top of page
  • Foto do escritorMarcio Oliveira - Vinoticias

“VINHOS INSULARES – VINHOS DAS ILHAS CANÁRIAS ”

O vinho provavelmente não é a primeira visão que vem à mente ao pensar nas Ilhas Canárias. No entanto, este arquipélago beijado pelo sol produz vinhos de origem vulcânica há séculos.



As ilhas Canárias estão localizadas a cerca de 60 quilômetros a oeste de Marrocos, no Oceano Atlântico. As principais ilhas, da maior para a menor, são Tenerife, Fuerteventura, Gran Canaria, Lanzarote, La Palma, La Gomera, El Hierro e La Graciosa. Seu clima subtropical atrai uma indústria turística próspera o ano todo, mas os vinhos vulcânicos distintos das ilhas também estão ganhando atenção global e aclamação crítica.


UMA PRODUÇÃO PRECOCE DE VINHOS - O vinho é feito nas ilhas Canárias desde o século XV, quando os espanhóis colonizaram as ilhas. Por muitos anos, os navios comerciais e da Marinha Real britânicos carregavam vinho das Canárias doce e fortificado para a Europa continental, as Américas, Ásia e Austrália. Milhares de galões de vinho Malvasia, chamados Sack ou Malmsey, foram exportados para o Reino Unido a cada ano durante os séculos XVI e XVII e desfrutados pela realeza, aristocratas e escritores, incluindo Shakespeare.


A demanda global por esses vinhos diminuiu no século 18 quando o desejo de vinhos francês e português cresceu, e assim, grande parte da indústria das ilhas entrou em colapso. Somente os produtores muito pequenos permaneceram, principalmente fazendo vinho para seu próprio consumo e para fornecer ao mercado local.


No entanto, o El Grifo, de Lanzarote, fundado em 1775, a bodega mais antiga das Ilhas Canárias, ainda existe hoje e permanece na vanguarda da inovação na indústria de vinhos das ilhas.

 

ILHAS PRODUTORAS DE VINHO E O TERROIR - O vinho é feito em sete das oito ilhas principais, abrangendo 10 denominações de origem protegida (DOPs, anteriormente conhecidas como DOC´s) - Abona, Tacoronte-Acentejo, Valle de Guimar, Valle de la Orotava, Ycoden-Dauta-Isora, El Hierro, Gran Canaria, La Gomera, La Palma e Lanzarote.


Os solos são muito variados, formados por erupções vulcânicas, deslizamentos de terra e erosão. Existem solos de pedra clara, outros com rocha de basalto muito pesada e diferentes proporções entre areia e argila. Cada ilha é diferente.


O clima também difere em todo o arquipélago, e a falta de recursos naturais de água doce é atenuada pela umidade transportada pelos ventos do Oceano Atlântico. As ilhas orientais são de formação geológica mais antiga, com altitude mais baixa e mais uniforme e um clima seco e semelhante ao deserto. As ilhas ocidentais são mais altas, mais íngremes e têm maior diversidade de microclimas. Ventos do norte - alísios – com temperaturas mais frias trazem umidade.


Tenerife, a maior ilha do arquipélago, dominada pelo Monte Teide, o pico mais alto da Espanha, tem algumas das vinhas mais altas da Europa, com duas zonas climáticas distintas, cinco DOPs e uma grande diversidade de estilos de vinho.


Além disso, o Ilhas Canarias DOP, criado em 2012, inclui uvas cultivadas em qualquer lugar nas Ilhas Canárias, o que significa que todos os vinhos das ilhas podem portar a marca de denominação de identificação nos seus rótulos.


As DOP mais reconhecidas são as seguintes:


- DOP Lanzarote – criada em 1993, produz majoritariamente brancos (80%), com a uva Malvasia Vulcânica que deve compor pelo menos 75% do blend. Os vinhos são minerais, cítricos, frescos e ideais para harmonizar com a gastronomia local.


- DOP Ycoden-Daute-Isora – criada em 1996, os brancos representam 78% da produção. Vinhedos são cultivados nos terraços do Monte Teide, cuja elevação alcança 1.400 metros.  Os vinhos brancos costumam ser fáceis de beber, cítricos, frescos e marcados pela mineralidade.


- DOP Valle de la Orotava – Criada em 1996, é a maior e mais antiga DOP das Ilhas Canárias. Brancos representam 60% da produção. É lá que se localiza o Puerto de la Orotava (hoje chamado de Puerto de la Cruz) que era o ponto de conexão com o mundo exterior. Listán Negro é a uva tinta que domina a região. Há, porém, uma tendência de produtores menores produzirem vinhos interessantes a partir de uvas como a Vijariego Negro e a  Tintilla. No campo dos brancos, destaque para os vinhos produzidos a partir da Marmajuelo e Vijariego Blanco.


- DOP Tacoronte-Acentejo – criada em 1992. Localizada no nordeste de Tenerife, diferencia-se por produzir majoritariamente tintos (83%). A maioria é elaborada exclusivamente com a uva Listán Negro. A maceração carbônica é utilizada no processo de produção, o que resulta em vinhos leves, frescos, taninos macios e com notas de frutas vermelhas frescas, ervas.

 

PRINCIPAIS PRODUTORES DAS ILHAS CANÁRIAS:

- DOP Lanzarote (https://dolanzarote.com): El Grifo, Los Bermejos e Rubicó

- DOP Tacoronte-Acentejo (http://www.tacovin.com): Carbajales, Cráter e Domínguez Cuarta Generción

- DOP Valle de la Orotava (https://www.dovalleorotava.com): La Araucaria, Suertes del Marqués e Tajinaste

- DOP Ycoden-Daute-Isora (http://ycoden.com) : Borja Pérez, Viñatigo e Envínate

 

AS UVAS NAS ILHAS CANÁRIAS – As vinhas das ilhas Canárias são livres de filoxera e estão entre apenas alguns lugares do mundo para cultivar videiras não enxertadas Vitis Vinifera. Algumas vinhas têm mais de 200 anos e muitas uvas são exclusivas das ilhas.

Existem 20 variedades de uvas exclusivas reconhecidas aqui e mais de 20 novas variedades que estão sendo estudadas atualmente, com mais 60 variações de perfil genético.


Listán Blanco (também conhecido como Palomino) e Listán Negro são as uvas mais amplamente plantadas nas ilhas. Outros produtores incluem uvas de vinho branco Malvasia Vulcânica, Malvasia Aromática e Albillo Criollo. Junto com as uvas do vinho tinto Negra Mole, Vijariego Negro e Baboso Negro. Existem algumas plantações de variedades internacionais, como Syrah.


No entanto, cada ilha tem suas próprias especialidades. Por exemplo a Malvasia Vulcânica em Lanzarote, Listán Prieto em Fuerteventura, Albillo Monte Lentiscal em Gran Canaria, Listán Negro e Listán Blanco em Tenerife, em Fortera Blanca em La Gomera, Albillo -Criollos, em Fortera Blanca em La Gomera, Albillo-Criollo.


Os vinhos brancos costumam ser secos e com alta acidez, com notas de frutas, alguns deles são criados com maceração carbônica (típicos), e também podem ser maturados em carvalho. A produção em 2020, era de 51% tinto e 49% branco no arquipélago, criados principalmente com as uvas locais:


- Malvasia Aromática: originária da Grécia/Chipre é utilizada na produção do histórico vinho Malmsey.


- Malvasia Vulcânica: também conhecida como Malvasia de Lanzarote é a grande estrela das brancas. Cruzamento natural entre a Malvasia Aromática e a autóctone da área, Marmajuelo. Expressa-se particularmente bem no solo local e produze vinhos famosos pela mineralidade e frescor.


- Listán Blanco: que é sinônimo da Palomino, utilizada em Jerez. Adapta-se particularmente bem nas condições de  pouca chuva e abundância de sol.


- Com relação às tintas, a Listán Negro, também conhecida como Almuñeco reina. Autóctone da região, é utilizada na elaboração de vários estilos, incluindo o elaborado a base de maceração carbônica. Os melhores vinhos são leves, frutados, frescos e com baixos taninos.

 

VITICULTURA ÚNICA - Vários métodos exclusivos de cultivo de videira são usados nas ilhas Canárias, como o Cordón Trenzado, ou "cordões trançados" de videiras que podem se estender horizontalmente a 15 metros no Valle de La Orotava de Tenerife.


Talvez a forma de cultivo mais impressionante esteja em Lanzarote, onde as videiras são plantadas em fossas semelhantes a crateras chamadas “Hoyos”, e depois cavadas profundamente no solo contendo camadas espessas de cinzas vulcânicas retendo a água. Estes são cercados por paredes protetoras de pedra de lava que protegem as uvas do vento e do sol e prendem a escassa umidade transportada pelos ventos e brisas do Atlântico em um clima muito seco.


Em lugares normais com esse clima, esses vinhos não teriam esses níveis de acidez devido ao intenso sol diurno, mas como escrevi, cada ilha tem suas particularidades.

 

O APELO CONTEMPORÂNEO DOS VINHOS DAS ILHAS CANÁRIAS - Os habitantes locais acreditam que a variedade de solos e climas, uvas e métodos de viticultura cria vinhos vulcânicos expressivos e interessantes, que estão se tornando particularmente relevantes para os bebedores de vinho modernos.


O interesse renovado por vinhos, uvas e estilos distintos, afastando-se dos estilos de vinho homogeneizados, globalizados, permitiu à indústria crescer novamente. Hoje em dia, vemos um consumidor de mente mais aberta do que nunca - um cliente que busca uma história nova e interessante, com tradição e está um pouco distanciada do “mainstream".

 

FUTURO DOS VINHOS DAS ILHAS CANÁRIAS - O futuro está muito centrado em ganhar o reconhecimento internacional que os vinhos canários merecem, com base em variedades de uva únicas e antigas cultivadas em terroir extremo. O objetivo dos produtores é ver esses “vinhos de nicho” em mercados dinâmicos onde há demanda ou onde ela pode ser trabalhada, gerando mais vendas.


Mas ainda há muito a ser feito. Há ainda trabalho para fazer localmente. A falta de jovens que trabalham em vinhedos representa um problema em potencial. Os produtores querem que os jovens, que em sua maioria vão para o continente, se interessem novamente para que essa parte de cultura local, que tem sido tão importante desde que os espanhóis e portugueses chegaram às ilhas, possam continuar existindo e seja mais um atrativo turístico.


​ Como escrito, num mundo em que os rótulos de regiões mais badaladas e demandadas atingem preços estratosféricos, que tal explorar algumas expressões menos conhecidas e que podem revelar surpresas. Não deixe de provar os vinhos das Ilhas Canárias!!!


Saúde !!! Aproveite para comentar se gostou ou não!!! (Este artigo está baseado em material disponível na internet, e minhas considerações em relação as pesquisas).

Comments


bottom of page