• Marcio Oliveira - Vinoticias

“DESCOMPLICANDO MONTRACHET E OS GRAND CRUS VIZINHOS”

Continuando nossa série de artigos comentando alguns dos principais vinhos brancos de forma simples e direta, agora é chegada a hora dos vinhos de Montrachet. Para beber vinhos, o melhor é descomplicar...

Montrachet está entre os vinhos brancos mais sedutores e voluptuosos do planeta. O eminente especialista da Borgonha, Dr. Jules Lavalle, escreveu em 1855 que Montrachet produzia vinhos que "merecem incontestavelmente o primeiro lugar entre os vinhos brancos da Côte d'Or, e provavelmente entre todos os vinhos brancos do mundo". Poucos o contradiriam, naquela época ou agora. Esta é a melhor expressão da uva Chardonnay em qualquer lugar do mundo!

Na encosta meridional de Beaune, são dois vilarejos, Chassagne-Montrachet e Puligny-Montrachet que dividem o Montrachet. Ele deve seu nome a seu aspecto, na idade Média qualificado de monte rachet ou monte rachaz, um monte pelado, calvo, onde cresce, somente uma vegetação espinhosa e de planta buxo. No verão, esta vinha pedregosa exposta sul, sudeste é uma verdadeira fornalha.


As suas origens remontam à Idade Média, apesar de que o nome Montrachet ter sido mencionado a partir de 312 d.C. através de um discípulo de Eumenes, que escreveu a primeira descrição conhecida da vinha. Em 1252, proprietários de terras locais doaram parcelas de vinhas para a igreja cisterciense de Maizières na área de “Montrachaz”. Os vinhedos foram obra da abadia cisterciense de Maizières e dos Senhores de Chagny.


Os vinhos de Montrachet se destacaram no século XVII. Por muitos anos Montrachet foi apenas um vinhedo de pedra sem nenhuma das fronteiras que tem agora. Em 1879, ambas as aldeias de Puligny e Chassagne acrescentaram o nome 'Montrachet' aos seus nomes. As denominações Grands Crus datam de 31 de julho de 1937.


Montrachet é a mais antiga das cinco denominações de Grand Cru da Côte de Beaune. É também o segundo maior dos cinco locais. O vinhedo Grand Cru fica entre Meursault no norte e Santenay no sul.


Localizado no meio da encosta na colina de Montrachet, o vinhedo fica acima das aldeias de Puligny-Montrachet e Chassagne-Montrachet. Abrange terras nas comunas de Puligny-Montrachet e Chassagne-Montrachet.


Curiosamente, a forma como as vinhas são plantadas torna a divisão visível. As videiras do lado Puligny (conhecidas como Montrachet) correm de leste a oeste. No lado Chassagne (comumente conhecido como Le Montrachet), as vinhas geralmente seguem uma orientação norte-sul.


O Montrachet estende suas vinhas em 7,99 hectares, se divide entre 18 proprietários e produz 50.000 garrafas por ano. Nasceu de uma família de 4 grands crus que os entornam: Bâtard-Montrachet, Chevalier-Montrachet, Criots-Bâtard-Montrachet e Bienvenues-Bâtard-Montrachet.


Seria um erro pensar que cada garrafa com a palavra “Montrachet” no rótulo é equivalente em qualidade. No entanto, um pouco de conhecimento sobre o vinhedo e os outros que o cercam pode ajudá-lo a rastrear um dos vinhos brancos mais extraordinários do mundo, bem como várias denominações satélites que merecem sua refletida glória.


♦ O CLIMAT (na Borgonha entendido como TERROIR) – Montrachet fica em uma encosta natural e regular, a cerca de 256 m acima do nível do mar. As rochas subjacentes datam do Jurássico (175 milhões de anos aC). Outro fator único no terroir de Montrachet é que o solo contém manganês, que está ausente em Chevalier-Montrachet ou Batard-Montrachet.


Toda a área de Montrachet é protegida pelas colinas de três altitudes que cercam a área, proporcionando as melhores condições de temperatura, chuva e vento de toda a Borgonha. Altitudes: 265-290 metros (Chevalier); 250-270 metros (Montrachet); 240-250 metros (Bâtard, Bienvenues, Criots).


As vinhas estão inclinadas para sudeste, expondo-as ao sol que é essencial para o processo de amadurecimento. A inclinação da vinha com o seu solo calcário pedregoso permite uma excelente drenagem. As videiras crescem raízes profundas e saudáveis no calcário para acessar a água e os minerais lá.


O solo calcário também ajuda a refletir a luz até a copa da videira, o que permite que as uvas atinjam a maturação ideal. A maioria das vinhas usa métodos orgânicos e tradicionais para cultivar as videiras - como o uso de cavalos em vez de tratores para evitar a compactação do solo.


No Climat de Montrachet, os solos são finos e assentam em calcário duro atravessado por uma faixa de marga avermelhada. Em Chevalier, os solos são rendzinas finos e pedregosos derivados de margas e calcários margosos. No Climat Bâtard os solos são calcários castanhos mais profundos e, no sopé da encosta, mais argilosos.


♦ NUANCES DE CADA GRAND CRU – A família Montrachet é composta por cinco Grands Crus cultivados nas duas aldeias de Puligny-Montrachet e Chassagne-Montrachet. Estes dois compartilham as denominações de Montrachet e Bâtard-Montrachet. Chevalier-Montrachet e Bienvenues-Bâtard-Montrachet pertencem a Puligny-Montrachet, Criots-Bâtard-Montrachet pertence a Chassagne-Montrachet. Estes Grands Crus são os mais a sul da Côte de Beaune, e situam-se entre Meursault no Norte e Santenay no Sul.


A. Batard-Montrachet - é um Grand Cru que também cobre terras em Chassagne-Montrachet e Puligny-Montrachet. Seu terroir é ideal para a casta Chardonnay que produz vinhos complexos com excelente potencial de envelhecimento como o Corton Charlemagne e o Grand Cru Etienne Sauzet Batard-Montrachet. Alguns vinicultores famosos neste Grand Cru incluem Domaine Bachelet-Monnot e Girardin.

B. Chevalier Montrachet - A denominação Chevalier-Montrachet Grand Cru encontra-se inteiramente dentro de Puligny. Produz os Borgonhas brancos mais concentrados com riqueza em camadas. Os vinhos produzidos em Chevalier-Montrachet são semelhantes em estilo aos vinhos de Montrachet e tendem a se tornar mais complexos à medida que envelhecem. Bouchard Pere et Fils e Domaine Colin-Deleger são alguns dos produtores de vinho mais conhecidos encontrados aqui.


C. Bienvenues-Batard-Montrachet - Este é um pequeno vinhedo Grand Cru que fica inteiramente dentro de Puligny-Montrachet. Muitos dos vinhos Bienvenues são comparáveis aos de Bâtard-Montrachet. Produtores de vinho populares em Bienvenues incluem Domaine Louis Carillon et Fils e Domaine Paul Pernot.


D. Criots-Batard-Montrachet - Este pequeno vinhedo Grand Cru fica inteiramente dentro de Chassagne-Montrachet e produz algumas das melhores safras de vinho branco. Com 3,9 acres (1,5 hectare), é um dos menores vinhedos Grand Cru da França, produzindo menos de 400 caixas de vinho por ano. Os produtores de vinho aqui incluem Domaine d'Auvenay e Domaine Fontaine-Gagnard.


♦ COMO É FEITO UM VINHO MONTRACHET? - Cada enólogo em Montrachet adotou seus próprios métodos especiais de vinificação. Mas as etapas gerais do processo são semelhantes. Podemos citar como exemplo, vejamos as práticas de vinificação do produtor Joseph Drouhin na propriedade Montrachet Marquis de Laguiche Grand Cru, que está localizada no lado Puligny da denominação. Tem um declive muito suave e excelente exposição sudeste. A densidade de plantio é de 10.000 vinhas por hectare - isso ajuda a extrair o máximo de nuances possível do terroir.

A uva é colhida à mão - em pequenas caixas abertas - para preservar a integridade do fruto. Eles são então classificados. Às vezes, as uvas são classificadas duas vezes – uma vez ao serem colhidas, a segunda vez na mesa de seleção na adega.


A prensagem é feita muito lentamente. Os sucos das últimas prensagens não são usados. O vinho vai diretamente para as barricas para fermentação após o débourbage (decantação do vinho branco para minimizar os sedimentos). Os vinhos são envelhecidos em barricas de carvalho por 15 a 18 meses - cuja madeira é envelhecida por três anos antes do uso.


O resultado é que as diferenças sutis nos vinhos sinalizam variações no Climat, mas também compartilham muitos traços comuns. Geralmente a cor dos vinhos é dourada salpicada de esmeralda, escurecendo em direção ao amarelo dourado com a idade. Seu bouquet evoca manteiga e croissants quentes, ervas, frutas secas, especiarias e mel. Corpo e bouquet não são distinguíveis separadamente, estão intimamente misturados com a estrutura e a harmonia em um único todo perfeito. Untuosos e firmes, secos e acariciantes, envolventes e profundos, estes vinhos combinam todas as virtudes numa personalidade firmemente estabelecida.


♦ HARMONIZAÇÕES E SERVIÇO - O poder e a persistência aromática destes vinhos nobres exigem pratos aristocráticos e sofisticados com texturas complexas: foie gras, caviar, lagostas, lagostins e grandes camarões, com seus sabores fortes e texturas firmes, homenageiam o vinho e combinam com sua opulência. Peixes brancos de carne firme, como o tamboril, ficam igualmente à vontade em sua companhia.


E não nos esqueçamos de aves de capoeira bem engordadas, cuja delicada carne, com a adição de um molho de creme de leite e cogumelos, será envolta na textura untuosa e deliciosa deste vinho.


Mesmo um simples pedaço de vitela, frito ou em molho, seria elevado às alturas celestiais pela acidez longa e sutil do Montrachet. A temperatura de serviço ideal, para realçar tantas virtudes é entre 12 e 14°C.


Hoje, a vinha de Montrachet tem vários proprietários diferentes que produzem alguns dos vinhos brancos mais famosos do mundo. Bouchard Père et Fils e Domaine de la Romanée-Conti têm parcelas na vinha, e Domaine Leflaive e Joseph Drouhin produzem alguns dos vinhos mais prestigiados entre críticos e amantes de vinhos brancos.


!!! Saúde!!! Aproveite para comentar se gostou ou não!!! (Este artigo está baseado em material disponível na internet, e minhas considerações e pesquisas).