• Marcio Oliveira - Vinoticias

“VINHO E ROMANCE À LUZ DE VELAS

O que pode ser mais próprio para comemorar um romance do que um belo jantar à luz de velas, regado a um bom vinho?

O ambiente de conforto, aconchego e intimidade vai sendo criado pelos elementos estéticos, estimulando todos os sentidos das pessoas.


Continuando a dar sugestões para o seu “Dia dos Namorados”, continuo a escrever sobre o tema.


A associação do vinho e o clima destes momentos não é de hoje. Desde os povos mais antigos, inspirados por divindades, o vinho está sempre ligado ao religioso e ao profano, estimulando o amor. Eram famosos e sugestivos, os rótulos dos vinhos do Porto Ramos-Pinto, do final do século XIX que retratavam casais quase a se beijar com uma taça de vinho entre eles, sugerindo que o beijo seria tão doce, suave e generoso quanto o vinho (do Porto)!

A companhia e o ambiente podem ser obtidos, e a cidade tem restaurantes com apresentação irrepreensível, ou nestes tempos de pandemia, certamente haverá a oferta de kits em delivery e lives virtuais ensinando a preparar os pratos e harmonizar com os seus vinhos.


O importante é o que acontece na hora em que você se sentar para beber o vinho harmonizado com o jantar e a expectativa de uma noite prazerosa.


O Champagne surge como vinho de celebração ideal. É alegre, refrescante, cintilante, com aquelas bolhinhas “estourando” estimulando todos os sentidos. Algumas pessoas poderão achá-lo seco ou ácido demais, e este detalhe explica a razão do sucesso do Prosecco (menos cítrico e mais fácil de ser bebido). O mercado hoje conta com belos espumantes nacionais e cavas espanholas para atender todos os gostos e bolsos, portanto, boas alternativas. Além de serem ótimos para iniciar a noite, champagnes e espumantes nacionais serão ótima companhia para comida japonesa.


As refeições para uma noite de romance são geralmente mais leves, nada que seja muito carregado ou gorduroso. Neste momento, um tinto redondo, sedutor, fará uma bela harmonização. Os Borgonhas são vinhos sensuais por sua natureza e se ajustam perfeitamente ao tema. Com cor mais clara, aromas de frutas vermelhas como cereja, framboesa, morangos, saborosos e com taninos geralmente macios, acabam sendo no conjunto vinhos sedosos e estimulam o amor. Se os Borgonhas tintos estiverem fora do orçamento, há excelentes opções de outros Pinot Noirs criados na Argentina, Chile, Nova Zelândia e Brasil, que poderão surpreender.


No capítulo dos tintos, o Merlot será outra boa alternativa, com uma ampla gama de harmonização (carnes vermelhas, massas, risotos). Mais escuros e potentes que os Pinot Noirs, mas com taninos mais redondos que os Cabernets Sauvignons que seriam boas companhias para pratos de carnes mais condimentadas.


A Malbec será outra boa opção, pois a maioria dos vinhos argentinos que estão inundando nosso mercado possuem taninos macios, bons aromas de frutas maduras como ameixa, e são bastante saborosos. Seu único problema talvez seja o elevado teor alcoólico, hoje já beirando os 15%, como um vinho fortificado, convidando os amantes para uma bela noite de sono reparador depois de duas ou três taças.


O romance permanecerá como uma expectativa, para depois... Neste sentido, cuidado também com os vinhos da casta Syrah, geralmente com teores alcoólicos na faixa dos 15%.


Se o cardápio entretanto, for de frutos do mar, além do Champagne ou espumante poderem continuar a ser bebidos, os Sauvignons Blancs frutados e de boa acidez e os Chardonnays vivos serão bem vindos.


A madeira em si não é necessária neste momento, a não que o prato seja complexo e precise de harmonizações mais requintadas. Os vinhos chilenos costumam ser neste quesito excelentes opções de qualidade a custo mais acessível.


E para selar o romance, que tal deliciar-se com um vinho de sobremesa? Muitas vezes uma boa taça de vinho poderá até mesmo substituir a sobremesa. Brancos de colheita tardia são ótimos. As mulheres adoram sua extrema suavidade e estarão felizes no final da refeição. Entre eles o Sauternes é o rei. Não se esqueça dos Tokajis, dos Late Harvest argentinos, chilenos e neo-zelandeses. Os vinhos de sobremesa nacionais já representam boa alternativa também. E que dizer dos vinhos do Porto, com toques de frutas doces, em compota, aveludados, sedosos.


Como se lê, as opções são inesgotáveis. Escolha seus vinhos sem receios ou medos, afinal o mais importante é prestar atenção que o namoro não é com a garrafa. O vinho elevará o astral, o ponto alto da celebração deve ser Você e sua companhia.


Saúde!!! Aproveite para comentar se gostou ou não!!! (baseado em artigos disponíveis na internet e minhas considerações)