• Marcio Oliveira - Vinoticias

“O VINHO IDEAL PARA SERVIR EM CASAMENTOS

Maio sempre traz lembrança de ser o mês das noivas. E então aparecem leitores interessados em saber que vinho servir no casamento dos filhos: o que agrada mais? o que evitar? o que agradaria “gregos e troianos”?

Mas por trás desta questão do vinho, existe uma razão histórica para o mês de maio ter sido “eleito” como o mês das noivas. Foi por volta do século 15 que os casamentos passaram a ser realizados essencialmente entre o mês de Maio e Junho. Isso ocorria porque era o período com maior oferta de flores com a primavera no hemisfério Norte, e quando o clima mais quente permitia que as pessoas tomassem banho. Lembremos que o hábito de banhar-se diariamente é muito recente, e durante a Idade Média e Renascimento, a oferta de água limpa era escassa, além do clima frio europeu ser outro fator que inibia os banhos. Como o banho era raro, os buquês de flores das noivas passaram a ser utilizados também como disfarce para o odor corporal.


Apesar de que o surgimento do buquê remonte a Grécia antiga e até mesmo o Egito antigo, foi por volta do século 15 que os arranjos passaram a se tornar mais elaborados, e flores e ramos de ervas mais diversas começaram a fazer parte dos arranjos, além de representar o desejo de uma união frutífera aos casais. Ramos de ervas e alho atrairiam bons fluidos e, segundo a crença popular, afastariam o mau-olhado.


Assim, é de pensar que vinhos mais leves e frutados sejam uma primeira opção para o serviço de vinhos. Mas há uma série de outros fatores a levar em conta:


● Climatologia na época do Casamento - O horário do casamento não interfere tanto, mas a duração da festa sim. A estação do ano interfere muito no tipo de bebida que o anfitrião escolherá. Se é uma época mais fria, talvez a pessoa opte por colocar somente vinhos tintos e manter o tradicional espumante. As opções de bebidas diminuirão e aumentará a quantidade de garrafas de tintos. O que mais altera o cálculo é a questão das outras bebidas que estarão disponíveis na festa.


No verão, a tendência é preferirmos os pratos mais leves, e portanto, para refrescar, a opção será por vinhos leves, principalmente brancos, rosés e espumantes, que, além da sua natural leveza, podemos resfriar muito para servir. Para vinhos tintos a opção fica nos tintos leves e frutados, com menos taninos, com nível de acidez mais viva o que os tornam refrescantes, e possibilita serem servidos também refrescados. Podem harmonizar muito bem com pratos de carnes vermelhas, principalmente as mais tenras como um filet mignon, embutidos, e mesmo um salmão ou atum grelhados.


O inverno pede pratos e vinhos mais encorpados, sendo uma boa opção para tintos de médio corpo, aptos para acompanhar alguns pratos mais robustos. Pratos com carnes vermelhas, massas com molhos à base de tomate podem ir muito bem com eles. Já para sopas e caldos em geral, massas com molhos brancos, e pratos com aves podem ser acompanhados por um branco mais encorpado, como um da uva Chardonnay, ou outro que tenha passagem por barricas.


● Evitando desperdício - Além de uma seleção de rótulos, garantir que o vinho estará na temperatura de serviço ideal é outro fator muito importante para o prazer e evitar desperdício. Se a temperatura estiver fria demais o vinho pode não expressar as características esperadas e causar certo incômodo no paladar. Nem sempre, servir vinho a temperatura ambiente quer dizer que ele não mereça ser resfriado num dia de muito calor, especialmente se for servir espumantes. Cuide também da quantidade de rótulos, nesta hora, menos é mais! Muitas opções dificulta a escolha do convidado e caso um determinado vinho agrade mais do que outro, pode haver sobras e desperdício. Você pode escolher tipos de vinhos diferentes como espumantes, brancos e tintos, mas coloque apenas um rótulo de cada um.


● Tenha em vista um orçamento - É difícil falar em valores que os vinhos podem ter numa festa de casamento, e mesmo o conceito de barato ou caro podem ser relativos para cada família. Vinhos com bom custo x benefício são os que cabem no orçamento do evento, harmonizam bem com o cardápio proposto e proporcionam excelentes experiências para todos os participantes da festa.


● Nacional ou importado – Algumas pessoas preferem servir vinhos importados em casamento, como uma maneira de “elevar” a qualidade observada do evento. Entretanto, no mercado há vinhos nacionais de alta qualidade, especialmente os espumantes que estão muito acima da maioria dos espumantes importados (especialmente proseccos, lambruscos e cavas) sugeridos por muitos buffets. Em caso de dúvida, pergunte ao sommelier da loja sobre seu objetivo no serviço de vinhos e entenda que o limiar entre qualidade e preço é sútil, e não se engane: vinhos muito baratos não tem qualidade. Se o seu buffet é simples, regional ou sofisticado não importa. O vinho precisa estar à altura dele.


● Calculando a quantidade de vinhos para o casamento - A quantidade de garrafas a serem servidas varia de acordo com a opção de bebidas disponíveis do anfitrião. Se será servido só um vinho espumante, se vão ter outras bebidas alcoólicas, como cerveja, vodka, whisky; se além de vinho espumante haverá branco ou tinto, tudo deve ser levado em conta...


Uma boa forma de calcular é a seguinte- normalmente são servidos dois tipos de vinho: espumante e tinto. Se considerarmos cerca de cinco horas de duração, em dia mais quente, as estimativas de quantidade são:


● Espumante: Se o espumante será servido apenas para um brinde, pode-se calcular uma garrafa para oito ou até dez pessoas. Se o vinho ou espumante será a bebida que permeará toda a festa, pode-se optar por uma garrafa para cada 1,5 convidados.


● Vinho branco ou tinto: Se a ideia é servir um vinho tinto ou branco apenas para acompanhar a refeição, pode-se pensar em uma garrafa para quatro ou seis convidados.


● O serviço de vinhos - Independente do estilo de serviço escolhido para a comida, o vinho sempre deve ir ao convidado e não o convidado ao vinho. O ideal é que o garçom possa ter uma bandeja com taças vazias (ou elas já devem estar à mesa) e a garrafa do vinho que irá servir na outra mão, pois é importante que o convidado saiba o que está bebendo e o vinho seja servido na frente dele, com o rótulo à vista. No correto planejamento da festa, os vinhos devem já estar cada qual resfriado à sua temperatura ideal antes do início do serviço.


● Harmonização com carnes – para uma correta harmonização devemos levar em conta o peso/intensidade da carne e a forma de preparação, pois não podemos colocar numa mesma balança uma picanha e um lagarto, ou uma carne grelhada com uma ao molho “au Poivre”. Os vinhos tintos são os mais indicados nesse caso, mas o corpo do vinho deve seguir o peso da carne ou do molho que a acompanha. Os tintos mais encorpados para carnes mais gordurosas ou que levem molhos untuosos, e os de médio a leve corpo com as carnes mais leves, menos gordurosas ou que tenham molhos suaves. Mas o clima frio ou quente da estação também pode influenciar a escolha do rótulo.


● Harmonização com peixes - Os peixes possuem diversas texturas e sabores, além dos tipos de preparações. Neste caso, espumantes, champagne, rosés e mesmo tintos mais leves tanto de corpo quanto tanicidade podem ser bem-vindos.


Se o peixe tiver a carne muito delicada e sua preparação for grelhada ou com molhos leves, os brancos mais leves, frescos e frutados são uma boa pedida. Se a carne do peixe for mais gordurosa, com sabor um pouco mais intenso ou acompanhado de um molho mais estruturado, os rosés e os brancos amadeirados se darão melhor. Em casos de peixes de carne escura ou de sabor mais forte e gorduroso, os tintos leves das uvas Pinot Noir e Pinotage harmonizam bem, pois a estrutura do peixe acompanhará a do vinho.


● Harmonização com massas – Aqui, o importante é o molho! Se a massa é um penne, espaguete ou talharim, não faz nenhuma diferença para a harmonização, mas se leva molho branco ou bolonhesa, tudo muda. Leve em conta a mesma sugestão das carnes vermelhas. Molhos leves acompanham vinhos mais leves e molhos encorpados, como o matriciana, que leva panceta ou bacon, ficam melhores com exemplares mais estruturados, de mais corpo.


● Vinhos que agradam a maioria - Se não quiser se ater à obviedade do espumante, você pode mesclar a festa com vinhos brancos, rosés e tintos mais leves, principalmente se a festa for em época de temperaturas mais elevadas. Tente optar por vinhos sem passagem por madeira ou com estágio mais curto, pois a tendência é que eles tenham corpo mais leve e sejam mais fáceis de beber, mesmo desacompanhados de comida. Entre os brancos, boas pedidas podem ser Sauvignon Blanc, Pinot Gris, Alvarinho, Chardonnay, etc. Entre os tintos, Pinot Noir, Merlot, Malbec, Tempranillo, Cabernet Franc, etc.


♦ BRANCOS: leves, com boa acidez, toque frutado e cítrico são características que agradam bastante. As uvas Chardonnay e Sauvignon Blanc são bem conhecidas no mundo do vinho e podem ser ótimos pontos de partida no momento da escolha.


♦ TINTOS: Há alguns anos, os vinhos da uva Merlot eram considerados os grandes coringas das festas de casamento, mas perderam seu lugar para os Cabernet Sauvignon, Malbec e Tempranillo, com um estilo frutado, macio, e corpo entre leve e médio. Rótulos de países como Chile, Argentina e Portugal (sobretudo os alentejanos onde a Tempranillo é chamada de Aragonez) também agradam muito, sem deixar de levar em conta que o estilo leve a médio frutado do vinho é o mais relevante.


● O que evitar - Vinhos complexos, muito amadeirados, com taninos ou acidez muito marcantes. Exemplares rústicos, com muito taninos como os vinhos da uva Tannat (mas que podem ser ideais para um churrasco!), vinhos maduros que possuem características de evolução, de safras muito antigas ou estilos muito específicos, devem ser evitados, por uma razão simples: nem todo mundo está acostumado a beber!


● E uma dica muito importante: Compre o vinho em uma loja de confiança. Há muita oferta de vinhos no mercado por preços que são a metade do preço praticado nas importadoras oficiais daquele produtor, ou prefira lojistas tradicionais no mercado. Sem saber a correta origem do produto, você pode estar comprando “gato por lebre”! Essa é uma regra para levar para a vida, e não apenas para o seu casamento.


Em resumo, há várias opções de vinhos para harmonizar com o casamento! Afinal de contas, ninguém quer começar a festa com um divórcio entre os vinhos e o menu!!! Saúde!!! Aproveite para comentar se gostou ou não!!! (baseado em artigos disponíveis na internet e minhas considerações)