• Marcio Oliveira - Vinoticias

“DESCOMPLICANDO OS VINHOS DA SAUVIGNON BLANC – CONHECENDO O SANCERRE”

Continuando nossa série de artigos comentando alguns dos principais vinhos brancos de forma simples e direta, agora é chegada a hora dos vinhos da casta Sauvignon Blanc, em especial, um de seus melhores estilos. Para beber vinhos, o melhor é descomplicar...

Sancerre é uma pequena região vinícola no centro da França, famosa por seus vinhos brancos crocantes e aromáticos feitos de Sauvignon Blanc. Fica na margem esquerda do rio Loire e fica em frente a outra famosa denominação de Sauvignon Blanc, Pouilly-Fumé. Também é conhecida pelos seus queijos de cabra de alta qualidade, que são uma excelente combinação para o vinho local. As vinhas aqui cercam a cidade de mesmo nome, que fica no topo de uma colina em forma de feijão com vista para o rio Loire.


O vinho clássico Sancerre é branco, fortemente ácido e tem aromas pungentes de groselha, grama, urtiga e uma pitada de mineralidade pedregosa. Exemplos mais ricos e maduros - particularmente aqueles de locais mais quentes e voltados para o oeste com solos calcários - geralmente mostram notas mais frutadas de maracujá e casca de limão. Sancerre é tipicamente menos "óbvio" do que os mais famosos estilos do Novo Mundo de Sauvignon Blanc; com menos aromas de grama verde cortada ou de maracujá azedo que as de Marlborough e menos abertamente cítricas que as de Casablanca.


É apenas a partir de meados do século XX, com a criação da denominação protegida de Sancerre, que o nome da vila tem sido tão fortemente associado aos vinhos brancos. Antes disso, o distrito era mais conhecido por seus tintos de corpo leve. Hoje, o Sancerre Rouge tinto – feito exclusivamente de Pinot Noir – responde por menos de 20% da produção anual do distrito.

Até que a filoxera eliminou vastas extensões de vinhedos na década de 1860, os vinhedos aqui eram plantados principalmente com variedades de vinho tinto, como Gamay e Pinot Noir. Os vinhos brancos eram minoria e eram feitos não de Sauvignon, mas de Chasselas. Quando a solução para a epidemia de filoxera foi identificada (enxertando videiras europeias em porta-enxertos americanos), as videiras Sauvignon Blanc mostraram-se mais responsivas do que essas outras variedades. Assim, a Sauvignon passou a ser a variedade mais plantada de Sancerre – um desenvolvimento sem o qual o distrito e seus vinhos provavelmente não seriam tão famosos como são hoje. Pequenas quantidades de Chasselas ainda são cultivadas na área, principalmente no lado oposto do Loire, em torno de Pouilly-sur-Loire.


Sancerre está localizada no extremo leste da principal área de vinhedos do Vale do Loire, a centenas de quilômetros dos vinhedos mais a oeste da região. Na verdade, está mais perto da Côte d'Or da Borgonha do que das outras principais regiões vinícolas do Loire, Anjou e Touraine. A apenas 80 quilômetros de distância fica o distrito mais ao norte da Borgonha, Chablis, cujos famosos solos Kimmeridgianos também são uma característica do terroir aqui em Sancerre.


A região tem um clima relativamente frio e continental. A Sauvignon Blanc prefere clima mais fresco e temperado em geral, e essas condições no Vale do Loire ajudam a preservar a acidez natural da variedade.


A área vitícola de Sancerre cobre um trecho de 24 quilômetros de colinas na margem oeste do Loire. Cerca de 2.800 hectares de vinhas são agora dedicados à produção de vinhos da denominação, quase o dobro da área cultivada quando a denominação Sancerre foi criada em novembro de 1936. A indústria vinícola do Vale do Loire enfrentou dificuldades econômicas significativas na última década (devido a uma combinação de colheitas fracas e do mercado internacional de vinhos cada vez mais competitivo), mas Sancerre sentiu esta pressão com menos intensidade do que outros distritos. Sua forte reputação histórica - juntamente com o apelo de seu estilo de vinho para os consumidores de vinho modernos - permitiu a Sancerre manter seu status de "rei da colina" do Vale do Loire.

Para aqueles que estão curiosos para saber como Sancerre difere de outras formas de Sauvignon Blanc, a resposta pode ser encontrada no terroir do vinho. O solo de Sancerre confere a estes vinhos uma grande quantidade de características esfumaçadas e duras, que são inconfundíveis no primeiro gole. As videiras são plantadas em colinas de calcário, o que - juntamente com o clima - ajuda a influenciar as uvas Sauvignon Blanc em um grau notável. A acidez é maior do que a normalmente encontrada na uva, e os sabores de camomila e pêssego branco permeiam o nariz do vinho Sancerre.


Os tipos de solo são motivo de orgulho para os viticultores de Sancerre. Eles são divididos claramente em três tipos principais: giz, cascalho calcário e sílex (sílex). Este último é frequentemente creditado pelo aroma distinto e esfumaçado de “pierre à fusil” (pedra de isqueiro) encontrado em alguns Sauvignon desta parte do Vale do Loire.


Existem três tipos diferentes de solo na região de Sancerre – caillottes (calcário puro), terres blanches (calcário argiloso) e silex (sílex). As calillottes e terres blanches representam 40% cada uma.


♦ AROMAS DO SANCERRE - O aroma é claro em alguns vinhos Sancerre – mais obviamente os das vinhas orientais mais próximas do Loire. É a razão por trás do pseudônimo tradicional de Sauvignon Blanc Fumé – que sobrevive em nome do vizinho e rival de Sancerre, Pouilly-Fumé.


Procure aromas cítricos, flor de sabugueiro, grama e algumas notas de groselha no seu vinho branco seco Sancerre, dependendo do produtor e da garrafa específica. Muitos vinhos mostram um adorável caráter mineral e os melhores exemplos são conhecidos pela textura deliciosa e multicamada no paladar.


Pela sua mineralidade, há críticos de vinhos que consideram Sancerre e Chablis de “gêmeos de clima e solo, que por acaso se encontram cultivando diferentes variedades de uvas”.


♦ COMPARANDO SANCERRE E SAUVIGNON BLANC DA NOVA ZELÂNDIA: Qual é a diferença? Existem ótimos vinhos em ambos os campos, e é muito difícil generalizar no mundo do vinho. No entanto, a Sauvignon Blanc é uma variedade de uva aromática e os vinhos varietais clássicos de Marlborough, na Nova Zelândia, podem oferecer aromas mais pronunciados em sua Taça – talvez com mais notas de groselha ou maracujá vindo à tona.


Em vez dos aromáticos extravagantes que você encontraria em um Sauvignon Blanc estereotipado da Nova Zelândia, por exemplo, o Sancerre branco se concentra na estrutura e na textura derivadas de suas origens.


♦ GUARDA - Muitos dos vinhos Sancerre estão prontos para serem bebidos ainda jovens, mas também há exemplos dignos de idade.


Você pode desfrutar de um Sancerre quando é jovem e fresco, mas se você comprar um Sancerre de primeira, obterá uma complexidade adicional com 10 ou 15 anos na adega que você não encontraria em outros Sauvignon Blancs.


♦ HARMONIZAÇÕES - Uma combinação clássica com o vinho branco Sancerre seria o queijo de cabra. Mas prefira queijos jovens, ou seja, aqueles que não são maturados, porque o sabor forte pode ser um problema.

Pelas suas características elegantes e pétreas, Sancerre é um complemento perfeito para uma grande variedade de alimentos. Ele brilha quando combinado com frango assado, fruto do mar, peixe grelhado ou carnes brancas grelhadas. É tão eficaz quando combinado com saladas e pratos de legumes grelhados, mas Sancerre também não precisa de acompanhamento para ser apreciado sozinho.


Sancerre produziu principalmente vinho tinto de Pinot Noir e Gamay até a chegada da filoxera na segunda metade do século XIX. Hoje, na denominação Sancerre, o Sauvignon Blanc agora responde por aproximadamente 80% da produção, com o Pinot Noir apenas 20%.


Saúde!!! Aproveite para comentar se gostou ou não!!! (Este artigo está baseado em material disponível na internet, e minhas considerações e pesquisas).

8 visualizações