top of page
  • Foto do escritorMarcio Oliveira - Vinoticias

“VINHOS FALSOS”

Do antigo e raro a novo e acessível, o mundo está transbordando de vinhos que não são exatamente o que parecem. 

Mesmo quando alertados sobre falsificações, os consumidores podem pensar que tênis ou bolsas falsas são inofensivas. Ou pelo menos inofensivo para eles. Mas quanto a vinho e outras bebidas falsas, pode-se dizer que são inofensivos quando não se sabe exatamente o que está sendo ingerido?


O vinho falsificado tornou-se mais comum, juntamente com a crescente demanda, sendo ofertado em listas de internet, muitas vezes por uma fração do preço do vinho nas importadoras oficiais. Estima-se que o vinho em todo o mundo seja responsável por bilhões de dólares, e o tamanho do mercado de vinhos tende a crescer ano após ano. No mundo global e digital de hoje, os vinhos falsificados são uma questão preocupante, seja na Europa, nos EUA, na China ou em outros lugares do mundo.    

  

- “Para fazer um Mouton Rothschild de 1945, misture duas partes Château Cos d'Estournel a uma parte Château Palmer e Cabernet da California”. Essa foi a estratégia de Rudy Kurniawan, um fraudador famoso, que derramou sua mistura de vinhos em garrafas velhas com rótulos falsos e os vendeu para colecionadores crédulos. Em 2014, ele foi condenado a dez anos em uma prisão americana perdendo US $ 20 milhões e devendo pagar outros US $ 28 milhões às suas vítimas.


Deportado para sua terra natal – Indonésia - em 2021, Kurniawan está agora de volta aos negócios. Em jantares sofisticados, os clientes pedem que ele crie vinhos finos falsos para provar às cegas e comparar com o vinho real. Muitos provadores preferem suas misturas, e admitem que Rudy Kurniawan é um genioso “enólogo”. Seus clientes dizem que se uma garrafa falsa cumprir seu objetivo - dar prazer – não importa que não seja o que afirma ser...


A fraude de vinho tem muitas formas, desde fraude na produção de vinho até fraude no investimento em vinho. Vamos escrever sobre os tipos de fraude de vinho nas quais os golpistas levam os consumidores a acreditar que estão comprando um vinho específico quando estão realmente recebendo uma bebida inferior, e pior, às vezes prejudicial.

Existem duas maneiras de fraudar um vinho: a garrafa é falsa ou o vinho dentro é falso. Talvez o tipo mais comum de fraude em vinho seja a adulteração do vinho por substâncias que não têm nada a ver com uvas. Se o rótulo disser "vinho", significa que é feito com o suco fermentado de uvas. O que os golpistas fazem é substituir o vinho por substâncias mais baratas, que podem ser inofensivas, mas também podem ser produtos químicos, toxinas e adoçantes nocivos, como o metanol.


Outra maneira de falsificar o vinho envolve usar vinhos mais baratos que são rotulados e vendidos como vinhos mais caros. Uma maneira comum é a atribuição errada de origens para aumentar o preço do vinho. Por exemplo ter em mãos um ótimo Pinot Noir e rotular a garrafa como um Borgonha de grande produtor.


Em 2018, por exemplo, as autoridades francesas descobriram que 66 milhões de garrafas de vinho de Côtes du Rhône falsas foram vendidas por fraudadores. Também em 2018, cerca de 4,6 milhões de garrafas de vinho do rosé espanhol foram rotuladas como francês.

A polícia italiana apreendeu 4.200 garrafas falsificadas de vinho de Sassicaia. Para combater os rótulos falsos e a má atribuição de origens, os países desenvolveram sistemas de denominação e a designação de origem protegida (DOP´s), especialmente na Europa. Esse tipo de propriedade intelectual protege marcas de vinhos locais, como Chianti na Itália.


Outra maneira é adulterar safras para que o vinho pareça vir de uma safra melhor. Para esta fraude, os falsificadores copiam garrafas, rolhas e embalagens. Eu já vi uma garrafa de Chateauneuf-du-Pape 2010 de ótimo produtor ser aberta e curiosamente ter uma rolha de 2012. Sem dúvida algo bem estranho ....


A fraude do vinho muitas vezes, envolve a recarga de garrafas autênticas vazias (muitas vezes obtidas de lixo de restaurantes que tem boas adegas) com um vinho de menor qualidade e a venda da garrafa cheia como autêntica. Em um caso, investigado durante a pandemia de coronavírus, o trabalho da Europol com a polícia italiana descobriu vinhos de baixa qualidade, em garrafas com rótulos originais e depois vendidos em uma plataforma on-line.


O mundo do vinho é conhecido por ter "vinhos unicórnios". Os vinhos unicórnios são vinhos altamente cobiçados, raros e muito difíceis de encontrar. Os fraudadores às vezes criam uma história de uma garrafa tão rara e preciosa e a vendem para colecionadores. Eles podem citar o nome de um famoso enólogo morto ou contar que um velho vinho foi milagrosamente encontrado. Os falsificadores também podem oferecer uma história de origem falsa para aumentar o preço de um vinho.        


O mundo do vinho tem sua parcela de notórios falsificadores, sendo Rudy Kurniawan o mais famoso deles. Estima-se que parte dos vinhos falsificados por ele, avaliados em centenas de milhões de dólares ainda estejam em circulação.


Hardy Rodenstock também foi acusado de vender vinhos raros falsos, incluindo a bem conhecida venda de quatro garrafas de vinho supostamente de propriedade de Thomas Jefferson por US $ 400.000, posteriormente considerado falsificado. A história tinha tudo: a garrafa de vinho mais cara vendida na Christie's em 1985, uma história inventada de uma coleção descoberta em uma velha adega de Paris, vinhos dos principais vinhedos, as iniciais Th.J. Por mais raros que fossem, dizia-se que as garrafas têm um alto nível de vinho e cor profunda. O jornal New Yorker relatou que o valor do vinho foi listado como "inestimável".

As falsificações de vinhos mais antigos e caros são apenas parte desta história. As falsificações de vinhos mais jovens também estão na moda, e a tendência está crescendo. Os falsificadores estão se afastando apenas dos vinhos de última geração para garrafas de médio alcance e safras recentes que não precisam fingir o processo de envelhecimento. Lembre-se, se houver muito desconto no valor de um vinho em comparação ao valor do vinho na importadora oficial, o produto certamente será falsificado, ou fruto de descaminho. É tão simples quanto isso.


O vinho é fácil de ser falsificado. Uma garrafa fechada não pode contar a história toda, e os falsificadores estão se tornando mais sofisticados em fazer o vinho, a garrafa, a etiqueta, a rolha de cortiça e a embalagem final acaba sendo muito difícil de identificar.


Existem muitos níveis de vinhos falsos. Como em outros produtos falsificados, às vezes as falsificações são fáceis de identificar devido a nomes de vinho com erros ortográficos ou outros erros como de safras que nunca foram produzidas. Por exemplo, o rótulo citar uma safra na qual a vinícola ainda nem estava fundada.


No entanto, muitas vezes é difícil saber se você tem um vinho falsificado, embora haja dicas para tomar cuidado. Primeiro, compre de uma fonte confiável. Além disso, se você deseja comprar uma garrafa única ou qualquer outro vinho velho e caro, faça sua “lição de casa”. Existem maneiras de olhar para garrafas, rótulos, história e outros sinais sutis para tentar verificar se o vinho é autêntico.


Por exemplo, uma garrafa de vinho mais maduro, que passou muito tempo deitado, pode ter uma mancha de borra ao longo da garrafa, como o vinho falso é criado em um breve período de tempo usando ingredientes de baixa qualidade, frequentemente carece desta mancha.


Uma garrafa antiga com um logotipo recente de um reposicionamento de marca da vinícola ... Muitos rótulos de vinho são quase impossíveis de recriar, e as falsas são incrivelmente difíceis de identificar. Além disso, o exame de rótulo é inútil quando garrafas autênticas são reabastecidas de vinhos da mesma região (mas mais baratos) e vendidas como originais.

Sob luz azul - UV, alguns tratamentos usados para iluminar os rótulos de papel de vinho podem parecer brilhar. Então, se você tem uma garrafa que brilha como se estivesse sob um UV leve da discoteca ou de uma festa (o Ultra White é um produto químico patenteado em 1957 - então os rótulos antigos não devem brilhar, caso brilhem, indicam falsificação. A maioria dos rótulos antigos eram impressos em prensas de placas, mas agora quase todos são produzidos por impressão digital.


Verifique a cápsula e a rolha cortiça: a mudança do chumbo para a lata e o alumínio na embalagem de alimentos é legalmente necessária. É provável que a cápsula em sua garrafa recentemente adquirida tenha sido remontada se tiver muitas dobras. Impressões digitais em cápsulas de cera, remanescentes de um fechamento prévio e um símbolo reciclável em uma garrafa antiga são tudo o que checar. Isso é algo que você pode investigar.


As rolhas em vinhos sofisticados geralmente têm 52-55 mm de comprimento. Examine o lado da cortiça para verificar se há marcas de ranhuras feitas por um saca-rolhas de duas lâminas. Se houver evidências de ranhuras ou riscos no vidro da garrafa, é provável que seja uma fraude.


Apesar de fazer tudo o que puder para garantir que você não esteja comprando uma garrafa de vinho falsificada, você pode acabar comprando uma. Sempre é melhor ser seguro do que remediar. Seguir estas dicas acima pode não eliminar, mas reduzir o risco de comprar garrafas de vinho fraudadas. E uma grande dica, se a “esmola” for demais, desconfie!!!


Saúde!!! Aproveite para comentar se gostou ou não!!! (Este artigo está baseado em material disponível na internet, e minhas considerações em relação as pesquisas)

Comments


bottom of page