• Marcio Oliveira - Vinoticias

“WINSTON CHURCHILL E SEUS VINHOS”

Churchill bebeu 42 mil garrafas de Champagne durante sua vida!


“Lembrem senhores, não é apenas pela França que lutamos, é pelo Champagne”, Churchill em discurso para as tropas aliadas antes da invasão da França durante a Segunda Guerra Mundial

A história está repleta de lendas sobre vinhos que se cruzam com personalidades que fazem parte delas. Uma em particular envolve Winston Churchill. Ele era conhecido tanto por seu interesse por vinhos e destilados quanto por seus esforços para salvar o mundo livre.


Em 1924, quando Churchill se mudou para Chartwell, ele escreveu uma carta para sua esposa Clementine, dizendo que bebia “champanhe em todas as refeições e baldes de clarete (Bordeaux) e refrigerante no meio”. Ele foi citado como tendo dito: "Meus gostos são simples, fico facilmente satisfeito com os melhores."


Durante a década de 1930, enquanto Adolf Hitler subia ao poder na Alemanha, o homem que viria a ser seu adversário mais implacável estava se afogando - em dívidas e champanhe. Em 1936, Winston Churchill devia a seu comerciante de vinhos o equivalente a US$ 75.000. Ele também estava comprometido com seu alfaiate de camisas, relojoeiro e impressor - mas seu estilo de vida de um aristocrata do interior que fumava charutos e era dono de cavalos, continuou acelerado.


Em um seu livro magnificamente pesquisado “No More Champagne: Churchill and His Money” (Não Mais Champagne: Churchill e seu Dinheiro), David Lough, um banqueiro aposentado que estudou história na Universidade de Oxford, conta a incrível relação dos excessos fiscais do ex-primeiro-ministro. Depois de anos examinando pacientemente extratos bancários e contas de Churchill, Lough, um especialista em finanças, acumulou um tesouro de material que distribui com grande efeito em seu livro.


Ficamos, por exemplo, sabendo da especulação ruinosa de Churchill no mercado de ações por volta de 1929 e das heranças que ele esbanjou; suas apostas em jogos de azar nos cassinos em Biarritz e Monte Carlo; os milhares de libras que ele investiu na manutenção de Chartwell, sua amada mansão de campo em Kent; e a torrente incessante de dinheiro que ele despejou na manutenção de uma adega de primeira classe.


O livro de David Lough “No More Champagne”, prova isso. De acordo com o autor, Churchill gastava o equivalente a US$ 75.000 por ano em Champagne (conversão ao câmbio de 2015). A maior parte desses dólares foi para Champagne Pol Roger, localizada na cidade francesa de Épernay. A relação entre Churchill e Pol Roger remonta a um almoço oferecido pelo Embaixador Britânico na França após a libertação de Paris. Nessa refeição, foi servida a safra de Champagne Pol Roger de 1928. Churchill fez amizade com Odette Pol Roger naquele dia, que durou até sua morte.


Talvez isto tenha ajudado a marca do champanhe ser elevada a níveis míticos, visto que teria exigido que Churchill bebesse 467 garrafas de Pol Roger em cada um de seus 90 anos. Mas a Maison Pol Roger, que deu o nome de Churchill a um Cuvee em 1975, diz que ele não havia bebido seu vinho até 1908, quando o inglês estava na casa dos 30 anos.


Sir Winston Leonard Spencer-Churchill teria bebido 42 mil garrafas de Champagne! A afirmação está no livro 1.411 Qi Facts to Knock You Sideways – livro sem tradução para o português que traz fatos interessantes que vieram à tona no famoso programa de TV britânico QI – Quite Interesting.


Reza a lenda que Churchill bebia whisky e vinho alemão branco pela manhã, um tinto de Bordeaux no almoço e duas garrafas de Champagne para fechar o dia. Isso sem contar os vinhos do Porto e conhaques que figuravam entre as bebidas prediletas de Churchill.


Como o político faleceu aos 90 anos e, segundo ele mesmo, bebeu duas garrafas de Champagne entre 1908 e sua morte em 1965 o total são exatas 41.610. Somando a elas os eventuais dias em que ele passava do seu – já elevado – limite e festas, chegamos às 42 mil garrafas!


As histórias da relação especial de Churchill com o álcool são lendárias. Eleanor Roosevelt, que foi sua anfitriã na Casa Branca durante a Segunda Guerra Mundial, ficou surpresa "que alguém pudesse fumar tanto e beber tanto e se manter perfeitamente bem".


Quando visitou os Estados Unidos, Churchill levou sua carta de vinhos com ele para a Casa Branca. No dia em que chegou para se encontrar com o presidente Franklin Roosevelt, Churchill aconselhou Alonzo Fields, o mordomo-chefe da Casa Branca, a colocar um "copo de Jerez em meu quarto antes do café da manhã".


Falando historicamente, o Jerez é uma boa combinação para uma figura como Churchill. Vinho fortificado feito na Espanha, o Jerez é o resultado de diferentes influências culturais ao longo de milhares de anos, incluindo gregos, cartagineses, fenícios e romanos. Não sabemos qual Jerez Churchill preferia. Mas em 1941, quando conheceu o presidente Roosevelt, ele teria acesso a Delgado Zuleta Sherry, fundada em 1744, e talvez a Lustau, onde o Jerez era feito desde 1896.


Entre as refeições, o clarete (palavra britânica para vinhos de Bordeaux) era sua bebida preferida. Há pouca documentação sobre a preferência de Churchill, mas o Chateau de Bellevue, que remonta ao século 18, provavelmente estaria disponível na Berry Bros & Rudd, fundada em 1689 em Londres, onde Churchill costumava fazer compras.


Sabemos que Churchill expressou preferência por Vina Pomal. Feito por Bodegas Bilbainas, uma das propriedades mais antigas de Rioja, este Tempranillo era um dos favoritos da hierarquia britânica, especialmente de Churchill. Bodegas Bilbainas, um dos primeiros vinhos espanhóis a ir para o exterior no início do século 20, estabeleceu um centro de engarrafamento em Charing Cross em Londres em 1926 perto da residência do primeiro-ministro em 10 Downing Street. Em 1952, a vinícola presenteou Churchill com uma caixa de Vina Pomal com a inscrição: “de um admirador espanhol”.


Tudo isso soa como muito vinho, mas as informações biográficas e médicas indicam que o único problema com a bebida que Churchill tinha era quando suas exigências muito precisas não eram atendidas!


Lough nunca para de se surpreender com a forma como uma figura pública tão proeminente escapou vivendo sua vida bem acima do cheque especial e do limite de álcool. Muito mais contundente é Christopher Hitchens, que, em um excelente ensaio para “The Atlantic”, comparou o pródigo e excessivamente indulgente Churchill dos anos 30 ao glutão de Shakespeare, Falstaff, "tão inchado, tão velho e tão profano".


Sempre atrasado em seus impostos, Churchill detestava o cobrador de impostos tanto quanto o nazista Hitler e, embora tenha derrotado este último, passou a vida inteira tentando, com menos sucesso, esquivar-se do primeiro. O cobrador de impostos pode ter se mostrado intratável, mas outros foram mais receptivos. Amigos ricos pagaram sua fiança e, a certa altura, o governo pagou suas contas de bebidas alcoólicas - algo impensável para os dias de hoje.


De vez em quando, seus credores ameaçavam pedir suas propriedades em penhora, e Churchill tentava apertar o cinto. O título do livro foi tirado de uma nota que ele deixou para Clementine em 1926, ordenando: "Não se compre mais champanhe. A menos que instruções especiais sejam dadas apenas vinho branco ou tinto, ou Whisky e refrigerante serão oferecidos no almoço ou jantar... Os charutos devem ser reduzidos a quatro por dia." Além disso, ele ordenou que todo o gado, galinhas, porcos e pôneis em Chartwell fossem vendidos e que não houvesse pratos de peixe a menos que houvesse visitantes.


Churchill claramente precisava de quantidades prodigiosas de álcool para funcionar, então, felizmente para ele - e para o mundo livre - havia um comerciante de vinhos paciente. “Randolph Payne & Sons foi negociante de vinho da família Churchill por gerações”, diz Lough. “Eles eram uma empresa de ponta no mercado que trazia o 'mandado real' em seu papel timbrado: 'Por Nomeação Especial a Sua Majestade, a Falecida Rainha Vitória e ao Falecido Rei William IV".


A empresa deu a Churchill um largo crédito, mas quando seu saldo devedor atingiu o equivalente a US$ 75.000 (como aconteceu em 1914 e 1936), o comerciante foi forçado a escrever para ele - desencadeando outro acesso de economia que acabou mais rápido do que uma garrafa aberta de Pol Roger.


Se Churchill se endividou com dinheiro, ele escreveu para se livrar delas. Antes de ser político, ele era jornalista, e os jornais competiam entre si por seu exemplar emocionante. Ele é facilmente um dos correspondentes de guerra “freelance” mais bem pagos da história, e certamente o mais ricamente equipado. Quando ele navegou para a Cidade do Cabo para cobrir a Guerra dos Bôeres em 1899, ele levou seis caixas de vinho e destilados para animar a viagem de três semanas. Em Bloemfontein, na África do Sul, seu kit de batalha consistia em uma carroça de boi "cheia de mantimentos Fortnum & Mason e, claro, bebidas alcoólicas".


Churchill bebeu várias marcas de champanhe, como Giesler, Moet et Chandon e Pommery, mas Pol Roger era claramente o seu favorito. Todos os anos, no aniversário de Churchill, a charmosa e astuta Odette Pol Roger mandava-lhe uma caixa de champanhe. (Seu outro grande amigo, o líder soviético Joseph Stalin, enviou-lhe caviar - até que eles brigaram com o discurso da Cortina de Ferro de Churchill.)


Quando Churchill faleceu, Pol Roger colocou uma borda preta ao redor dos rótulos das garrafas exportadas para a Grã-Bretanha. Madame Pol Roger estava entre os poucos amigos pessoais convidados para o funeral na Catedral de São Paulo. Em 1984, sem dúvida para soldar a relação com Churchill, Pol Roger lançou uma cuvée encorpada chamada Sir Winston Churchill.


O historiador de Churchill, Michael Richards, descreve um jogo que Churchill gostava de jogar com seu amigo Frederick Lindemann, o professor de Oxford que era o principal conselheiro científico do governo.


"Prof!" Churchill comandaria. "Por favor, calcule a quantidade total de champanhe, vinho e destilados que consumi até agora na minha vida e diga-nos quanto desta sala ela ocuparia."

Lindemann puxava sua régua de cálculo, fingia fazer cálculos e anunciava algo como: "Sinto muito, Winston, só alcançaria nossos tornozelos". E Churchill zombava de um suspiro: "Quanto a fazer - quanto tempo resta".


♦ Para finalizar, algumas frases de Churchill que mostram a paixão dele pela bebida:


“Banhos quentes, champagne gelado, ervilhas frescas e conhaques antigos”, sobre a essência da vida.


“Tirei mais proveito do álcool do que o álcool tirou de mim”, sobre a quantidade de álcool que ele consumiu.


“O jantar teria sido esplêndido ... se o vinho estivesse tão frio quanto a sopa, a carne tão mal passada quanto o serviço, o conhaque tão velho quanto o peixe e a empregada tão bem disposta quanto a duquesa.


"Se você estiver atravessando o inferno não pare!"


“Madame, posso estar bêbado, mas você é feia, e amanhã estarei sóbrio” - supostamente disse na Câmara dos Comuns à parlamentar trabalhista Bessie Braddock.


“O esporte, meu caro, o esporte… nunca os pratiquei”, sobre o segredo da longevidade” !!!


Saúde!!! Aproveite para comentar se gostou ou não!!! (baseado em artigos disponíveis na internet e minhas considerações)

6 visualizações