top of page
  • Foto do escritorMarcio Oliveira - Vinoticias

“ROTEIRO POR BODEGAS DE MENDOZA – PARTE 4”

Retornando da viagem por Mendoza com um Roteiro Enogastronômico carinhosamente preparado pela Zenithe Travelclub de Mariella Miranda e German Alarcon Martin, creio que vale a pena compartilhar com os leitores do Vinotícias o que encontramos em cada uma das vinícolas visitadas, além de dicas sobre os vinhos provados.

● LUJÁN DE CUYO - Aos pés da Cordilheira dos Andes, com altitudes acima de 1.000 metros, Luján de Cuyo abriga a Denominação de Origem Controlada para produção de Malbec do país.

O vinho Norton Malbec D.O.C. foi o primeiro do país a estampar a sigla em seu rótulo. Aliás, a primeira vinícola da Bodega Norton, a centenária Finca Perdriel, fundada em 1895, fica em Luján de Cuyo, justamente na sub-região de Perdriel. Além de Perdriel, compõem a sub-região Las Compuertas, Vistalba, Agrelo e Ugarteche.


♦ BODEGA CATENA ZAPATA – Visitada em 16/03/2023 - Nicola Catena, avô de Nicolás Catena Zapata, deixou a Itália para a Argentina em 1898, fugindo da escassez na Europa para uma nova e abundante terra cheia de oportunidades. Em Mendoza, com seu ar fresco da montanha, Nicola estava convencido de ter encontrado a terra prometida. De fato, ele plantou sua primeira vinha Malbec, em 1902. Até então, o Malbec havia sido usado apenas como uma uva de corte em Bordeaux. No entanto, Nicola suspeitava que ela pudesse alcançar seu esplendor escondido nos Andes - intuição que floresceria um século depois.


A família Catena dedica sua vida, a paixão e o seu espírito para transformar um oásis no deserto em uma das áreas vitícolas mais bonitas e únicas do mundo. Esta é a história de como reuniram a história da família e suas vinhas históricas com as mais modernas técnicas de vinho, com o objetivo de desenvolver grandes vinhos, expressivos de seu terroir.


É uma história que começa no século XIX na Itália e continua até hoje nos solos calcáreos de Mendoza, com viagens inesperadas ao ensolarado Napa Valley, na Califórnia, e às preciosas vinhas de Bordeaux. Aprendendo com o passado, descobrindo e estudando os segredos da natureza em vista para o futuro, tem o orgulho de ter transformado o terroir de Mendoza na fonte dos vinhos que suportam o nome da família.


Nicolás Catena Zapata tem sido o silencioso revolucionário na história da família. Foi ele quem descreveu o caminho para um novo estilo de vinificação, juntando-se ao que aprenderam na vinha com o que aprenderam na universidade, ousando desafiar a sabedoria convencional.


Durante os anos 60, a família Catena teve que enfrentar grandes desafios. A economia da Argentina estava passando por uma era de confusão e as taxas de inflação era enorme. Um dia, Don Domingo percebeu que lhe custaria mais para colher do que deixar a fruta na vinha. Ele consultou Nicolás Catena Zapata, seu filho de 22 anos, recentemente formado como economista, o que enfrentar neste dilema. (O sobrenome Zapata vem dos ancestrais da família de Nicolás do lado de sua mãe, que pertencia a uma família tradicional de proprietários de terras de épocas da colônia – e de acordo com a lei argentina, o sobrenome Zapata deve continuar junto com o sobrenome Catena).


Don Domingo não pôde seguir o conselho de seu filho e, seguindo seu dever de consciência, ele colheu as uvas. Quando Nicolás teve que assumir as rédeas da vinícola, a Argentina ainda estava enfrentando uma grande crise política e econômica, com um governo militar que acabara de declarar a guerra ao Reino Unido. Nicolás decidiu se concentrar primeiro para expandir a distribuição na Argentina. No entanto, no início dos anos 80, surgiu uma oportunidade de que ele não pôde rejeitar: ele foi convidado a ensinar economia como professor visitante na Universidade de Berkeley, Califórnia.


Até então, ninguém no mundo ousou desafiar a supremacia da França como produtora de qualidade - exceto os californianos, que decidiram elaborar um Cabernet Sauvignon e um Chardonnay que poderia competir com os melhores vinhos europeus. A Califórnia, e especialmente a região ensolarada de Napa Valley, foi uma inspiração autêntica para Nicolás e sua esposa Elena, que costumavam passar nos fins de semana lá, com a filha mais nova Adrianna, que acabara de nascer. Nicolás Catena Zapata voltou a Mendoza com uma visão em mente: uma visão californiana.


Naquela época, a Argentina, como o Chile, era percebida como um país produtor de vinho a granel. Indo completamente contra a corrente, de um dia para outro, Nicolás vendeu vinícola que produzia os vinhos de mesa e ficou apenas com a Bodega Esmeralda, a vinícola do vinho fino da família. Muitos de seus colegas argentinos disseram que ele era "completamente louco". No entanto, tendo sido o primeiro exportador de vinhos finos da Argentina, Catena lançou as fundações para o posicionamento do país no mapa do vinho mundial.


Nicolás dedicou -se a identificar as melhores áreas para a plantação de vinhedos em Mendoza. Ele considerou que a única maneira de dar um grande salto qualitativo era arriscar para exceder os limites do cultivo da videira. Em 1992, ele plantou videiras em Gualtallary Alto a 1.500 metros acima do nível do mar. Esta vinha, na região mais alta de Tupungato, se beneficia de um clima frio, protegido da geada pelas montanhas circundantes. A vinha também tem uma ligeira colina e uma pequena montanha. Nicolás decidiu chamá-lo de "Adrianna", em homenagem a sua filha mais nova.


Apesar de que seu agrônomo dizer que o Malbec nunca amadureceria lá, nas altas áreas de Gualtallary, a uva se adaptou e amadureceu maravilhosamente bem. De fato, Nicolás descobriu que Mendoza tem qualidades excepcionais para o cultivo da videira e que cada área com certa altitude fornece um microclima ideal para cada variedade. Ele descobriu que os solos pobres dos Andes, descartados pelos primeiros imigrantes por sua baixa fertilidade, constituíam o solo ideal para o cultivo de uvas de qualidade - um terroir que naturalmente deu rendimentos baixos e onde as uvas amadureceram lentamente no verão, obtendo vinhos de grande equilíbrio, elegância e taninos de seda.


Com o vinhedo plantado em Gualtallary veio o desafio de decidir o que fazer com a uva Malbec. Nicolás não tinha a mesma convicção de seu pai ou seu avô sobre o potencial desta uva. Naquela época, a maioria dos vinhos procurados por colecionadores eram cortes de Cabernet Sauvignon ou Chardonnay, e Nicolás se perguntou se o Malbec poderia algum dia alcançar esses níveis de qualidade. De fato, essa consideração foi muito importante para Nicolás em seu objetivo de tornar os vinhos capazes de competir com os melhores do mundo. Em 1985, quando seu pai Domingo morreu, Nicolás decidiu se concentrar na missão de verificar se a intuição de seu pai estava correta. Somente depois de cinco anos de intenso trabalho no vinhedo Angelica de 85 anos de idade da vinha, ele se sentiu muito satisfeito com os resultados e, em 1994, ele decidiu fazer o vinho Catena Malbec. "Parabéns a Nicolás Catena", escreveu Robert Parker, elogiando o sucesso retumbante deste vinho.


Mas Nicolás teve que enfrentar outro desafio: quais seleções Malbec plantar em suas novas vinhas? Desde que na Argentina não houve seleção clonal de Malbec, os clones de Cahors da França foram importados. Os clones franceses de Chardonnay deram a ele seu melhor vinho branco. Mas os resultados com os clones franceses de Malbec foram desencorajadores. Eles deram bagos grandes e com aromas e sabores rústicos. Nicolás então decidiu desenvolver sua própria seleção clonal de Malbec, plantando 135 clones na vinha, na pirâmide de Agrelo. Desses 135 clones iniciais, os cinco melhores foram finalmente selecionados - aqueles que deram bagos menores, rendimentos equilibrados e sabores melhores e foram plantados em diferentes microclimas, em diferentes altitudes do vale de Uco. Atualmente, as "estacas de Catena", como a seleção de plantas malbec de Catena é chamada, tem papel importante no perfil de sabores, elegância e tipicidade dos vinhos familiares do Malbec.


A colheita de 1997 foi um ano excepcional para o Cabernet Sauvignon. Nicolás Catena Zapata decidiu criar um vinho top, cumprindo o sonho iniciado no início dos anos 80. O vinho, chamado "Nicolás Catena Zapata", em homenagem a Laura Catena a seu pai Nicolás, é uma mistura de 95% de Cabernet Sauvignon e 5% Malbec. O lançamento foi realizado em 2001, através de uma série de degustações às cegas feitas nos EUA e na Europa, contra grandes vinhos do mundo como Château Latour, Château Haut Brion, Solaia, Caymus e Opus One. Em todas as degustações, o vinho Nicolás Catena Zapata saiu em primeiro ou segundo. O reconhecimento da marca estava reconhecido e consolidado.


É possível definir Catena Zapata em apenas uma frase. O melhor produtor da Argentina. Quem afirma são os críticos. Para Jancis Robinson, trata-se do "maior e mais confiável nome da Argentina"; na opinião de Robert Parker, "Catena representa o máximo em vinhos da América do Sul"; a Wine Spectator considera a bodega "líder inquestionável em qualidade na Argentina (...) praticamente todos os melhores vinhos argentinos são produzidos pela Catena Zapata".

São muitos os feitos da Catena. O produtor foi o grande pioneiro de qualidade em seu país, ao elaborar na década de 1990 os primeiros vinhos argentinos em pé de igualdade com os melhores vinhos do mundo. Os consagrados Catena Alta, Catena Zapata, Malbec Argentino e Nicolás Catena Zapata são exemplos dessa época e verdadeiras obras-primas na atualidade.


Nicolas Catena também foi o responsável pelo ressurgimento da Malbec. Ao realizar a primeira grande seleção clonal da uva, deu uma nova dimensão a essa variedade, que cultivada nos vinhedos de altitude da família passou a produzir tintos de Malbec absolutamente fantásticos, incrivelmente aromáticos e com taninos sedosos, em um estilo que serviu de inspiração a outros produtores, inclusive na França, berço da variedade.


Com a fundação do Catena Institute of Wine, em 1995, a vinícola deu início a um extenso e profundo estudo do vinhedo Adrianna, a menina dos olhos do produtor. O vinhedo é fonte dos primeiros grands crus da América do Sul, e originou os primeiros vinhos do continente a conquistar em 2018 os 100 pontos de Robert Parker - o Catena Zapata Malbec Adrianna River Stones 2016. O Vinhedo Adrianna já rendeu também 4 notas 100 pontos de James Suckling, com um desempenho realmente impressionante.


Em 2020, Catena recebeu da Drinks International Magazine o título de "A marca de vinho mais admirada do mundo", coroando a trajetória meteórica da mais premiada vinícola da América do Sul. Eleita 12 vezes pela Wine&Spirits uma das 100 melhores vinícolas do mundo e com mais de 50 vinhos com nota igual ou maior a 95 pontos de Robert Parker. Também foi a vinícola argentina campeã do primeiro Extraordinary Winery Awards, em 2017, organizado por Parker em parceria com o influente guia Michelin de restaurantes.


Atualmente, as uvas para criar os vinhos Catena Zapata tem origem em seis vinhas históricas: Angélica, Pyramid, Nicasia, Domingo, Adrianna e Angélica Sur. Com mais de um século produzindo Malbec em Mendoza, com grande respeito por sua terra natal, a experiência e tradição converteram Nicolás e Laura Catena (3ª e 4ª geração de vinhateiros), em verdadeiros embaixadores do Malbec ao redor do mundo.


Os cortes de Malbec, elaborados a partir de lotes selecionados especialmente em vinhedos de mais altitude da família, exibem o melhor e o mais distintivo de cada vinhedo: as intensas frutas negras do vinhedo Adrianna a quase 1500 m, a suave e mole textura do vinhedo Angélica de mais de 80 anos e os explosivos aromas florais do vinhedo Altamira no sul. No total são quase 500 ha de vinhedos e na planta de vinificação com estrutura para processamento de quase 4 milhões de kg, capacidade de quase 3 milhões de litros em inox e 5 mil barricas.


Aqui provamos os seguintes vinhos:


● ESPUMANTE DV CATENA BRUT NATURE – rótulo criado pelo método tradicional, um blend de 70% Chardonnay e 30% Pinot Noir, de clones especialmente selecionados para a produção de espumantes. As uvas são provenientes dos vinhedos em Tupungato, plantados a 1500 metros de altitude. O vinho base Chardonnay oferece aromas intensos de flores brancas e frutas cítricas e um comprimento notavelmente bom. Já o Pinot Noir garante um bom equilíbrio ácido adicionando estrutura e complexidade à mistura final. O "licor de tiragem" confere aromas de pão recém tostado que se desenvolvem no palato, com um final macio e cremoso.

● CATENA ZAPATA PARCELA NICOLA BONARDA 2019 – apontado em sua primeira safra como o melhor Bonarda da Argentina por James Suckling, este tinto é uma homenagem a Nicola Catena, avô de Nicolás Catena. É elaborado com uvas de uma pequena parcela familiar de mais de 80 anos, com rendimentos muito baixos, garantindo concentração e complexidade dificilmente encontradas em um vinho produzido com esta uva. Maturado 18 meses em barricas de carvalho francês, é uma referência para esta uva na América do Sul, sendo capaz de evoluir por muitos anos. Mesmo assim, com todos estes predicados, não é minha uva preferida!


● DV CATENA MALBEC-MALBEC 2018 – produzido a partir de um vinhedo Malbec, cultivado a 920 metros de altitude, no Vinhedo Angélica, e a 950 metros de altitude, no Vinhedo La Pirámide, dentro da região vitivinícola de Mendoza, na Argentina. Cor rubi profunda, revela no nariz os aromas de frutas negras e vermelhas, como ameixa e amora, além de notas de especiarias, como pimenta-do-reino preta e cravo-da-índia. Em boca, o vinho é complexo, com taninos sedosos, boa acidez e um final longo e persistente.


● ANGELICA ZAPATA CHARDONNAY 2020 – incrivelmente concentrado e potente, possui uma textura redonda e macia, com um leve toque amanteigado. Sem dúvida, um dos melhores Chardonnays da Argentina.


● MALBEC ARGENTINO 2020 – O Catena Zapata Malbec Argentino 2020 é produzido 100% com a uva Malbec, oriunda de vinhas velhas, cultivadas a 920 metros de altitude no Vinhedo Angelica e a 1.095 metros de altitude no Vinhedo Nicasia, dentro da região vitivinícola de Mendoza, na Argentina. A fermentação é realizada com leveduras nativas, em barris de carvalho francês, sob temperatura controlada, durante um período de trinta dias e depois o vinho envelhece em barris de carvalho francês durante um período de dezoito meses. No seu rótulo figuram quatro mulheres, que representam, de maneira simbólica, os estágios da história da uva Malbec, Eleanor of Aquitaine, a Imigrante, a Phyloxera e Adrianna Catena. Cor rubi profunda, revela, no nariz, aromas florais, notas de frutas vermelhas maduras, como de cereja e cassis, nuances de especiarias, além de um leve toque de tabaco. Em boca, mostra elegância, com taninos maduros e boa acidez. Tem excepcional potencial de guarda, podendo envelhecer na garrafa por até quarenta anos!


● NICOLAS CATENA ZAPATA 2019 – produzido com as uvas Cabernet Sauvignon (70%) dos vinhedos Adrianna, Malbec (25%) vindas de Adrianna e Nicasia e Cabernet Franc (5%) vindo de Nicasia na região do Uco. A fermentação é realizada em barris de carvalho, tanques de aço inox e de concreto. O amadurecimento ocorre em barris de carvalho francês, durante dezoito meses. Cor violeta profunda, bem escuro. Aromas de frutas vermelhas (amoras e cassis), notas florais, minerais, especiarias, ervas e alcaçuz. Em boca é complexo, com taninos refinados e um final longo e persistente. Guarda possível por mais de dez anos.


♦ VIÑA COBOS – Visitada em 16/03/2023 - Em 1997, Andrea Machiori e Luis Barraud conheceram Paul na Califórnia, onde decidiram juntos iniciar a criação de Viña Cobos. Desde então, os três sócios continuaram a aumentar o portfólio de vinhos ultra Premium, pelos quais recebem grande reconhecimento internacional. Todos e cada um dos seus vinhos têm uma expressão autêntica da vinha, alicerçada no equilíbrio e na harmonia que conseguem no trabalho da vinha e da adega.


A Viña Cobos produz vinhos que naturalmente expressam o terroir de onde eles vêm. Paul Hobbs, sócio-fundador e enólogo de Viña Cobos, trabalha desde 1988 na exploração dos diferentes terroirs de Mendoza, procurando as regiões de maior destaque em Luján de Cuyo e Valle de Uco, para a elaboração de vinhos únicos.


Considerado um visionário internacional por suas realizações na vinha e na vinícola, Paul Hobbs combina suas raízes de infância na fazenda da família no oeste de Nova York com uma abordagem científica inovadora para refinar a arte da criação de vinho. Ele é reconhecido em todo o mundo por romper com a tradição e forjar novos caminhos na busca pela excelência, tanto na administração da terra quanto na fabricação de vinhos que representam o conceito purista de lugar, liderando o caminho no início dos anos 90 como pioneiro de vinhos designados para vinhedos específicos do local.


Hoje, Paul é o proprietário/enólogo de sete vinícolas em 4 continentes. Suas três vinícolas nacionais incluem Paul Hobbs Winery (1991) e Crossbarn Winery (2000) em Sebastopol, Califórnia. Hillick & Hobbs Estate (2019) localizado na região de Finger Lakes, no estado de Nova York, é dedicado à produção de Riesling. Suas quatro parcerias internacionais incluem Viña Cobos, Mendoza (1999); Crocus (Açafrão), em Cahors (2011); Yacoubian-Hobbs, Armênia (2014) e Alvaredos-Hobbs, na Galiza (2018).


Sem sombra de dúvidas, Paul Hobbs é um dos maiores nomes da enologia. Especialista no uso de carvalho para o envelhecimento, ele foi considerado o “Steve Jobs do vinho” pela revista Forbes devido a precisão de suas criações. Também foi nomeado por Robert Parker duas vezes como a “Personalidade do Vinho do Ano” e está na lista dos cinco consultores de enologia mais importantes do mundo.


Uma gestão sustentável da vinha na vinícola Cobos permite alcançar colheitas equilibradas e fruta de alta qualidade, daí um tratamento cuidadoso da uva e um meticuloso processo de elaboração, dá origem a vinhos complexos e elegantes, de grande subtileza e equilíbrio.


Desde a primeira colheita de Cobos Malbec em 1999, Viña Cobos marcou um marco na viticultura, desafiando os limites de qualidade para colocar a Argentina ao lado dos grandes produtores mundiais. Atualmente, seu prestígio é reconhecido pelos críticos e consumidores de todo o mundo.


Viticultura de precisão, vinhedos de classe mundial


● Interação com a vinha: em cada um dos estágios durante o ciclo da videira, o trabalho específico é realizado para aprimorar cada planta, alcançando cachos de qualidade e a maior expressão possível. Essas tarefas são realizadas em momentos exatos, em nossas próprias vinhas e nas de nossos produtores.


● Viticultura de precisão: Cada setor da vinha é estudado em profundidade, com o objetivo de tomar as melhores decisões de gerenciamento e estratégias de planejamento para obter o maior potencial de cada vinha, de maneira sustentável. A integração de diferentes estudos, análises, mapeamento com a ajuda da tecnologia e longas caminhadas ao longo de cada linha permitem uma compreensão completa de cada site.


● Avaliação sensorial: a combinação de conhecimento, experiências e exploração do terroir que nos permite identificar o potencial de cada planta dentro da vinha.


Procuram com sucesso que, ano após ano, os seus vinhos expressem a melhor tipicidade de cada casta e de cada terroir. Sua arquitetura é a manifestação de um pensamento prático e reacional. Primam as formas simples, proporções lineais, espaços claros e bem ventilados, enfocados para facilitar o processo de vinificação. Sua capacidade é para quase 900 mil kg e 1 milhão de litros em inox e 300 mil em barricas.


O seu vinho «Cobos Malbec 2011», ganhou a maior pontuação de um dos mais reconhecidos críticos do mundo, James Suckling. As linhas da Viña Cobos são as seguintes: Linha Cobos, a mais conhecida da Viña Cobos: Os vinhos desta linha são feitos das uvas que vem das vinhas mais antigas do vinhedo Marchiori. São caracterizados por elegância e potência.


Linha Felino: Os vinhos são intensos e brilhantes, com acidez expressiva e taninos equilibrados.


Linha Cocodrilo: Linha com um único vinho, corte de Cabernet Sauvignon e Malbec. O que mais chama a atenção neste tinto equilibrado é o caráter mineral e a grande complexidade aromática.


Linha Bramare: Da palavra italiana que significa “anelar” que explora a diferenciação de terroirs entre Luján de Cuyo e Valle de Uco. Marcada pela complexidade aromática dos seus vinhos, que se apresentam elegante e expressivos.


Vinculum: Celebra a conexão entre Cobos e seus produtores de uva, um vínculo essencial forjado na troca de conhecimentos que leva a produzir vinhos sobressalentes.


Vineyard Designate: Reflete o estudo intensivo e compreensão dos terroir Grand Cru para revelar o que os fazem único e distintivos.


Volturno: Com um único vinho varietal de Cabernet Sauvignon.


Cobos: Também um único vinho da varietal Malbec, caracterizado pela elegância e potência.

Aqui provamos os seguintes vinhos:


● VINCULUM CHARDONNAY 2021 – vinho feito a partir de colheita noturna para preservar a pureza da fruta. 25% do vinho passa por carvalho de 1º uso e 75% do vinho passa por carvalho de 3º uso. Cor amarelo pálido brilhante. Aromas de pera, maçã verde, damasco e notas de chocolate branco (nada como uma malolática benfeita). Em boca apresenta boa mineralidade e textura, com acidez balanceada e um largo e longo final. Delicioso!


● VINCULUM MALBEC 2018 – Cor rubi violeta, muito escuro. Nariz expressivo com floral e aromas de ameixas e cerejas, com notas de baunilha. Na boca é um vinho expressivo, fresco e floral. Tem um bom corpo, taninos macios, elegante.

●VINEYARD DESIGNATED ZINGARETTI ESTATE 2018 – o vinhedo Zingarettti foi plantado a 1.257 metros de altitude, em 1920, no Vale do Uco, sendo um vinhedo tradicional, plantação de alta densidade e irrigação por sulcos. Este vinho 100% Malbec provém de vinhas com mais de 100 anos. A safra teve excelentes condições de cultivo, com chuvas mínimas, grande amplitude térmica e temperaturas dentro das médias históricas. Estagiou 18 meses em carvalho francês novo (50%) e segundo uso (50%). Engarrafado sem colagem e sem filtração em novembro de 2019. Cor profunda, de tons violáceos escuros. No nariz mostra aromas de chá preto, violetas, mirtilos e frutas vermelhas. Na boca tem boa acidez, taninos macios e mineralidade. Potencial para longa guarda.


● VINEYARD DESIGNATED CHAÑARES ESTATE 2019 – Chañares é um terroir único, localizado em Los Árboles, Vale de Uco a 1.175 metros de altitude. Há vinhedos de Malbec, Cabernet Franc e Cabernet Sauvignon. Uma das particularidades deste vinhedo é que conserva diversos bosques nativos de chañares - um arbusto típico da região - como reserva natural de flora e fauna autóctones. Solos pedregosos, com boa drenagem, natural, criando condições das videiras terem raízes profundas. Um vinho rubi brilhante com tons violetas. Aromas de pimenta do reino rosa, frutas vermelhas, um toque de tabaco. No paladar se percebe os taninos finos e macios, com boa estrutura e final largo.


● CABERNET FRANC CHAÑARES 2019 – Elaborado em Chañares Estate, que está no distrito mendocino de Los Árbores, Vale de Uco. Um vinho rubi. Nariz mostra especiaria típica de pimenta do reino. Paladar fresco, com taninos finos, notas de chá preto, frutas como o mirtilo, e pequenas frutas vermelhas.


Ao longo dos artigos sobre a vinicultura argentina você poderá criar um belo Guia para sua próxima viagem. Aliás, já estamos preparando um Novo Roteiro para 12 a 18 de Novembro de 2023!!!


Saúde!!! Aproveite para comentar se gostou ou não!!! (Este artigo está baseado em material disponível na internet, e minhas considerações durante a prova dos vinhos e pesquisas).

Comments


bottom of page