top of page
  • Foto do escritorMarcio Oliveira - Vinoticias

“VINHOS INSULARES – CORSEGA E SEUS VINHOS – PARTE 2”

Os vinhos da Córsega incorporam os reflexos singulares da ilha, com seus relevos atormentados, inundados de sol, balançados pelos ventos, criando vinhos surpreendentes, originais e autênticos. A vinha corsicana recusa os paradoxos.


Metade do vinho produzido na Córsega é consumido na própria ilha. Quase todo o restante é absorvido pela França. Ou seja, degustar vinhos da Córsega é uma verdadeira caça ao tesouro.


Vale destacar que a ilha não se interessa em promover o turismo de luxo, como é o caso de outras regiões vinícolas francesas. Tirando vantagem de seu terreno íngreme, a Córsega abraça o ecoturismo e os amantes de uma vida mais selvagem, e este sentimento também se aplica às uvas e aos vinhos.


Aqui, as histórias se combinam com a pesquisa e o desenvolvimento. A simples evocação de suas variedades de uva ou seus nomes leva a uma aventura incomum rica e variada: Niellucciu, Sciaccarellu, Vermentini, Patrimonio, Calvi, Porto-Vecchio…


A Córsega é uma ilha muito agradável. Os gregos antigos a nomearam Kallisté - “a mais bonita". Está localizada no Mar Mediterrâneo, de forma que os ventos frescos e leves que vêm do mar refrescando a região durante o verão. As montanhas funcionam como uma proteção criando um abrigo durante o inverno, o que torna o clima da ilha um dos mais temperados da Europa. Seu ar é fresco e muito saudável e em geral, podemos dizer que os corsicanos respiram um ar muito puro.


No ano 565 A.C., os fenícios instalaram um entreposto comercial chamado Alalia (Alérria) na costa leste. A cerâmica e os vinhedos testemunham isso, a cultura da vinha e dos vinhos da Córsega tem sido, por milênios, parte integrante da história da ilha. No final do século XIX, a viticultura estava crescendo, mas foi afetada, como toda a Europa, pela filoxera. Pouco tempo depois, com o surgimento da Primeira Guerra Mundial, o êxodo rural e depois a Segunda Guerra Mundial causaram profundas mudanças na produção local.


A vinha foi reestruturada com variedades de uvas continentais e a viticultura voltou a atender uma demanda exigente. As variedades de uvas autóctones resistem, mas seu lugar nos lagares diminui cada vez mais.


A ilha da Córsega produz uma ampla gama de vinhos maravilhosos, devido à variedade de tipos de solo e altitudes, bem como à brisa do mar que suaviza o calor do sol perto da costa. Além disso, com invernos leves e longos verões quentes, a Córsega tem menos chuva e mais sol do que em qualquer lugar da França continental.  A estação de crescimento dos cachos e sua maturação é longa e as condições típicas de colheita são excelentes. Existem muitas razões para visitar a Córsega e seus vinhos são certamente um deles!


Até recentemente, os vinhos corsicanos eram pouco conhecidos, em parte devido a pouca exportação. Isso está mudando lentamente, e a última geração de produtores de vinho está melhorando bastante a qualidade do produto da ilha.


Embora existam uma grande variedade de uvas cultivadas na ilha, as três variedades tradicionais são, Nielluccio (nome local da Sangiovese – uva tinta) e Vermentino (uva branca, chamada de Rolle na ilha), ambas refletindo a herança italiana da colonização por 5 séculos, enquanto a última, mas não menos importante, existe o Sciacarello tinta autóctone e exclusiva da Córsega.


A ilha da Córsega pertence à França desde 1796. No entanto, gregos, romanos e italianos contribuíram em um colorido mosaico histórico deste lugar. Eles juntos produziram uma rica história cultural e uma cultura de vinho única que remonta ao século VI aC. A ilha no Mediterrâneo tem uma área qualitativamente importante de cultivo de vinhos, com mais de 30 variedades de uvas e 9 regiões AOC.


Tradicionalmente, as duas principais regiões que eram consideradas o lar de alguns dos melhores vinhos da Córsega eram Ajaccio no sudoeste e Patrimonio no norte. A Route de Patrimonio pode ser iniciada em St. Florent e é uma ótima rota a seguir se você estiver na região nordeste. Talvez um pouco menos conhecida seja a região de La Balagne, onde uma vinha que se destaca é a Domaine Orsini, localizada logo abaixo de Calvi e é uma vinha muito tradicional.

Sub-regiões e apelações - A região vinícola da Córsega oferece uma grande variedade de solos com ardósia no leste, solos graníticos a oeste, sedimentos aluviais no centro e falésias de calcário ao norte e sul.


As nove apelações de vinhos incluem as seguintes certificações: Regional, Cru, Aldeias e Vin Doux Naturel. A região vinícola da Córsega pode ser convenientemente dividida em duas principais áreas de crescimento de vinhos:


Região de Ajaccio – Tintos e Rosés: Na parte sudoeste da ilha - a região de Ajaccio - os vinhos são principalmente tintos e rosés. A principal variedade de uvas aqui é a nativa Sciacarello, que prospera devido ao terreno de granito e produz vinhos tintos e rosés de corpo médio. Os poucos vinhos brancos são feitos de uvas Ugni Blanc e Vermentino. Este último é conhecido localmente como Rolle. Outra uva comumente cultivada aqui é a Malvasia, um tipo branco aromático tipicamente mediterrâneo.


Região de Patrimonio - A região Patrimonio fica na costa norte e foi a primeira a receber a designação do AOC quando foi criada em 1968. Aqui são produzidas na sua maioria os brancos, em solo que é principalmente a argila e o calcário. As uvas cultivadas aqui são principalmente Vermentino (para brancos) e Nielluccio (para os tintos e rosés).


De acordo com os requisitos da denominação de origem de Patrimônio, os vinhos brancos devem incluir 100% de uva Vermentino (também conhecida como Rolle ou Malvasia), enquanto os tintos devem incluir 90% Nielluccio. Os 10% restantes podem incluir individualmente ou uma combinação das variedades de uvas Sciacarello, Grenache e Malvasia. Doces brancos da mesma região têm sua própria denominação: Muscat du Cap Corse.


O envelhecimento de tintos em barris de carvalho é uma prática bastante nova na região vinícola da Córsega, já que de forma geral os vinhos são frescos e jovens, mas alguns produtores estão experimentando a maturação.

 

Variedades de uva - As variedades de uva clássicas e, portanto, representativas da região vinícola da Córsega são principalmente o Carcajolo Noir, Sciaccarello e Nielluccio (na Itália: Sangiovese) para os vinhos tintos e Genovèse e Vermentino para o vinho branco.


Há também variedades francesas como Alicante Bouschet, Aleatico, Cinsault, Carignan, Grenache, Ugni Blanc e Syrah, que foram introduzidas com o domínio francês.


Especialmente nas últimas décadas, essa oferta também foi complementada por variedades internacionais de uvas, como Cabernet Sauvignon, Chardonnay, Merlot, Mourvèdre, Pinot Noir e Viognier.

 

​♦ Estilo dos vinhos corsicanos - 55% dos vinhos corsicanos são rosés e a maioria da produção é quase exclusivamente consumida diretamente na ilha. O rosé corsicano é muito agradável, frutado e fresco, com algumas notas de vinho picante e mineral.


Os vinhos tintos e brancos da região oferecem ainda mais caráter. Geralmente eles são fortes e encorpados, mas não muito pesados. A variedade de uva Nielluccio encontrou seu terroir ideal nas encostas das montanhas da região do Patrimonio.


A Sangiovese desenvolveu seu próprio estilo aqui: cor escura profunda, aromas de frutas silvestres, muitas ervas de “maquis” (o tipo de vegetação na Córsega), alcaçuz e um toque de couro. Na boca, os taninos são finos, mas distintos, estimulando acidez, tensão e requinte.


O mar geralmente adiciona notas de sal e iodo aos vinhos, o que é surpreendentemente evidente nos vinhos brancos, não menos característicos de Vermentino, que na região vinícola da Córsega prova ser um grande vinho branco mediterrâneo. A terceira especialidade é Muscat, com cada enólogo seguindo sua própria filosofia na produção de seus vinhos.


Já provou algum vinho da Córsega? Saúde!!! Aproveite para comentar se gostou ou não!!! (Este artigo está baseado em material disponível na internet, e minhas considerações em relação as pesquisas).

Yorumlar


bottom of page