• Marcio Oliveira - Vinoticias

“A UVA GEWURZTRAMINER SEUS VINHOS”

Após o artigo sobre a Riesling seus grandes vinhos, agora é hora de escrever sobre a Gewurztraminer. Uma variedade de uva aromática da Alsácia com um nome que costuma travar a língua, de cor rosa que tem um aroma exuberantemente frutado e perfumado que é instantaneamente fácil de reconhecer.

Gewürz significa 'especiaria' em alemão, o que resume bem o caráter distintivo desta variedade. Sua casca rosada na época da colheita se traduz em um vinho dourado, profundamente colorido, muitas vezes com um belo tom de cobre. Espere aromas de especiarias doces, rosas carnudas, lichias, gengibre e notas de toranja e pêssego branco. Uma ótima escolha se você não gosta de acidez evidente em seus brancos, pois a uva naturalmente produz vinhos ricos e redondos.


A maioria dos vinhos da gewürztraminer (às vezes abreviado para “gewürz” ou “vertz”) vem da Alsácia, uma região quente e seca na fronteira da França com a Alemanha. A uva precisa de um clima relativamente frio para realçar seus aromas, mantendo os níveis de álcool baixos. Também é suscetível a muitas doenças da videira, o que significa que, embora esta uva seja amplamente conhecida, não é amplamente plantada fora da Alsácia.

Gewürz também costuma ser a resposta quando se trata de pratos picantes difíceis de combinar. Ele vai muito bem com comida tailandesa, pratos indianos aromáticos, vietnamitas, chineses… basicamente qualquer coisa com fragrância e um toque de pimenta leve a médio. Peça um curry, abra uma garrafa e deixe a mágica acontecer!


A Gewürztraminer é uma mutação da uva Savagnin, que é a mãe da Sauvignon blanc e uma das uvas mais antigas do mundo do vinho. Ampelógrafos (cientistas de videiras) acreditam que a própria Savagnin é descendente de uma uva da família pinot, que inclui pinot noir e pinot gris/pinot grigio. A Pinot é conhecida por ser propensa a mutações, e é por isso que a Savagnin (também chamada de traminer) sofreu mutações ao longo do tempo para se tornar a uva de casca rosa e altamente aromática.


A vinha gewürztraminer mais antiga tem mais de 400 anos. É no Pfalz, na Alemanha, que a uva é chamada de rotor traminer. Como a uva é tão difícil de cultivar, os cientistas da videira na Alemanha fizeram muitos cruzamentos das uvas gewürztraminer com outras uvas, mas nenhuma teve tanto sucesso.


Quanto ao aroma de Gewurz, a primeira coisa a dizer é que é extremamente poderoso. Se uma amostra de Gewurz não tiver muito aroma, provavelmente foi feita de uvas produzidas em excesso. Então o aroma é inebriante, a uva (e o vinho) amadurecem facilmente. Seu caráter exato é provavelmente mais precisamente comparado ao aroma de lichias - aquele perfume exótico e tropical - com uma boa medida de pétalas de rosa pungentes e, em alguns dos exemplos mais concentrados, um elemento saboroso que alguns compararam a gordura do bacon. Parece uma combinação estranha? É certamente uma mistura potencialmente inflamável, não é um vinho para ficar em segundo lugar em relação à comida.


● ONDE É PRODUZIDO:


A Alsácia é o lar espiritual de gewurz, produzindo alguns dos melhores exemplos do mundo, desde vinhos secos, mas perfumados e encorpados, até aqueles que apresentam doçura, especiarias e aromas opulentos. É uma das quatro “uvas nobres” da região que são permitidas nos vinhedos grand cru da Alsácia.


A Alemanha também produz gewürztraminer em uma ampla gama de estilos. Mas os estilos secos mais ricos são feitos em Baden e Pfalz.


No Norte da Itália, há pequenas quantidades de gewürztraminer plantadas no Alto Adige, onde a uva Traminer pode ter se originado. No entanto, como o gewürztraminer não é fácil de cultivar e produz relativamente pouca fruta, os vinicultores italianos da região tendem a favorecer a uva moscatel/moscato aromática mais prevalente.


Já na Áustria, é particularmente na Estíria e Burgenland, onde são feitos os vinhos de sobremesa.


Na Espanha, a uva tem alguma presença na região de Penedès, onde a Torres da Catalunha cultiva há muito tempo Gewurztraminer por sua encorpada e aromática Viña Esmeralda, mas talvez a versão mais delicada seja a de Viñas del Vero, cultivada nos vinhedos de alta altitude de Somontano, no norte da Espanha.


Na Europa Oriental, incluindo Hungria, Eslovênia, Romênia e Bulgária, podemos provar alguns vinhos da gewurz. Lá a uva recebe outros nomes como chamado variadamente Mala Dinka (Bulgária), Rusa (Romênia), Traminac (Eslovênia) e Tramini (Hungria, particularmente nos solos ricos ao redor do Lago Balaton).


No Novo Mundo, o gewurz pode ser muito mais complicado de acertar, pois climas quentes podem levar a menos acidez equilibrada e o risco de a fruta perfumada se tornar muito pungente e avassaladora. No entanto, técnicas inteligentes, como a colheita precoce da fruta, significam que locais mais frios podem criar exemplos maravilhosos deste vinho – experimente a Nova Zelândia para estilos excepcionais, com aromas de lichia, pêssego, mel e acidez crocante no final.


Nos EUA, como a gewürz prefere condições de crescimento do vinhedo em regiões mais frias e não responde bem ao calor extremo, não é uma uva muito comum na Califórnia. A AVA de Anderson Valley, mais fria, do condado de Mendocino, produz alguns adoráveis Gewürzes, assim como Monterey e alguns bolsões de Sonoma e da Costa Central. Em outros lugares nos Estados Unidos, pode ser encontrado em Oregon, Washington e Nova York, onde prospera nos Finger Lakes e ao longo da escarpa do Niágara.


Do outro lado da fronteira, Gewürztraminer pode ser encontrada em Ontário - Canadá, em vinícolas ao redor da Península do Niágara e do Vale Okanagan.


Chile, onde a parte sul do país tem climas frios o suficiente para gewürztraminer. O torrontés de uva aromática da Argentina ainda é mais popular que o gewürztraminer por causa de sua maior acidez.


Na Austrália, há algumas centenas de hectares de gewürztraminer, mas o clima é muito quente e as uvas devem ser colhidas cedo antes que desenvolvam seus aromas.


● OS ESTILOS DE VINHOS:


Os vinhos Gewürztraminer são feitos em vários estilos, do seco ao doce. O gewürztraminer “seco”, no entanto, geralmente é feito com um grama ou dois de açúcar residual.


Os vinhos de sobremesa da Alsácia feitos de gewürztraminer podem ser feitos de uvas de colheita tardia (vendange tardive) ou de uvas afetadas por botrytis cinerea, podridão nobre. Os vinhos botritizados são rotulados como “seleção de grãos nobres”. Estes são mais caros, pois os vinicultores precisam colher manualmente os cachos de uva botritizados individuais. A colheita de vinhos de sobremesa na Alsácia é demorada, pois os produtores colhem as uvas em sucessivas passagens pela vinha à medida que as uvas amadurecem a cada dia.

Por ter muito caráter, o gewürztraminer é mais frequentemente feito como um vinho varietal, em vez de misturado com outras uvas. Na Alsácia, o gewürztraminer às vezes é feito em uma mistura de campo, o que significa que outras variedades de uvas, como riesling e pinot gris, são cultivadas, colhidas e transformadas em vinho juntas.


A harmonização de alimentos com gewürztraminer oferece infinitas possibilidades. A acidez e a doçura naturalmente baixas da uva a tornam uma combinação perfeita com pratos tailandeses ou indianos picantes que são difíceis de combinar com vinhos mais ácidos ou tânicos. Segundo Jancis Robinson, hoje entendemos um pouco mais sobre as comidas asiáticas, e ela acha que provavelmente percebemos que não adianta simplesmente prescrever uma variedade de uva para um continente inteiro, ainda mais que é particularmente vasto. O gewürztraminer seco ou não seco complementa molhos asiáticos complexos que combinam sabores doces, picantes e salgados, e o alto teor alcoólico do vinho dá corpo para enfrentar pratos ousados.


Gewürztraminer é um vinho ideal para um brunch, onde sua doçura frutada combina com salada de frutas, waffles ou quiche.


Vinhos de sobremesa feitos de gewürztraminer combinam bem com qualquer tipo de queijo macio, especialmente queijos picantes e salgados como o roquefort. Na Alsácia, o gewürztraminer é mais frequentemente apreciado com o queijo Munster local, ou ainda queijo Maroilles ou queijo Livarot. A doçura do gewürztraminer também corta a riqueza gordurosa do foie gras.


Embora seja difícil imaginar uma onda avassaladora de amantes para Gewurz que veria as videiras Chardonnay, por exemplo, dando lugar a essa alternativa encorpada e perfumada em grande medida, o mundo do vinho sem Gewurztraminer seria um lugar muito mais pobre de boas alternativas para nossas taças !!!


Saúde!!! Aproveite para comentar se gostou ou não!!! (Este artigo está baseado em material disponível na internet, e minhas considerações e pesquisas).

9 visualizações