificação à moda antiga” de regressar a métodos ancestrais e não interferir com a natureza.”


É claro que não existe uma definição oficial ou regulamentada de vinho natural.

 

♦ De acordo com a última edição do livro de referência “The Oxford Companion to Wine”:

- As uvas são normalmente cultivadas por produtores independentes de pequena escala.

- As uvas são colhidas manualmente em vinhedos sustentáveis, orgânicos ou biodinâmicos.

- O vinho é fermentado sem adição de leveduras selecionadas sintéticas (ou seja, somente leveduras nativas ou autóctones são utilizadas na vinificação).

- Nenhum aditivo é incluído na fermentação (nutrientes de levedura etc.).

- Pouco ou nenhum sulfito é adicionado.

 

● NOTAS DE DEGUSTAÇÃO DE VINHOS NATURAIS - Pense em vinhos naturais como algo desconectado do que está acostumado a provar. Os vinhos naturais são conhecidos por suas características mais intensas quanto ao aroma que é mais forte e tem personalidade, onde as leveduras são mais percebidas, e geralmente pela sua aparência turva.


Frequentemente, são muito menos frutados e apresentam notas mais “fermentadas” em seu perfil aromático do que um vinho típico, cheirando muitas vezes como uma cerveja de trigo leve e refrescante. Claro, alguns vinhos naturais são bastante limpos e frutados. Mas se você provar alguns, descobrirá que a maioria se inclina para o extremo azedo e fermentado do espectro.

 

● ALGUNS EXEMPLOS DE VINHOS NATURAIS CONHECIDOS:


♦ Vinho Laranja: É um vinho branco feito como um vinho tinto onde as cascas e as sementes ficam em contato com o mosto de uva durante a fermentação. O vinho laranja utiliza técnicas antigas e é popular em Friuli (Itália) e na vizinha Eslovênia. A demanda por vinhos Laranja fez a técnica viajar dos locais iniciais onde era e continua sendo produzido, podendo ser encontrados ótimos exemplares no Brasil.


♦ Pétillant Naturel: (também conhecido como “Pet Nat”) É um tipo de vinho espumante que utiliza o método espumante mais antigo denominado Méthode Ancestrale, onde o vinho termina a fermentação em garrafa, o que o faz carbonatar com uma borrifada natural. Procure Pet-Nats do Chenin Blanc do Vale do Loire, mas já temos versões brasileiras excelentes.


♦ Col Fondo Prosecco: Uma versão descolada e não filtrada do Prosecco como você nunca experimentou antes!

 

Tenha certeza de uma coisa: Quer você peça um “Pet-Nat” ou um Vinho Laranja, ou um Pinot Noir, o vinho natural é para o consumidor que se preocupa com a forma como foi feito.


Serviço: Este Pet Nat Rosé Vita Eterna pode ser encontrado no Empório do Vinho em BH. Contatos: (31) 99357-0814. Espumante rosé produzido no método ancestral (única fermentação finalizada dentro da garrafa) composto de 80% Pinot Noir e 20% Chardonnay, onde o manejo dos vinhedos é feito com práticas biodinâmicas. É um vinho espumante que possui menos pressão e menos álcool que um espumante tradicional, tendo passado por um período de autólise mínimo de 9 meses. Vale a pena conferir!!!


O artigo é um convite a provar os aromas e sabores dos Vinhos Naturais e conhecer suas particularidades de aromas e sabores! Saúde!!! Aproveite para comentar se gostou ou não!!! (Este artigo está baseado em material disponível na internet, e minhas considerações em relação ao tema).

Commenti


bottom of page