• Vinotícias

“VINHO & GUERRA – PARTE 2”

Dando continuidade ao assunto que começamos a desenvolver na semana passada ...


No final da década de 1930, o vinho ocupava um lugar privilegiado na França, tanto na cultura quanto na memória do país. Desde a Grande Guerra, estava em todas as mesas. A França possuía 1,6 milhão de viticultores declarados, cobrindo uma área de 1,874 milhão de hectares e produzia 79 milhões de hectolitros de vinho. Este vinhedo passou por crises repetidas (oídio de 1848 a 1856, filoxera por volta de 1865, crise dos anos 30). Desde 1930, foram tomadas medidas para regulamentar o mercado de vinho (criação de um "estatuto vitícola", de "preço social" do vinho, do Comitê Nacional de Denominações de Origem para os Vinhos e Eau-de- vida (CNAO)).

O último Congresso Internacional de Vinhos, em 1939, ocorreu em Bad Kreuznach, o local ideal utilizado pelos nazistas para mostrar o retorno da Alemanha ao cenário internacional, em particular, no setor de vinhos. Os participantes estrangeiros foram todos expulsos após quatro dias de congresso, no momento da invasão da Polônia pelos nazistas.


Verão de 1940. Os veículos blindados do general von Rundstedt atravessavam as Ardenas. A "guerra de esperar o primeiro ataque alemão" deu lugar à "estranha derrota". Nas estradas da França, havia o êxodo sob uma onda de calor. Em todos os lugares, produtores de vinho começaram a agir para que o exército alemão não pusesse as mãos no que o país fazia de melhor - o “vinho”.


Nas vinhas, as adegas foram muradas às pressas, as melhores garrafas enterradas com os porcos e os rótulos adulterados, transformando a pior zurrapa em “grand cru”. Era uma honra do artesão que os nazistas saissem com chá de ervas em vez de um Mouton-Rothschild!.


Esta é a versão do "romance nacional". Diz-se que as tropas da Wehrmacht, com uniforme de verde-oliva, saquearam, beberam e esvaziaram as reservas francesas de vinho, enquanto a maioria dos viticultores franceses tentava protegê-los com os meios disponíveis. Para Christophe Lucand, esses atos estão longe de refletir a maioria dos comportamentos observados entre os viticultores da época. Em seu último trabalho, Wine and War: Como os Nazistas Assumiram o Controle da Vinha Francesa (editado pela Armand Colin Publishing), o historiador lança uma nova luz sobre as relações entre os alemães e o mundo do vinho francês sob o Ocupação.


"A diferença é imensa entre aqueles que, em número reduzido, reduziram suas atividades ou renunciaram voluntariamente ao comércio com o Reich, e os comerciantes, muito menos escrupulosos" - Christophe Lucand


Na realidade, porém, coragem e ousadia raramente fizeram jus às histórias relatadas. Confrontado com a massa de arquivos históricos à nossa disposição, as histórias mais incríveis, às vezes extraídas de uma imaginação digna do cenário de peças de teatro, dão lugar a uma história mais brutal. A história do vinho na França durante a ocupação nazista de 1940 a 1944 é na verdade, o de uma tragédia que há muito tempo se queria esquecer. A cadeia de eventos parece traduzir uma fatalidade implacável. Revela a queda de um mundo que se rende ao compromisso e covardia maior. Além de todos os valores morais registrado na sociedade do início do século XX século, o historiador se esgotaria para identificar os inúmeros sinais de acomodação servil, ganância incrível, maldade latente e revoltantes traições de atores inteiramente habitado pela única busca por imensos lucros e rápido, custe o que custar a consciência e o interesse nacional.


Nós não responderemos não à questão de saber se é natural que a lógica comercial prevaleceu sobre o sentido patriótico, mas é necessário mostrar a extensão impensada da única lei do lucro naqueles tempos difíceis, sem prejudicar aqueles que fizeram seu trabalho honestamente, às vezes levando seus negócios à morte comercial definitiva e prematura.


Portanto, podemos entendê-lo facilmente, o mundo na Segunda Guerra e a ocupação alemã do país constituem um evento que ajudou a reconfigurar em profundidade a paisagem do vinho francês e seu equilíbrio. Nestas condições históricas, não se pode separar esse período da lógica da continuidade que precedeu e tornou possível, nem mante-lo entre parênteses, associando sua dimensão ao seu carater único e estritamente acidental. Contrariamente a este princípio, no entanto, os discursos do mundo profissional do vinho e de todos aqueles associados a ele, geralmente dão bem pouca atenção sobre as mudanças bruscas, descontos envolvidos e momentos de ruptura.


A história dos mundos do vinho, muitas vezes muito concordada e pacientemente reinventada pelos próprios atores, contando com longas escalas de tempo, às vezes imemoriais, onde tradições vistas como ancestrais dificilmente concordam com as evocações de crises e guerras que quebram com a unidade das histórias mais esperadas. De certa forma, em geral, a vontade obsessiva do mundo do vinho de querer remover a vinha dos caprichos do tempo para registrá-la na permanência de uma ordem natural, biológica e geológica, considerada superior, não suporta os momentos de desordem, crise e questionamento.


Como tal, os efeitos da Segunda Guerra Mundial e da Ocupação Alemã, quando não são simplesmente negados em palavras, são convertidos em momentos fugazes de teste de uma permanência finalmente triunfante. O estudo desse período tão singular deriva tanto de um problema de método quanto de uma questão central do historiador. Trata-se aqui de definir e contextualizar o local em uma longa história de períodos considerados "outliers" cujos os efeitos podem ser compreendidos algumas vezes várias décadas depois, sujeitos a ir além da retórica dominante e essencial das fontes.


♦ UM PROCESSO ALTAMENTE ORGANIZADO E PLANEJADO - Lucand refuta a ideia de saques desorganizados. Ele acredita que o vinho foi um dos principais alvos dos nazistas, mesmo antes do início da Blitzkrieg. Um produto "altamente estratégico, considerado essencial para abastecer a população civil alemã, essencial para manter o moral de suas tropas em combate e essencial para alimentar os circuitos mundiais do Reich", afirmou.


Acima de tudo, seu livro demonstra, com documentos comprovativos, que muitos viticultores ou comerciantes, longe de serem submetidos à agonia da presença do inimigo, aproveitam a situação para obter seu preenchimento completo.


Em Berlim, o vinho francês tinha muitos apoiadores. Existem aqueles que, de acordo com uma antiga doutrina formulada na época de Bismarck, consideravam a França um solo superficial gigantesco, e outros que simplesmente o adoravam como um solo estelar - Hermann Göring, comandante-chefe da Luftwaffe, tinha uma preferência pelas garrafas de Bordeaux enquanto Joachim Von Ribbentrop, chefe de diplomacia, era um ex-comerciante de vinhos espumantes e tinham verdadeira paixão pelo vinho francês.


No verão de 1940, as tropas alemãs aproveitaram a desvalorização do franco e a força do reichsmark para operar "grandes compras de vinho". Lucand descreve o mercado como um pouco casual, mas com base em preços muito acima do normal: "as vendas estavam completamente descontroladas e, na prática, excederam todos os preços".


Rapidamente, os alemães entenderam a necessidade de um suprimento regular de “vinho básico” e buscaram suprimentos nas vinhas austríaca ou sudeta, que estavam sob sua bandeira. Menos vendas sob pressão na França, mais pedidos seriam atendidos.


Para detectar as melhores safras e garantir a produção dessa mercadoria estratégica, a Kommandantur coloca em cada província de vinho um Weinführer, um "comerciante de vinho uniformizado", geralmente um ex-comerciante, responsável pela organização do mercado - este é o caso de Otto Klaebisch em Champagne.


Esses homens conhecem não apenas os melhores produtores, mas também as engrenagens de sua economia e os interlocutores que participam dela. Alguns eram até francófilos, sabendo tudo sobre os estoques ou o funcionamento de grandes casas e eram difíceis de se enganar.


♦ QUEM ERAM OS WEINFUHRERS? - Esses homens conheciam não apenas os melhores produtores, mas também as engrenagens de sua economia e os interlocutores que participam dela. Alguns eram até francófilos, sabendo tudo sobre os estoques ou o funcionamento de grandes casas e eram difíceis de se enganar.


Muitos deles tinham relações anteriores com os grandes produtores da França antes da Segunda Guerra, eram amigos entre si, passavam Natais juntos, alguns eram padrinhos de casamento uns dos outros e padrinhos nos nascimentos dos filhos.


Na Borgonha - Friedrich Doerrer, depois chegou Adolph Segnitz – Importador do DRC para a Alemanha.


Na Champagne – Otto Klaebisch – era produtor e importador de Champagnes. Era francês de nascimento (Cognac) e cunhado de Joachin Von Ribbentrop Ministro das Relações Exteriores - casado com a filha de Otto Henkel – maior produtor de espumante da Alemanha.


Em Bordeaux – Heinz Bomers – maior importador de vinhos para a Alemanha, foi proprietário do Smith-Haut-Lafitte!


O trabalho destes homens era comprar grandes estoques de vinho. O mais barato era destinado às tropas, o melhor era enviado aos dignitários nazistas ou à Alemanha, onde era imediatamente vendido no mercado internacional com grande lucro, ajudando assim a financiar as campanhas militares do Reich.


Como Lucand ressalta, citando, por exemplo, um relatório detalhado fornecido ao Grupo da Libertação sobre a Direção-Geral de Estudos e Pesquisa, que se alguns viticultores relutaram em vender sua “zurrapa” ao inimigo, outros tiveram menos escrúpulos: "As casas de champanhe, assim como muitos viticultores, e muitos manipuladores de vinho, tiveram uma atitude mais do que benevolente em relação ao inimigo ".


Na região do Champagne, a cota de fornecimento semanal de vinhos era de 500.000 garrafas de espumantes, sendo que 10% era o fornecimento regular da Moet & Chandon.


♦ UMA VISÃO MAIS HERÓICA – O casal de jornalistas americanos, Don e Patie Kladstrup, estavam no Vale do Loire fazendo uma reportagem com o prefeito de Vouvray, Gaston Huet, sobre a escavação de um túnel para o trem na região. Ao conversar com Huet sobre vinhos, descobriram uma incrível história sobre a época da Segunda Guerra Mundial e os vinhos da região. Eles decidiram se aprofundar no assunto e criaram este livro de agradável leitura.


Don Kladstrup é ex-correspondente jornalístico de televisão. Ele já ganhou três Emmys e muitos prêmios por toda sua atividade. Katie é escritora free-lance e escreveu sobre a França. Ambos são colaboradores da revista Wine Spectator.


O livro “Vinho & Guerra – Os franceses, os nazistas e a batalha pelo maior tesouro da França”, é um prato cheio para acompanhar a luta entre os vinicultores e o exército alemão da Segunda Guerra Mundial pelo excelente vinho francês. A obra segue a trajetória de cinco importantes famílias das principais regiões vinícolas da França, durante a ocupação nazista: os Drouhin, na Borgonha; os Miaihle, em Bordeaux; os Hugel, na disputada região da Alsácia; os de Nonancourt, na Champagne e os Huet, no Vale do Loire, numa leitura fascinante e de tirar o fôlego.


Após a Primeira Guerra Mundial, a safra de 1939 prometia ser péssima para os vinhos franceses. Para completar o temor, a Alemanha nazista ganhava força e ameaçava invadir a França. Após a anexação da Áustria e a invasão da Tchecoslováquia, esse temor ganhou ainda mais intensidade. Finalmente, com a invasão alemã na Polônia, França e Inglaterra decidiram entrar na guerra.


Durante algum tempo, antes da luta se iniciar, os produtores de vinho voltaram suas atenções para suas videiras e esqueceram um pouco a iminente ameaça nazista. Em abril de 1940, no entanto, as tropas alemãs invadiram a França, que se rendeu facilmente. Ao se darem conta do que se passava, já era tarde demais para os vinicultores salvarem seu tesouro.


A contra-ofensiva francesa exigiu a formação de uma eclética parceria, envolvendo desde homens, mulheres e até crianças arriscando suas vidas por uma causa que significava não só proteger a economia da França, como preservar um de seus prazeres mais autênticos – o vinho. Os proprietários do famoso restaurante parisiense La Tour d'Argent ergueram uma parede para ocultar suas vinte mil garrafas mais valiosas, mas as restantes 80.000 foram tomadas pelas tropas alemãs e enviadas para Berlim, sendo em parte recuperadas ao final da guerra.


O livro revela a astúcia dos produtores de vinho, que chegaram a usar teias de aranha para "envelhecer" as paredes falsas que camuflavam suas melhores garrafas, além de "empurrar" as piores safras para os alemães, enviar encomendas para a destinação errada (trocando Hamburgo por Homburg, por exemplo) e sabotar trens carregados de vinho para a Alemanha.


Sobressai igualmente neste livro a coragem dos vinicultores que abrigaram judeus e transportaram membros da Resistência dentro de barris, bem como a atitude impatriótica de alguns colaboracionistas, que trabalharam junto aos ocupantes em proveito próprio.


♦ MERCADOS NEGROS DURANTE A GUERRA – Durante a Guerra, muitos comerciantes de vinho enriqueceram e até mesmo se tornaram bilionários! Nem todo mundo jogou o jogo da colaboração econômica, de acordo com o historiador, mas a Alemanha, sendo um dos únicos compradores, tornava difícil não vender para os nazistas.


E foi o mercado negro que ganhou mais força durante a guerra: "Os maiores comerciantes do mercado, principalmente em Beaune, venderam os vinhos em proporções inimagináveis e de forma completamente anônima, sem faturas. Portanto, no lançamento contábil, não há evidências e não sabemos as quantidades exatas que abasteceram a Alemanha durante a guerra".


Para fazer esse comércio, as principais grandes casas comerciais tinham filiais em Mônaco: "Desde a década de 1930, Mônaco era um paraíso fiscal que abrigava empresas de fachada, e comerciantes desses ramos de atividades usavam de transações clandestinas, para oculta-las do Estado francês. Portanto, sem impostos, sem declarações e na época da Libertação, pouca ou nenhuma evidência".


♦ COMÉRCIO INTERNACIONAL - Em sua pesquisa, Christophe Lucand também descobriu que esse comércio com a Alemanha tornou possível ficarem conhecidos os vinhos da Borgonha em todo o mundo: "Eles eram vendidos na Suíça, em estados neutros, como na Suécia, através de empresas estabelecidas em Mônaco. "Esses vinhos também foram vendidos para os Estados Unidos e Inglaterra. No coração da guerra, tudo é possível na realidade. Porque o comércio continuou." De alguma forma, a Alemanha salvou o mercado de vinhos na França, mas foi então em 1945 que os Estados Unidos e a Inglaterra assumiram o controle do mercado destes rótulos. E compraram esses vinhos a preços muito altos.


Um negócio que tivemos problemas para descobrir. Ao contrário do champanhe, que é entregue em garrafas, o vinho da Borgonha era levado para a Alemanha em barris. Comboios de carros-tanque ou vagões relâmpagos cruzavam a França: "Nós sabemos apenas que, para vinhos de luxo, 60 a 70% da produção da Borgonha foi direta ou indiretamente direcionada ao Reich".


♦ QUALIDADE SIGNIFICATIVAMENTE ENFRAQUECIDA - As vinhas sofreram terrivelmente com a guerra, segundo o historiador. Elas precisavam ser mantidas: "e sabemos como isto era complicado. A viticultura exige a adição de produtos como enxofre e ferro". E havia uma segunda razão para essa qualidade, que caiu acentuadamente, é que o comprador alemão tinha pouca consideração pela qualidade.


Muitas denominações foram usurpadas com vinhos medíocres de qualidade, frequentemente vendidos sob nomes de grande prestígio. Alguns comerciantes franceses chegaram a pedir para as autoridades alemãs e para o governo de Vichy evitar qualquer controle em nome da empresa e da liberdade de comércio.


♦ OS VENTOS DA MUDANÇA - Com o passar do tempo, o sofrimento dos franceses aumentava. A escassez de comida e conforto revoltava a população. O exército de Resistência ganhava cada vez mais força e adesão da população cansada da ocupação alemã. Os vinicultores, em seus campos de concentração ou lutando na guerra, só pensavam em uma coisa: seus vinhos. O que lhes dava força para suportar o horror da guerra era pensar em seus vinhedos e sua produção. A possibilidade de voltar para casa e cuidar tranquilamente daquilo que ama, era a principal meta dessas pessoas.


As esperanças voltaram a crescer com as notícias de que as tropas americanas entrariam na guerra e libertariam a França da ocupação nazista. A invasão dos Aliados na Normandia, em 1943, voltou a levar sorrisos aos rostos franceses, que começaram a pensar em suas vidas normais que levavam antes do sofrimento da guerra. Finalmente os alemães estavam se retirando da França!


A partir de 1944, quando o vento começou a mudar com mais força, alguns aproveitadores de guerra tentaram se redimir pelas atividades desenvolvidas junto dos alemães - é o caso, por exemplo, de Marius Clerget, à frente da casa Les Grands Crus de Bourgogne, em Pommard, quem juraria em seu julgamento ter fornecido informações às redes da Resistência.


"A diferença é imensa entre aqueles que, em número reduzido, reduziram suas atividades (...) ou renunciaram voluntariamente ao comércio com o Reich, e os comerciantes, muito menos escrupulosos, cujo enriquecimento às vezes fantástico repentinamente colocou suas casas em uma posição incomensurável com a situação do período pré-guerra ”, afirma Lucand.


Na fase que se seguiu a Libertação da França, os viticultores que se sentiram ofendidos uniram forças e embarcaram em um marketing baseado no Pinard. “O patriotismo se tornou um argumento comercial incomparável. Decidiram adotar vinhetas, aplicadas nas garrafas, especificando: "Nem uma gota de vinho vendida aos alemães durante a guerra" ou "Casa que não trabalhou com os Alemães durante a Ocupação".


Se, para alguns, a Ocupação representou uma "era de ouro" real (os resultados financeiros sem precedentes de certas casas como Louis Roederer ou Moët & Chandon provam isso), poucas foram, no entanto, condenadas por terem negociado com o inimigo.


Apoiado em arquivos, o trabalho de Lucand destaca a importância estratégica da vinha francesa e mostra que, ao contrário da crença popular, o temível planejamento nazista e as imensas taxas nunca poderiam ter sido bem-sucedidos sem a ajuda de Vichy e a cumplicidade de muitos profissionais, enólogos ou comerciantes. Com base nessa observação, Christophe Lucand percebe que não houve um estudo em escala nacional real sobre esse tema.


Durante muito tempo, a história dos mundos da vinha e do vinho permaneceu congelada em histórias imaginárias e heroicas de resistência a ocupação. A realidade segundo Lucand é bem diferente: o mundo dos vinhos e das vinhas precisa se afastar das imagens de coragem e resistência. O historiador, portanto, acha difícil esclarecer esse período:


● a interpretação do depoimento das testemunhas da época, construindo um heroico "discurso consensual e benevolente" para todo o setor do vinho de maneira geral;

● o desaparecimento de dados das contas das empresas;

● quantidades significativas de vinho foram vendidas no mercado negro e portanto, sem nenhuma emissão de documento fiscal.


As fontes utilizadas no seu estudo foram documentos fiscais no nível tributário, documentação de empresas privadas, fundos documentais de sindicatos comerciais e de viticultura e detalhes de ações iniciadas pelo Centro de Arquivos Econômicos e Financeiros (CAEF).


No final da guerra, certas casas da Borgonha deram muito dinheiro à resistência. Jogando nas duas frentes, entre a França livre e a colaboração econômica com os alemães. Na Libertação, apenas alguns comerciantes franceses foram condenados a 1 ou 2 meses de prisão.


O mercado de vinho sobreviveu às agruras da Segunda Guerra, e pelo que lemos, este é um tema que muitos preferem esquecer, ou esconder!!! Saúde !!!


(Baseado em informações sobre o mercado de Vinhos durante o Século XX, especialmente durante as Grandes Guerras, encontradas na internet e que serviram de base para a Live “Vinho e Guerra” de 30/04/2020).