top of page
  • Foto do escritorMarcio Oliveira - Vinoticias

“UM BREVE ARTIGO SOBRE VINHOS LARANJAS”

Do ouro a quase tinto, este branco da maceração do suco de uva com as suas cascas (peles) está disponível em uma paleta de cores tão grande quanto a de seus aromas

Abra a porta de uma loja de um comerciante ou importador de vinhos e peça uma garrafa de vinho laranja, e ele surpreendentemente entenderá o que você quer. Este termo designa um estilo de vinho, é mais preciso, pois se refere diretamente ao método de vinificação.


O vinho de maceração que cria o laranja é fruto de uma maceração do suco com as peles de uva, suas sementes e, às vezes, até mesmo parte das peças lenhosas do cacho. Para dizer as coisas de forma simples, é um vinho de uvas brancas vinificadas como um vinho tinto (enquanto que, ao contrário do rosé, é um vinho de uvas tintas vinificadas como um vinho branco, ou seja, que as uvas são pressionadas quase sem maceração).


No caso do vinho laranja, em contato com a pele da uva, o vinho adquire uma cor âmbar e taninos. É por isso que os anglo-saxões geralmente o chamam de vinho de contato com a pele. E mesmo que a expressão pareça vaga, na verdade é mais exata, porque os vinhos de maceração criam tons em torno de laranja, do ouro pálido ao tijolo quase vermelho.


Após o boom do rosé e o zumbido do horrível vinho azul (criado e proibido na Espanha!), a mídia agora tem se fixado em torno do vinho laranja. É verdade que sua presença na mídia é enorme, e eu mesmo me declaro culpado: falo muito sobre ele em degustações que oriento, até porque não sei até que ponto seja uma moda passageira, ou uma tendencia a voltar para a antiguidade do vinho. Isto porque é uma das técnicas mais antigas para fazer vinho. Tem-se feito vinho laranja há mais de oito mil anos na Geórgia. Considerado o berço da viticultura, este país tem a tradição de deixar as uvas brancas maceradas em Kvevri (grandes ânforas enterradas). Essa técnica ancestral continua.


Um pouco mais recentemente (mas ainda há dois mil anos), a antiga Roma parecia amante do vinho laranja. De fato, um vinho particularmente famoso era o Falerno, um vinho branco descrito como muito alcoólico e oxidado ... que se parece muito com o vinho laranja. Plínio, o velho, finalmente, classificava os vinhos pelas cores, entre os quais está algo entre o cobre, a cor da pele da corça ou âmbar.


Vinho laranja, muita gente falando e perguntando sobre isso, mas onde beber? Onde comprar? É certo que isso permanece de pouco conhecimento da maioria dos amantes de vinho. Alguns comerciantes de vinho e alguns restaurantes o conhecem, mas está praticamente ausente das prateleiras de supermercados. E mesmo que tem longa tradição em beber vinho, como a França, esse método de produção é usado apenas em um punhado de vinhedos, em vinícolas que geralmente trabalham em método orgânico, biodinâmico ou com vinho natural.


O vinho de maceração é comum na Itália, particularmente no nordeste (região de Friuli Venezia Giulia). Chama -se Ramato, "cobre", ou Macerato, e devemos a esse canto abençoado a renovação dessa cor. A Eslovênia é outro produtor tradicional.

Além da França (particularmente na Alsácia, mas também no sudoeste, o Loire ou o Jura), o método para esse tipo de produção se estendeu a Croácia, Bulgária, Alemanha, Espanha, África do Sul, Portugal ou até mesmo os Estados Unidos . E não apenas a produção é internacional, mas o consumo também é.


Acredita-se incorretamente que os vinhos laranja, muito difundidos no movimento de vinhos naturais, podem ser bebidos em torno de uma mesa com algumas fatias de salsicha e queijo. Podemos, mas o universo das possibilidades é muito maior. A maceração dá aos vinhos taninos, muita estrutura, potência, persistência, muitas vezes amargor e notas salinas. E a paleta aromática é larga. Muitas vezes, especiarias, cercadas por frutas secas e frutas cristalizadas, mas também aromas de flores (especialmente de laranjeira), frutas cítricas, café, infinitas possibilidades ...


Sua potência e estrutura lhes permite enfrentar pratos fortes e picantes. Eles formam belas harmonizações com cozinha asiática em geral (vietnamita, tailandesa, chinesa ... ). O sushi costuma exigir um vinho mais sutil. Quanto ao prato de queijo, encontra um aliado ideal nos vinhos laranjas, com bom convívio com pratos de macarrão macio ou duro, cozido com molhos mais intensos, já que o laranja é um intermediário entre tinto e branco.


Esses vinhos não nos deixam indiferentes. Ou nós amamos, ou odiamos, raramente existem no meio. Também podemos, por falta de indicadores, ter problemas para entendê-los. Para os olhos, pode-se acreditar em um vinho doce como um Sauternes, seja pela cor, seja pelos aromas de flor de laranjeira. Mas em boca a história geralmente é outra.


Você pode finalmente provar um vinho laranja ruim e ter uma ideia falsa. Porque, é claro, como em todos os métodos de produção, existem vinhos ruins. Sem graça ou pelo contrário muito oxidado, muito amargo, refletindo mal o terroir. Os vinhos de maceração bem -sucedidos são vinhos complexos, onde os toques de amargor (como um Campari) dão uma sensação agradável de frescor e podem compensar a acidez às vezes baixa. Seus taninos garantem a eles uma capacidade interessante de guarda. Mas, para entendê-los, você deve primeiro domar as sensações que ele cria em aromas e paladar. Demora um pouco, mas é diabolicamente emocionante !!!


Saúde!!! Aproveite para comentar se gostou ou não!!! Votos de um Feliz Natal para todos os leitores do Vinotícias !!! (Este artigo está baseado em material disponível na internet, e minhas considerações durante a prova dos vinhos e pesquisas).

Comments


bottom of page