• Marcio Oliveira - Vinoticias

“OREGON, O VINHO AMERICANO ALÉM DA CALIFÓRNIA”

Os vinhos do Oregon geralmente vivem nas sombras de seus equivalentes da Califórnia, embora isso comece a mudar, porque a região está criando alguns dos rótulos mais surpreendentes e com reflexo de terroir dos Estados Unidos. De Pinots inspirados na Borgonha a espumantes brilhantes, e ainda vários vinhos naturais divertidos, o Oregon precisa estar no seu radar.

Apesar da vinificação remontar aos tempos pioneiros da década de 1840, a produção comercial começou a ser notada a partir da década de 1960. Acredita-se que os primeiros pioneiros do Oregon de origem europeia trouxeram vinhas e plantaram vinhedos. Sentimentos antiálcool forçaram o fechamento e eventual perda da maioria deles, já que Oregon foi um dos primeiros estados americanos a adotar a proibição do consumo de álcool em 1913 e um dos últimos a encerrá-la em 1933.


Richard Sommer foi o primeiro vinicultor a reviver a indústria do vinho no início dos anos 1960, Sommer veio para Oregon com a visão de abrir a primeira vinícola pós-proibição. Ele contratou um advogado local talentoso para ajudá-lo nessa tarefa, que incluía obter licença para uma indústria inteiramente nova. Com 908 vinícolas estabelecidas no Oregon atualmente, a indústria do turismo se desenvolveu em torno da degustação de vinhos. Grande parte do turismo concentra-se nas vinícolas e salas de degustação dentro e ao redor do Vale Yamhill, a sudoeste de Portland. Estima-se que o enoturismo contribui com cerca de US$ 250 milhões para a economia do estado, excluindo as vendas em vinícolas e salas de degustação.


♦ ZONAS DE PRODUÇÃO: As zonas vitícolas do Oregon são divididas em cinco grandes regiões de cultivo: Columbia Gorge, Columbia Valley, Snake River, Southern Oregon, Willamette Valley. Embora a maior parte da produção de Oregon ocorra em Willamette, cada uma desses AVAs (Áreas Vitícolas Americanas) abrangentes é única por direito próprio. Hoje, o Oregon é o terceiro maior produtor de vinho do país, atrás da Califórnia, Washington.


A região vinícola do Oregon é frequentemente comparada à da Borgonha, já que as duas regiões ficam em latitudes semelhantes e são ambas conhecidas por sua produção de pinot noir de alta qualidade; e os vinhos de Oregon são certamente dignos de seu próprio reconhecimento.


Na última década, o Willamette Valley AVA viu um aumento notável na produção e nos elogios aos seus vinhos. O clima marítimo moderado permite que as uvas Pinot Noir e Pinot Gris ganhem sabor e estrutura durante os dias quentes, mas mantêm a acidez com as temperaturas mais frescas que podem rolar do Oceano Pacífico.


O Willamette Valley AVA é uma região triangular fértil com mais de 160 quilômetros de comprimento e 60 quilômetros de largura. O clima do Vale oferece uma temporada de cultivo de uvas alongada e estável, considerada ideal para Pinot Noir. O inverno é tipicamente frio, úmido e ameno. A primavera é muitas vezes chuvosa e os verões são quentes com noites frias. Uma distinção importante é que a localização do Vale Willamette é considerada um clima ideal para o cultivo de uvas viníferas; diz-se que fornece o equilíbrio ideal de temperatura, umidade e solo.


O Vale Willamette está localizado a 50 milhas do Pacífico, protegido pelas montanhas Cascade a leste, pelas montanhas da Cordilheira da Costa a oeste e por uma série de cordilheiras ao norte.


O AVA Eola-Amity Hills é adjacente a uma lacuna na Cordilheira da Costa, conhecida como Corredor Van Duzer, através do qual os ventos frios do Pacífico são canalizados. Conseqüentemente, suas uvas são as últimas a amadurecer no vale.


As encostas do vale são compostas por solos vulcânicos, loess e sedimentares, todos os quais emprestam suas próprias características às uvas cultivadas em seus solos. Existem numerosos mesoclimas diferentes aqui, dando a cada vinhedo seu próprio estilo único.


Os ricos solos do Vale do Willamette são beneficiários das enormes inundações da Idade do Gelo, chamadas de Inundações de Missoula. Geólogos estimam que cerca de 40 inundações entre 15.000 e 13.000 anos atrás deixaram até 60 metros de sedimentos férteis ricos no solo e nas encostas do Willamette Valley.


A vinificação no vale - em todo o Oregon, na verdade - é predominantemente artesanal ou feita à mão com o objetivo de criar vinhos de classe mundial. Além do mais, ser um bom administrador do meio ambiente é uma forma de vida aqui. De acordo com a Willamette Valley Wineries Association, 48% dos vinhedos do Vale são certificados como sustentáveis. Os produtores de vinho de Oregon são movidos pelo desejo de que seu vinho expresse o lugar de onde veio. Isso requer que eles cultivem suas uvas naturalmente.


No Willamette Valley, existem seis sub-denominações, todas com seu próprio sub clima e terroir. Os Pinot Noirs de um único vinhedo dessas áreas são alguns dos vinhos mais bem avaliados por críticos e jornalistas especializados.


Diferenças geológicas

A identificação de AVAs sub-regionais dentro do Willamette Valley, com seus estilos distintos baseados na topografia e geologia, reflete de certa forma a configuração da Côte d'Or na Borgonha.


A densa musculatura de Yamhill-Carlton com seus solos argilosos limosos, por exemplo, está em contraste com a elevação e a fragrância das colinas Eola-Amity em solos vulcânicos. Se algum lugar em Oregon tem potencial para combinar com o melhor da Borgonha, tem que ser aqui.


O Southern Oregon AVA é a outra região vinícola a ser observada e inclui os sub AVAs dos Vales Umpqua e Rogue. Enquanto Pinot Noir e Pinot Gris dominam as plantações em toda esta área, como fazem no Willamette Valley, aqui a Syrah e Cabernet Franc também podem produzir vinhos bastante complexos e ousados, especialmente no Rogue Valley.

.

♦ AS UVAS PLANTADAS NO OREGON - As variedades mais comumente plantadas na regiãov são Pinot Noir, Pinot Gris e Chardonnay, embora os produtores de vinho em todo o estado estejam trabalhando com muitas plantações experimentais, incluindo Syrah, Cabernet Franc, Gewurztraminer, Viognier, Riesling e mais 72 outras variedades. Embora a maior parte da produção de vinho do Oregon seja tinto, há uma abundância de rótulos brancos, rosés e de espumantes deliciosos para todos os gostos.


Como outros vinhos produzidos nos Estados Unidos, os vinhos de Oregon são comercializados como variedades. A lei do Oregon exige que os vinhos produzidos no estado devem ser identificados pela variedade de uva da qual foram feitos e, deve conter pelo menos 90% da variedade declarada. No Willamette Valley, para rotular vinhos como Pinot Noir, a percentagem de uvas deve ser de 95% produzidas no próprio vale.


As exceções à lei de 90% são as seguintes variedades: variedades tintas e brancas em vinhos de corte de Bordeaux, variedades tintas e brancas em vinhos ao estilo do Rhône, Sangiovese, Tempranillo, Zinfandel e Tannat. Para esses vinhos, eles seguem as diretrizes federais de 75%.


A lei do Oregon proibiu por muito tempo o uso de nomes de lugares, comunidades e vinhedos, exceto como denominações de origem.


Em 2016, as cinco variedades mais plantadas foram:

- Pinot noir: 17.744 acres (7.181 ha), 45.851 toneladas curtas (41.595 t)

- Pinot gris: 3.705 acres (1.499 ha), 13.601 toneladas curtas (12.339 t)

- Chardonnay: 1.482 acres (600 ha), 4.359 toneladas curtas (3.954 t)

- Riesling: 713 acres (289 ha), 3.095 toneladas curtas (2.808 t)

- Cabernet Sauvignon: 626 acres (253 ha), 1.652 toneladas curtas (1.499 t)


Se você gosta de Pinot Noir deve provar os vinhos do Oregon, pois dividem as opiniões de críticos e jornalistas especializados quando dizem que estão entre os melhores fora da Borgonha! Saúde!!!


Aproveite para comentar se gostou ou não!!! (baseado em artigos disponíveis na internet e minhas considerações)

19 visualizações