• Marcio Oliveira - Vinoticias

“O VINHO COM SABOR DE WHISKEY”

O mundo do vinho dá voltas, cria modas e tendências, e a onda neste momento é o interesse por vinhos que passaram por barricas de Bourbon.

O envelhecimento do vinho em algo diferente dos barris tradicionais de carvalho não é novo. Isso aconteceu na Califórnia há décadas, e falando deste tema, um dos mais famosos foi August Sebastiani, produtor que costumava envelhecer uma parte de sua reserva Barbera e Zinfandel em barris de bourbon usados ​​há várias décadas.


Antigamente, o motivo da reutilização dos barris de Bourbon era o custo mais baixo, devido à alta disponibilidade. Como o Bourbon é obrigatoriamente envelhecido em carvalho americano novo, depois de findo o período de amadurecimento do Whiskey, as barricas não tinham mais serventia aos destiladores, pois o lote seguinte exigia uma nova leva de barricas. Então as usadas eram vendidas a baixos preços, e reaproveitadas nas vinícolas.


Agora, porém, o retorno a essa antiga técnica significa uma busca por um novo perfil de produto, por conta das características específicas que o “Barril de Bourbon” pode transmitir ao vinho. Tipicamente, o Barril de Bourbon é feito de carvalho branco americano (Quercus alba), possui capacidade de 200 litros e um grau de tosta muito maior que um barril feito para guardar vinho. Uma camada de aproximadamente 3 milímetros de carvão é criada nas paredes internas, o que cria fissuras que acabam aumentando a superfície de contato.


Ao mesmo tempo, o carvão age como uma barreira entre o vinho e a madeira, fazendo com que as substâncias da madeira sejam desprendidas de maneira gradual. Obviamente, o alto grau de caramelização das ligninas e hemiceluloses produz grande quantidade de moléculas aromáticas, que contribuem com notas de baunilha, caramelo e bala toffee.


Enquanto a vinificação natural e minimalista pode criar muita discussão, por fazer tudo sempre igual, uma tendência está assumindo lojas de vinhos americanas, lojas de bebidas e prateleiras de mercearias - o vinho com envelhecimento em barril de bourbon cresceu desde a sua introdução em 2014. Recentemente, vinícolas da Califórnia, como Robert Mondavi, Fetzer Vineyards e Wines Apothic, se juntaram à tendência.


O primeiro vinho moderno envelhecido em barril de bourbon, o 1000 Stories Zinfandel da Fetzer Vineyards, foi lançado no mercado americano em 2014. Não foi a primeira vez que os enólogos americanos usaram barris de bourbon na produção de vinho.


A tendência de usar barricas de Bourbon para envelhecer o vinho tem menos a ver com custos e mais sobre acrescentar sabor e a riqueza de aromas em vinhos como Cabernet Sauvignon, Zinfandel, Blends tintos e Chardonnay. Os enólogos dizem que quando usam barris de bourbon para terminar uma parte do vinho, introduzem um conjunto diferente e mais intenso de aromas e sabores que seriam menos pronunciados nos vinhos tradicionais com passagem por carvalho.


As barricas de bourbon são um pouco mais altas e mais estreitas que as barricas padrão de carvalho, aumentando a proporção de vinho/madeira, e a suposta diferença de sabor e riqueza vem do fato de que os barris de bourbon são legalmente obrigados a serem feitos de carvalho americano novo e fortemente tostado.


As barricas de bourbon usadas ​​pelos enólogos são, portanto, provavelmente de uso único, sendo mais agressivamente carbonizados do que os barris tradicionais de envelhecimento de vinhos.


Existem várias diferenças importantes entre fazer esse tipo de vinho e vinho tradicional. Primeiro, não é necessariamente datar a safra, como a maioria dos vinhos, porque a maioria destes vinhos é feita usando vinho de diferentes safras, que passa por apenas alguns meses nestas barricas. O vinho tradicional pode envelhecer em barris de carvalho por seis a 24 meses. Esse método tradicional, dizem os enólogos, ajuda a dar aos vinhos um sabor mais consistente, já que os barris de bourbon usados ​​podem variar muito mais do que os barris de vinho tradicionais.


-"Gosto de bourbon e, é claro, adoro vinho", diz Dave McIntyre, colunista de vinhos do Washington Post. "Mas isso não responde à pergunta de por que alguém gostaria de fazê-los - ou bebê-los. No entanto, eles estão em toda a prateleira. Não apenas Cabernet Sauvignon envelhecido em barris de bourbon, mas Merlot em barris de rum e Sauvignon Blanc em barris de tequila. Eu continuei perguntando o porquê. ”


Uma de suas maiores preocupações, diz McIntyre, é que o sabor do bourbon domina o vinho. Além disso, os barris, uma vez que assumiram o bourbon durante o uso original, tendem a adicionar álcool ao vinho.


Em uma época em que muitos produtores de vinho se esforçam por menos influência de carvalho em seus vinhos, adicionar sabores de bourbon através do envelhecimento extra do barril pode parecer sem sentido, mas para muito produtores, a decisão de usar barris de bourbon foi impulsionada pela demanda do mercado.


Os barris darão o caráter do que estava envelhecendo anteriormente, de forma que você pode esperar por uma doçura suave de um bourbon. Os efeitos de envelhecimento de barril de bourbon observados pelos enólogos incluem caramelo, bordo, baunilha, açúcar mascavo, sabores de especiarias doces e, supostamente, um caráter sutil de bourbon. Eles também observam um aumento na riqueza e, às vezes, álcool.


A tosta pesada de um barril de bourbon pode imbuir esses sabores com mais força, e para tanto os enólogos tomam precauções que incluem limitar o tempo de envelhecimento do barril a apenas um mês ou dois, envelhecendo apenas uma parte do vinho em barris de bourbon ou encontrando barris muito antigos. Dessa forma, os barris não tiram totalmente o sabor da uva ou de sua origem e, em vez disso, servem apenas como uma maneira de armazenar o vinho à medida que envelhecem e enquanto transmitem nuances intrigantes ao vinho.


Por fim, o vinho com passagem em barril de bourbon é mais sobre percepção do que sabor ou técnica. O termo dá aos consumidores uma ideia de como o vinho terá um gosto - quente, levemente doce, ou caramelizado e "marrom", como o bourbon - e depois cumpre essa promessa. Estes são vinhos ousados ​​e ricos. E, por mais que os profissionais de vinho possam preferir acidez equilibrada ou até vivaz, os paladares americanos atualmente desejam perfis de sabor doces e mais intensos. Por mais que não tenha propósito ou diferença discernível, não podemos culpar os produtores de vinho por querer associar suas garrafas a um conceito de tendência. A envelhecimento do barril de bourbon pode não fazer uma enorme diferença do ponto de vista da vinificação, mas cria uma categoria amplamente comercializável-pelo menos por enquanto.


A moda não está restrita aos produtores norte-americanos e já chegou à América do Sul. O vinho Viñas del Mar Stilus JACK LABEL, um blend tinto da safra 2019 estará a sua disposição para prová-lo na UAINE NIGHT que acontecerá na tarde de 30 de julho no BH SHOPPING na Barraca do EMPÓRIO DO VINHO.

A moda parece estar funcionando bem nos Estados Unidos, onde, como já explicado, os produtores de vinho encontram muitas facilidades para experimentar estágios em barris de destilados. Mas está funcionando também com os consumidores, pois a produção está aumentando. O sucesso estaria novamente no gosto norte-americano que sempre tendeu mais para vinhos encorpados e, de certa forma, até mesmo adocicados? Será que veremos em breve um vinho brasileiro envelhecido em barris de cachaça?


Apesar que para muitos, o Bourbon e Whisky sejam a mesma bebida, a principal diferença entre o Whisky escocês e o Bourbon (ou Whiskey) é a geografia, e alguns ingredientes distintos. Como o próprio nome sugere, o escocês é um destilado feito na Escócia, enquanto o bourbon é produzido nos Estados Unidos, mais precisamente no Kentucky. Todavia, enquanto primeiro é feito principalmente de cevada maltada, o segundo tem como matéria prima o milho.


É quase instintiva a ideia inicial de que sejam pesados e corpulentos, porém estes vinhos apresentam ótimo equilíbrio, com álcool moderado para os padrões atuais, e são fáceis de beber e gostar.


Venha prová-lo na UAINE NIGHT BH SHOPPING de 30 de Julho. Um evento imperdível pela presença de vários produtores e lojistas. Saúde!!! Aproveite para comentar se gostou ou não!!! (Este artigo está baseado em material disponível na internet, e minhas considerações durante a prova dos vinhos e pesquisas).