• Marcio Oliveira - Vinoticias

“A UVA CHENIN BLANC E SEUS VINHOS”

Nativa do Vale do Loire, na França, essa uva branca é cultivada em países como Estados Unidos, Austrália, Nova Zelândia, Israel, Brasil, Uruguai e Argentina. Muito versátil, pode assumir diferentes características, de acordo com o terroir. Em climas quentes, lembra vinhos da Chardonnay, da Viognier e da Torrontés. Em climas frios, lembra vinhos da Sauvignon Blanc, da Alvarinho e da Pinot Grigio.

A variedade teve seus altos e baixos ao longo de sua longa história. Documentos oficiais franceses mencionam pela primeira vez Chenin Blanc no ano de 845, quando foi registrada pela primeira vez pela Abadia de Glanfeuil como crescendo nas margens do rio Loire e a variedade apareceu em várias partes do Loire sob uma infinidade de sinônimos desde então.


A uva saiu de moda um pouco no início do século 20, mas o interesse renovado na década de 1980 revigorou a posição da Chenin Blanc como uma variedade de uva clássica e nobre. Chenin Blanc pode ser elaborado em qualquer nível de doçura, variando de seco, crocante e espumante, até vinhos doces de sobremesa. Isso se reflete no número de técnicas e estilos de vinificação empregados na produção de Chenin, como aço inoxidável, contato com borras estendidas e maturação em barris. A este respeito, não é diferente do Chardonnay, com o qual comumente aparece em misturas; no entanto, os dois não estão intimamente relacionados geneticamente.


As uvas Chenin Blanc são amarelo-esverdeadas na videira e pendem em cachos cônicos. É uma variedade de uva de brotação precoce, mas de maturação tardia, que produz rendimentos baixos a moderados. É uma uva que, nas circunstâncias certas, pode se beneficiar do aparecimento da Botrytis cinerea, um fungo que murcha as uvas e faz com que seus sucos se concentrem e se intensifiquem.


As videiras podem prosperar em áreas com argila, xisto e solos franco-arenosos, mas o tipo de solo geralmente determina qual estilo de vinho será produzido. A argila calcária, como é encontrada em Vouvray, produz vinhos redondos com acidez e bom equilíbrio, enquanto os solos à base de calcário trazem mais acidez do que peso. Solos à base de argila são os melhores para os estilos mais ricos de Chenin Blanc que são tipicamente doces vinificados.


É uma uva particularmente identificável com base no aroma e paladar, já que a Chenin Blanc é frequentemente conhecida por suas notas de mel e palha. Os vinhos também são frequentemente descritos como tendo uma mineralidade perceptível, bem como um paladar rico em sabores de frutas de caroço. Outras frutas que costumam ser percebidas no nariz e no paladar incluem maçã verde, goiaba, pêra e marmelo.

Quando o Chenin Blanc é transformado em vinho de sobremesa, muitas vezes desenvolve notas mais tropicais e florais, incluindo abacaxi e flores brancas. Redondo e equilibrado no paladar, os vinhos Chenin Blanc tem a capacidade de envelhecer por muito tempo em garrafa.


● VITICULTURA - As uvas Chenin blanc, como as uvas Sauvignon blanc, são altamente sensíveis ao desenvolvimento de podridão nobre, o que produz um estilo único de vinho.


A videira Chenin blanc brota no início da estação de crescimento e amadurece no meio do ano de colheita. No entanto, em anos quentes, o equilíbrio entre o clima marginal do Loire e o calor necessário para atingir a plena maturação tem o potencial de produzir vinhos com alguma profundidade de complexidade e finesse. A idade da videira pode influenciar a qualidade do vinho, com videiras mais velhas produzindo naturalmente rendimentos mais baixos. Quando infectados pela podridão nobre, que também diminui os rendimentos e acrescenta e intensifica certos sabores, os vinhos desenvolvem notas de aroma menos abertamente florais, mas mais profundidade e camadas.


Foram desenvolvidas novas variedades clonais que retardam a brotação e aumentam o desenvolvimento do açúcar durante a fase de maturação. Seis desses novos clones foram oficialmente sancionados pelo governo francês. A videira é semiereta no hábito com folhas de três a cinco lóbulos. Ele tende a brotar cedo, com cachos cônicos e alados contendo uvas verde-amareladas que amadurecem tarde. As bagas têm tipicamente 16,0 mm de comprimento x 14,2 mm de largura, com um peso médio de 1,79 g.

O clima de uma região vinícola determina em grande parte se o Chenin blanc é produzido de maneira predominantemente doce ou seca, enquanto o tipo de solo do vinhedo geralmente influencia o estilo geral do vinho. Solos pesados ​​de base argilosa, combinados com o clima certo, são favoráveis ​​ao desenvolvimento de vinhos de sobremesa pesados ​​e botritizados que precisam de tempo para envelhecer e amadurecer.


Solos bem drenados e menos orgânicos, predominantemente arenosos, tendem a produzir estilos mais leves de vinho que amadurecem mais rapidamente. Chenin blanc plantado em solos com alto teor de sílex produzem vinhos com notas minerais distintas, enquanto solos à base de calcário favorecem vinhos com acidez acentuada.


Em Vouvray, o solo é predominantemente argilo-calcário ou argila calcária, que produz vinhos arredondados com acidez e peso. Em áreas onde o xisto é abundante no solo, as uvas Chenin blanc geralmente amadurecem mais cedo do que em vinhedos com solos predominantemente argilosos.


Entre os perigos vitícolas aos quais Chenin é suscetível (além de botrytis em condições menos do que ideais) estão danos causados ​​por geadas de primavera, oídio e doenças fúngicas (como braço morto de videira) que afetam as estruturas de madeira da videira. Alguns desses perigos podem ser gerenciados com manejo integrado de pragas e seleção de porta-enxertos.


● RENDIMENTOS NA COLHEITA - Os produtores muitas vezes colhem o Chenin blanc manualmente em uma sucessão de colheitas conhecidas como "tentativas". As uvas podem ser colhidas como cachos inteiros ou bagas individuais.


Embora seja verdade para a maioria das variedades de uvas para vinho, a qualidade do vinho Chenin blanc está intimamente ligada ao cuidado com o vinhedo. Se as uvas são colhidas muito cedo, antes de amadurecerem, a alta acidez faz com que o vinho seja (de acordo com o especialista em vinhos Oz Clarke) "um dos vinhos mais desagradáveis ​​possíveis". Se as uvas são colhidas com um rendimento muito alto, as uvas não retêm nenhuma das notas de caráter distintivo de Chenin blanc.


No Loire, os regulamentos franceses determinam que os rendimentos sejam mantidos baixos (40-50 hl/ha). Nesses níveis, mais características varietais de aromas florais e de mel de Chenin blanc são exibidas. Quando a uva é colhida com altos rendimentos, como a média do Vale Central da Califórnia de 10 toneladas por acre (175 hl/ha), os sabores de Chenin se tornam mais suaves e neutros.


A videira é naturalmente vigorosa e propensa a superprodução se não for mantida sob controle. Em solos férteis, como em partes da África do Sul, a Chenin blanc pode facilmente produzir rendimentos de 240 hl/ha. Para manter os rendimentos sob controle, os gerentes de vinhedos podem optar por enxertar videiras Chenin com porta-enxertos menos vigorosos de videiras Vitis riparia ou Vitis rupestris. Durante a estação de crescimento, eles também podem optar por fazer uma colheita verde onde os cachos de uva em excesso são removidos.


● VINHOS NA FRANÇA - Alguns dos vinhos mais famosos do Vale do Loire - que variam em estilo, de espumante a doce, de seco a seco - são produzidos a partir desta uva, incluindo vinhos das denominações de Vouvray, Savennières, Quarts de Chaume, Coteaux du Layon e Crémant de Loire. No Vale do Loire, na França, a maturação do Chenin Blanc pode ser tão desigual que as uvas geralmente são selecionadas manualmente em sucessivas passagens pelo vinhedo.


Nestas situações, uvas altamente ácidas e menos maduras são uma ótima base para vinhos espumantes. Uvas maduras são usadas nos estilos ricamente aromáticos e secos.


Finalmente, no final da safra, as últimas uvas colhidas são afetadas pela podridão nobre, que concentra os açúcares das uvas e confere sabores ricos de geléia de laranja, gengibre e açafrão. Estas uvas de colheita tardia entram na mistura dos famosos vinhos doces da região, incluindo Quarts de Chaume e Bonnezeaux.


● VINHOS NA AFRICA DO SUL - Além do Vale do Loire, na França, o Chenin Blanc é bem conhecido na África do Sul, onde também é conhecido como Steen. Lá, pode ser rastreado pelo menos até meados dos anos 1600. A uva pode ter sido uma das primeiras a ser cultivada na África do Sul por Jan van Riebeeck em 1655, ou pode ter chegado a esse país com huguenotes fugindo da França após a revogação do Édito de Nantes em 1685.


A África do Sul tem atualmente o maior vinhedo de Chenin Blanc, com mais de 50%, sobrepujando até mesmo o vinhedo da França. Embora a uva fosse tradicionalmente usada como componente de mistura, hoje é a variedade de vinho branco mais proeminente do país, capaz de produzir seleções de classe mundial que abrangem o espectro estilístico, do seco ao doce ao espumante e praticamente tudo no meio termo.


Por conta destas condições, o maior produtor de Chenin Blanc no mundo é a África do Sul, onde às vezes é misturado com Semillon, Viognier e Marsanne para fazer um vinho de estilo mais rico semelhante a um Chardonnay maturado em carvalho, mas com um sabor mais doce. Também na África do Sul, Chenin Blanc e Sauvignon Blanc são misturados para criar um vinho seco fresco e picante.


● A PRODUÇÃO PELO MUNDO - Na Austrália, Chenin Blanc é amplamente cultivada como uma variedade de mistura. A uva é frequentemente misturada com Chardonnay, Sémillon e Sauvignon Blanc em vinhos produzidos em todo o país. Chenin Blanc na Austrália é conhecido por suas notas tropicais muito mais pronunciadas.


Em outros lugares do Novo Mundo, a uva ainda está fazendo seu nome. A Nova Zelândia cultiva uma pequena quantidade, a maioria produzida em um estilo de sobremesa doce. Nos Estados Unidos, o Chenin Blanc é cultivado na Califórnia – principalmente em Napa Valley e Mendocino – Washington e Texas, embora produtores de Nova York, Missouri, Wisconsin e Arizona também tenham começado recentemente a experimentá-lo.


Produtores na Argentina, Brasil e México há muito usam a uva em grandes misturas de vinhos brancos. Os vinicultores canadenses também cultivam Chenin Blanc na região de Okanagan, na Colúmbia Britânica, bem como em Ontário.


● UM INTERESSE RENOVADOR - Nicolas Joly, com seu ícone “Coulée de Serrant”, foi um dos precursores da biodinâmica, um homem que escolheu essa filosofia quando ela estava longe de ser moda. Um homem corajoso e apaixonado, amante da natureza e dos vinhos produzidos segundo a consciência, capaz de ir contra a corrente para seguir a sua própria sensibilidade.


Seus vinhos Chenin Blanc são de extraordinária personalidade e espessura, vinhos capazes de excitar os acordes mais profundos da alma. Seja o “Les Vieux Clos” ou o “Coulée de Serrant” apresentam uma gama de aromas inebriantes e envolventes, difíceis de definir em palavras pela amplitude e clareza dos aromas frutados, picantes e terciários.


O sucesso dos vinhos de Nicolas Joly, chamou a atenção para a casta criando um interesse importante para que a Chenin Blanc voltasse a ser uma uva “estrelada”.


● O PARENTESCO COM OUTRAS UVAS - Em 1999, a análise de DNA mostrou que o Chenin blanc tem uma relação pai-filho com a uva da região do Jura, a Savagnin. Evidências adicionais de DNA mostram que Chenin blanc compartilha uma relação de irmão com Trousseau e Sauvignon blanc (ambas as uvas são prováveis ​​descendentes de Savagnin), o que sugere fortemente que Chenin blanc é a descendência e Savagnin é a variedade-mãe. Através do relacionamento de meio-irmão de Chenin com a Sauvignon blanc, a uva está relacionada como uma variedade tia/tio da uva de Cabernet Sauvignon, que é descendente de Sauvignon blanc e Cabernet Franc.


Outra pesquisa de DNA mostrou que um cruzamento de Chenin e a uva Hunnic Gouais blanc produziu várias variedades, incluindo Balzac blanc, Colombard e Meslier-Saint-François. Na África do Sul, a uva foi cruzada com a uva vinífera italiana Trebbiano para produzir Weldra e Chenel.


Ao longo dos anos, a Chenin blanc também foi frequentemente confundida com outras castas com as quais não parece ter uma relação genética estreita. Isso inclui a uva de vinho portuguesa Verdelho cultivada na ilha de Machupiclait da Madeira e nos Açores, bem como a uva de vinho espanhola Albillo, que já foi confundida com Chenin blanc na Austrália.


● UMA UVA COM VÁRIOS NOMES - Anjou, Blanc d'Aunis, Blanc d'Anjou, Capbreton Blanc, Confort, Coue Fort, Cruchinet, Cugnette, Feher Chenin, Franc Blanc, Franche, Gamet Blanc, Gros Chenin, Gros Pineau, Gros Pinot Blanc de la Loire, Gout Fort, Luarskoe, Pineau d'Anjou, Pineau de Briollay, Pineau de la Loire, Pineau de Savennières, Pineau Gros, Pineau Gros de Vouvray, Pineau Nantais, Plant d'Anjou, Plant de Brézé, Plant de Salces, Plant de Salles , Plant du Clair de Lune, Quefort, Rajoulin, Ronchalin, Rouchelein, Rouchelin , Rouchalin, Rougelin, Steen, Stein, Tête de Crabe, Vaalblaar Stein, Verdurant


● OS ESTILOS MUNDO AFORA – Como um vinho branco, Chenin Blanc tem uma ampla gama de sabores. Parte da razão para isso tem muito a ver com o estilo de vinificação, além da influência dos solos nos quais a vinha está plantada.


♦ Seco: Quando as uvas são fermentadas secas e mantidas frescas, elas produzem um Chenin Blanc muito magro e mineral que oferece sabores de pêra azeda, marmelo, gengibre e camomila.


♦ Meio-Doce: Quando alguns dos açúcares naturais das uvas são deixados no vinho, você sentirá sabores mais ricos de pêra madura, gengibre, jasmim, maracujá e favo de mel.


♦ Doce: estilos mais doces de Chenin Blanc têm sabores de caqui seco, amêndoa torrada, manga, gengibre e tangerina.


♦ Espumante: Os estilos de espumante podem variar de seco (Brut) a doce (Demi-Sec), com características clássicas de marmelo, maçã amarela, ameixa, gengibre e notas florais de Chenin Blanc.


AS HARMONIZAÇÕES RECOMENDADAS - Por causa da incrível acidez e do sabor inerentemente doce da Chenin Blanc, é possível combinar seus vinhos com alimentos que têm um elemento doce e azedo. A culinária do sudeste asiático ou costeletas de porco com maçãs combinadas com um estilo mais rico e doce de Chenin Blanc vão surpreender você.


♦ Aves: Existem vários vinhos brancos por aí com gosto suficiente para umedecer até o peru mais seco. Experimente um Chenin Blanc sul-africano de alta qualidade com seu jantar de Natal ou de Ação de Graças. Ele vai combinar até com molho de cranberry como se tivesse nascido para isso. De forma geral, o Chenin acompanha muito bem aves em vários tipos de preparações, sendo bom companheiro para frango, galinha d’angola, peru.


♦ Outras Carnes: Também vai bem com Vitela, Truta, Costeleta de Porco, Salmão Defumado, Terrines e Patês.


Especiarias e ervas: acompanha bem comidas temperadas com canela, endro, estragão, açafrão, gengibre, feno-grego, erva-doce, cravo, manjerona, pimenta da Jamaica, flocos de pimenta vermelha, coentro, cominho, coentro, erva-doce, noz de macadâmia, amendoim, caju, semente de gergelim.


Harmonização com Queijos: Queijos de leite de vaca macios a semi-firmes, como brie, gruyère, cream cheese, iogurte e cheddar funcionam muito bem com Chenin Blanc. Experimente também queijos de cabra com crosta de ervas.


Vegetais e pratos vegetarianos: pratos à base de Abóbora, Cebolinha, Couve de Bruxelas, Inhame, Cenoura, Couve-flor, Cogumelos, Milho, Pimentão Vermelho, Maçã, Marmelo, Pera.


O Chenin Blanc é um vinho descontraído com uma qualidade característica de aromas e sabores que são ao mesmo tempo acolhedores e gostosos e um pouco diferente dos vinhos de Chardonnays ou Pinot Grigios de produção padrão. As versões mais secas e leves são ideais com uma grande variedade de saladas, pratos de aves e opções de frutos do mar. As opções mais pesadas e mais doces combinam lindamente com cozinhas mais picantes, como tailandesa ou chinesa. Portanto, está mais que na hora de prová-lo!!!


Saúde!!! Aproveite para comentar se gostou ou não!!! (Este artigo está baseado em material disponível na internet, e minhas considerações e pesquisas).

4 visualizações